Economistas De Algibeira


Consta que humedeceu o indicador e o colocou do lado de fora da janela de Belém…

Cavaco Silva prevê crescimento de 2% em 2015

Otimista, mais do que o governo ou a OCDE, o Presidente da República elogia políticas da maioria.

Agora imaginemos que ele decidia meter-se na política partidária e em questões com repercussão na campanha eleitoral.

É curiosa a diferença entre a notícia na TSF rádio e o título no site. Na primeira sublinhava-se que 2014 foi o ano em que as exportações menos cresceram desde 2009, tendo ficado largamente abaixo das importações. No segundo caso, a comparação desaparece.

Mas o essencial não muda: o salvador da Economia nacional, pelo qual o vice primeiro-ministro ia rasgando todas as vestes, vai progressivamente demonstrando que uma coisa é vender cervejolas e refrigerantes num país quase tropical, outra fazer mais do que passear as melenas por certames internacionais à conta de todos nós.

E se, afinal, o ministro Álvaro não fosse tão inepto como os portinhas o quiseram pintar na sua ânsia por colocar no lugar quem lhes abrisse a porta para os subsídios e colocações profissionais

 

E não é que anunciavam amanhãs cantantes mal o homem chegasse à Economia? Andou o Paulinho a rasgar as vestes para o meter no governo com o apoio dos jovens totós da economia insurgente e depois dá nisto?

O problema é que o mérito empresarial de vender refrigerantes e cervejolas num país como o nosso é equivalente ao de vender agasalhos na Sibéria…

De acordo com os Indicadores de Conjuntura hoje revelados pelo banco central, este valor é semelhante à descida registada em novembro, mas a atividade económica vinha a desacelerar desde janeiro, quando o indicador ainda estava em terreno positivo, fixando-se nos 1,1% de evolução favorável.

João Amador e Ana Cristina Soares, os autores daquele estudo que diz que o pode negocial dos trabalhadores portugueses é muito elevado e dificulta as margens de lucro.

Concorrência na economia portuguesa: estimativas para as margens de preço-custo em mercados de trabalho imperfeitos

O Umbigo conseguiu uma imagem dos autores no seu processo de produção intelectual:

Casal

Só é pena que baste um par de gestores de topo para enterrar por completo o que passava por ser uma jóia da coroa falida.

É verdade que eles não frequentaram as ditas escolas, se calhar – digo eu – deveríamos reajustar o nosso conceito de excelência.

… e fui para a secção da economia&finanças&gestão.

Devia ter trazido este do Mintzberg numa promoção de 5 €, mas preferi andar a espreitar que prefaciou o quê, quem colaborou com quem, quem organizou e quem convidou e todas essas coisas.

A cartografia do lodaçal deixa pouca gente sem salpicos, nesta área das Ciências Ocultas, ainda muito mais do que as da Educação.

Claro que há camelos enterrados até ao pescoço… e estranhos prefácios de gente em posições que deveriam ser de equidistância, mas aparecem a dar chancela a textos de facção.

… é a daqueles pseudo-especialistas e alegados jornalistas da área “económico-financeira” que agora andam a esconder toda a obsta que escreveram e disseram sobre como salvar o país com base nos ensinamentos dos salgados, como antes dos rendeiros.

Há livros inteiros escritos de pura ficção sobre o tema.

Tão mitómanos como o outro, só lhes falta ir estudar para Paris com o que ganharam a enganar o pessoal.

Shitasses como o outro. Moços de fretes.

Página seguinte »