Bullying Profissional


 

Indique o número, contabilizado em idas e vindas, de deslocações à casa de banho.

 

Crato ainda não percebeu que apenas exige… mesmo que tretas… nada dando em troca.  Queria vê-lo nestas circunstâncias… aliás, sabemos como foi que ele agiu nestas circunstâncias e isso ainda piora tudo.

Exp26Jul14

Expresso, 26 de Julho de 2014

Já se adivinha na próxima semana mais um dia da PACC bastante conturbado. Mas o Ministério da Educação, ao marcar a prova a três dias úteis da sua realização, numa altura em que muitos professores até se encontram de férias, está a dar argumentos para que os sindicatos contestem a PACC, já não só pelo conteúdo mas também pela forma.

É o que parece decorrer da aplicação concreta das fórmulas em negociação entre o MEC e o autarca “independente” Guilherme Pinto.

Basta reparar que de acordo com as fórmulas ideais são necessários 1473,5 (!) docentes, estando actualmente em exercício 1674, 1 (?), dos quais 63 pediram aposentação. Retirando-os do diferencial de 198, restam 135 que, ao que parece, não são necessários.

Devemos ainda lembrar-nos que, para ganhar 50% do salário anual de um professor contratado em índice 151, a autarquia deve ter menos docentes em exercício do que os necessários, pelo que… serão mais de 135 os que devem ser varridos.

Agora pensemos em mais uma coisa… as autarquias têm técnicos superiores com habilitações para dar aulas, embora não profissionalizados. E outros técnicos…

Agora pensem como será fácil, alegando o completamento de horários e a teoria dos técnicos especializados para dar os cursos profissionais e vocacionais, colocar esses técnicos a dar umas quantas horas semanais de aulas nas escolas sob gestão municipal e digam lá se não estão já a perceber o esquema todo…

ModeloFinanc1

Governo aprova cortes na função pública da era de Sócrates

E António Costa, o que acha?

Não se pedem promessas, claro, que essas existirão sempre, pois fazem parte do folclore.

… pelo que só agora tive hipótese de destacar.

Exp13Jun14PSG

Expresso, 13 de Junho de 2014

Governo recupera cortes salariais que estavam em vigor no ano passado

Redução de 3,5% a 10% nos salários acima de 1500 euros foi proposta pelo Governo para compensar chumbo do Tribunal Constitucional aos cortes mais acentuados aplicados este ano.

Página seguinte »