Citações


Charb : « Je préfère mourir debout que vivre à genoux»

E assim foi.

As arrumações de final de ano fazem aparecer coisas curiosas que nos fazem sentar, abrir e ler umas páginas.

Quem disse/escreveu isto e quando, sendo que eu eliminei apenas alguns termos muito próprios do contexto em causa?

As escolas custam ao povo português enormes meios financeiros. Não é de admitir que muitos milhares de jovens filhos de classes trabalhadoras queiram estudar e não possam por falta de recursos e, ao mesmo tempo, existam numerosos estudantes que não querem trabalhar nem estudar, que querem passar o ano a perturbar, desorganizar e paralisar a vida escolar, que querem passar o ano dando o permanente espectáculo da arruaça, dos golpes, da chantagem, das desordens e ainda com a exigência de, no fim de tudo isso, obterem a passagem administrativa.

(…) não é de admitir que entre na escola quem pensa que na escola não interessa estudar. As escolas devem ser para aqueles que queiram estudar. Quem não quer estudar vá trabalhar para as oficinas, nos campos ou nos escritórios como fazem centenas de milhar de jovens.

Não se pode aceitar que o povo português, de cujo trabalho vêem afinal os recursos para pagar o funcionamento das escolas, esteja a alimentar a ociosidade e o parasitismo [dos que] nem estudam nem deixam estudar os outros.

“Shukov adormeceu completamente satisfeito, feliz. Fora bafejado por vários golpes se sorte durante aquele dia: não o haviam posto no xadrez; não haviam enviado a brigada para o Centro; surripiara uma tigela de kasha ao almoço; o chefe da brigada fixara bem as rações; construíra uma parede e tirara prazer do seu trabalho; arranjara aquele pedaço de metal e conseguira passá-lo; recebera qualquer coisa de Tsezar, à noite; comprara o tabaco. E não caíra doente.

Um dia sem uma nuvem carregada, sombria. Quase um dia feliz.

Contava já no seu activo três mil seiscentos e cinquenta e três dias como este. Desde o primeiro até ao último toque na barra de carril.

Os três suplementares pertenciam a anos bissextos.”

(Alexandre Soljenitsin, Um dia na vida de Ivan Denisovich, 1972, p. 198)

Ó shôr@ deputad@

E para piorar o conteúdo, agora passou a falar sempre com aquele ar de seminarista engonhado e amnésico (será que ele se esquece quando fez de rufia que não aceitava sugestões de ninguém?) que não sei se mete dó, se mete outra coisa.

O primeiro-ministro, que se escusou a comentar o discurso do secretário-geral do PS, António Costa, no congresso socialista do fim-de-semana passado, quis “apenas reafirmar a importância que para o país tem que gente adulta, gente crescida, gente preparada, gente que tem responsabilidades políticas possa olhar para o futuro sem ser com a perspectiva de contar espingardas, que seja com a perspectiva de chegar a respostas que os portugueses entendem como sendo respostas para os seus problemas”.

“Quando as soluções políticas parecem ter outra solidez, as pessoas sentem-se mais à vontade para comprometer a sua palavra, para poder chegar a um entendimento sem que isso pareça uma derrota para ninguém. Essas condições estão reunidas e só não haverá um espírito de compromisso se ele não for desejado”, enfatizou.

Gente crescida, gente preparada?

Mas que raio de intervenções públicas são estas, vindas de quem a cada oportunidade diz coisas do mais bacoco e infantil que se pode arranjar?

Exemplos:

“Despedir-se ou ser despedido não tem de ser um estigma, tem de representar também uma oportunidade para mudar de vida.”

11-05-2012

“O Governo não está a preparar um aumento de impostos. Não estamos a pôr porcaria na ventoinha e a assustar os portugueses.”

Debate do Estado da Nação, 11-07-2012

“Todas as dificuldades porque passámos não terão servido para nada. Servirão para alguma coisa (…) quando não nos comportarmos como baratas tontas e soubermos bem para onde vamos.”

25-07-2012

“Amigos. Fiz um dos discursos mais ingratos que um primeiro-ministro pode fazer – informar os portugueses, que têm enfrentado com tanta coragem e responsabilidade este período tão difícil da nossa história, que os sacrifícios ainda não terminaram.”

Facebook, 09-09-02012

“O ano que agora está a terminar foi talvez o ano mais difícil de que tenho memória desde 1974, mas foi também o ano em que mais semeámos para futuro.”

21-12-2012

“[O programa de rescisões na Função Pública] deverá ser encarado como uma oportunidade e não como uma ameaça para trabalhadores e serviços.”

18-03-2013

Fonte: Jornal de Negócios.

polish-a-turd

… mas a citação é fiel ao pensamento transmitido. Faz parte de uma peça do Jornal de Letras desta semana acerca do arranque do novo ano lectivo e da situação da Educação.

PG JL17Set14

Numa altura em que se volta a reforçar a necessidade de ter os melhores professores nas escolas, para trabalhar com os alunos da melhor maneira possível, é frustrante constatar que temos quase uma década de desinvestimento no capital humano dessas mesmas escolas, quantas vezes manipulando os dados sobre as despesas com pessoal, os rácios e muitas outras coisas.

O engenheiro desinvestiu no humano, justificando-se com o investimento tecnológico.

Este justificou-se com a troika e depois com umas manigâncias estatísticas.

Que tais opções, porque excessivas e mantidas na base de preconceitos e animosidades, já estão a ter consequências graves, é uma evidência pela qual dificilmente pedirá as devidas desculpas.

 

É de espantar tamanha ingenuidade em quem chegou a PM no nosso país, para mais ao colo de um Relvas que, por sua vez, andou ao colo de tanta outra gente que, ao que parece, só agora se percebe que…

IMG_6435

Visão, 21 de Agosto de 2014

Isto não é ser sério, é ser hipócrita e querer fazer-nos passar por parvos.

Ser sério, como em tempos ouvi a alguém, é conhecer o que há de mal e não recear falar, pois isso é essencial para que o país mude a sério.

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.038 outros seguidores