Conversa Da Treta


… desigual e desinteressante para a comunicação social, pelo que, segundo MST, não careço de qualquer protecção especial perante os funcionários da Autoridade Tributária, podendo os meus dados ser objecto de devassa sem que nenhum alarme toque.

A prosa do escriba do Expresso está a levantar entusiasmos em pessoas mais e menos inteligentes, mas quase todas com tons políticos na gama alaranjada.

Citando uma parte suculenta:

EXp21Mar15bExpresso, 21 de Março de 2015

Os entusiastas desta teoria cometem um erro básico, sendo que de MST eu já o esperaria porque papagaio velho só aprende repetições, e que é o seguinte: deve um filtro que alguns dizem não existir proteger apenas alguns por serem mais “comerciais” para a comunicação social ou proteger todos de acessos indevidos?

Não me digam que isso é impossível.

Por duas razões simples:

  • Se os Zés dos Anzóis despertam pouca atenção, gerariam poucos alarmes adicionais, pelo que não colhe o argumento de que isso seria impraticável.
  • Quem diz a MST e aos seus apaniguados que o acesso aos dados dos Zés dos Anzóis não existem em situações muito mais problemáticas para os ditos, exactamente por não serem públicas?

O que MST e muitos democratas e entusiastas da privacidade constitucional parecem esquecer é que o “sistema” deve proteger TODOS os contribuintes da mesma forma e se os dados são para manter em privado, os mesmos só deverão ser objecto de acesso em situações justificadas para TODOS os contribuintes.

Quanto à casta política dominante, numa democracia consolidada a sério, são obrigados a apresentar publicamente os seus dados fiscais pois a coisa pública não deve ser gerida por quem tenha uma relação opaca com o aparelho fiscal que usa para exigir o que não sabemos se pratica.

Dito de outra forma, para qualquer pessoa medianamente dotada de inteligência perceber: alguém que defenda valores morais e éticos fundamentalistas para os outros deve ser escrutinado se os pratica. Assim como quem defende que os países e cidadãos devem pagar as suas dívidas em devido tempo deve demonstrar que o faz na sua vida pessoal.

Isto não é uma devassa da privacidade… é um mecanismo de controle sobre a credibilidade daqueles que se candidatam a governar-nos.

Quanto a “filtros”, repito… devem servir para proteger TODOS, incluindo os Zés dos Anzóis que podem ser chantageados sem que a comunicação social (e o MST) se preocupe com eles.

Mas, pelos vistos, para MST e os apressados a igualdade é outra coisa.

E como nunca pretendi governar um país na base de uma honestidade e pureza de princípios, afirmando que nem todos somos iguais aos que não cumprem as suas obrigações fiscais e não pagam as suas dívidas em devido tempo, será que posso passar uns aninhos sem descontar para a CGA?

Posso ter essa liberdade de escolha, digo, opção?

Garanto que sou liberal desde piquinino e leio Hayek sempre antes de dormir e o Friedman ao amanhecer.

Não arranjam melhores justificações?

Eu vou ler o raio do relatório e depois logo vejo se lá há alguma coisa que vá além destas variações em torno da “eficácia” e “chá com bolinhos”..

Conselho Nacional de Educação defende fim dos chumbos

Órgão consultivo do Ministério da Educação diz que retenção dos alunos sai demasiado cara ao Estado, pode provocar “problemas emocionais” nos alunos e não é eficaz.

De uma coisa eu tenho a certeza… os nexos de causalidade apresentados podem ser perfeitamente revertidos com ganhos de lógica, nomeadamente os que associam a retenção à indisciplina e ao abandono. Não serão a falta de regras de disciplina e o abandono a motivarem, em primeiro lugar, a retenção e não o contrário?

Fizeram o estudo das causas das retenções? Terá sido apenas culpa dos insensíveis professores?

A investigação demonstra que alunos retidos, nomeadamente nos anos iniciais da escolaridade, não melhoram os seus resultados e são mais propensos a uma nova retenção, além da evidente associação entre a retenção e o aumento dos níveis de desmotivação, indisciplina e abandono escolar. Verifica-se igualmente que existe uma maior probabilidade de retenção de alunos com piores condições socioeconómicas, bem como de alunos provenientes de países estrangeiros.

A recomendação é fraquinha, fraquinha e não passa de muita conversa com pouca demonstração, mas eu não esperaria muito mais, confesso, porque sou muito preconceituoso e arcaico na minha mundivisão.

Eu gostava era de apresentar a certos “relatores” o aluno que hoje me comunicou que quer mesmo chumbar no 7º ano para fazer a terceira retenção e assim ter a possibilidade de fazer um vocacional de 2 anos e não ter de passar por exames para concluir o 3º ciclo.

Enquanto o sistema permitir estes truques, deixemo-nos de conversas fiadas sobre “problemas emocionais” e discursos tremendistas deste tipo:

Chumbos são “a situação mais grave do sistema de ensino em Portugal”

O que eu queria era vê-los a dar a volta a este texto em vez de relatarem tretas que já caem de tão velhas. A começar pelo “novo” pai dos pais que cada vez parece tão instrumental quanto o anterior.

Custa muito ver o CNE a render-se aos argumentos mais primários da “eficácia financeira” e dos referidos “problemas emocionais”.

em que momentos da sua carreira, foi Hélder de Sousa avaliado com uma qualquer prova que permitisse conhecer as suas capacidades e competências?

(…) a classe docente quer considerar-se à parte destas exigências, que são comuns às profissões mais qualificadas? É que se quer, de certa forma pode ser até uma forma de desqualificação.

Porque isto é tudo muito interessante, mas quem certificou o senhor Iavé como avaliador-mor do reino? Ou como sabemos nós que quem elabora e classifica estas provas têm competência para tal?

Porque a mim quer parecer que quem mais clama pelo rigor, pela cultura da perfeição é exactamente quem fez carreiras sem que seja perceptível a que avaliação foi sujeito. Porque uma coisa é ter cargos, outra ter sido avaliado por mais do que a fidelidade aos senhores que passam.

Vamos lá a tentar saber… que provas fez Hélder de Sousa, quem o avaliou, quem foram os júris das suas provas?

Porque isto de mandar fazer, quase todos sabem mandar. Fazer é que é o caraças…

O senhor até pode ser o mais competente entre os competentes no reino de Iavé, mas a verdade é que o seu trajecto académico e profissional é… aquilo que é e não mais do que isso.

E percebemos o quanto a coisa é curta quando lemos tiradas como estas, cheias de ausências de detalhes específicos ou conhecimentos concretos.

As provas são semelhantes, não há aqui nenhuma invenção. Agora os modelos são todos diferentes. As provas normalmente têm uma componente comum e outra específica, mas desconheço em pormenor se são classificadas separadamente. Sei, por exemplo, que as linhas de corte entre o ser aprovado e não aprovado são variadas. Nuns casos são mais exigentes, noutros menos.

Provas “semelhantes”, modelos “diferentes”… linhas de corte “variadas”… nuns casos “mais exigentes, noutros menos”.

Phosga-se, pá… isso até eu seria capaz de dizer e não percebo nada do assunto.

 

Avaliação continua justifica diferença entre classificações

Isto significa que as escolas que não dão notas inflaccionadas não fazem esse tipo de avaliação?

A culpa é, então, dos que dão notas alinhadas?

Foi interessante a lavagem que a RTP fez acerca deste assunto. Eu tenho uma teoria sobre isso, mas… baseia-se apenas na observação de afinidades e trajectos.

Vejo tanta gente da esquerda vipe encostada ao PS a elogiar o Syriza que até me farto de rir quando me lembro do que eles fizeram e disseram sempre que existiu uma verdadeira possibilidade do PS se aliar cá aos partidos do mesmo quadrante “esquerdista”. E do verdadeiro cagaço que têm em irem além de uma pesca à linha dos sociais-democratas europeístas que saíram do Bloco.

E só o querer disparar em todas as direcções, incluindo aquelas a que nunca deu importância, explica o desafio de Mário Soares.

Eu acho que o problema é mesmo da boina.

Página seguinte »