Buraco Sem Fundo


O fisco penhorou bens alimentares doados a uma associação que dá apoio aos sem abrigo na cidade do Porto. O “Coração da Cidade” tem dívidas em atraso relacionadas com o pagamento de portagens em antigas SCUT. A Autoridade Tributária e Aduaneira avançou com uma acção de penhora de arroz, massa e bananas que tinham sido doadas para ajudar os mais carenciados.

… é que pode acreditar em qualquer coisa que não tenha sido mais do mesmo ou então vais-te embora que a Rússia está sem dinheiro em relação ao governo grego.

O avô Cantigas do PS apoia.

A rede ferroviária de alta velocidade em Portugal foi cancelada em 2012, mas a factura ascendeu a pelo menos  153 milhões de euros. Segundo uma auditoria publicada hoje pelo Tribunal de Contas (TdC), ao longo dos 12 anos em que o projecto esteve a ser elaborado foram gastos 120 milhões de euros em contratação externa e 32,9 milhões de euros em custos de estrutura da RAVE, a empresa pública criada para levar a cabo o TGV.

Aposto que em alguns dos gabinetes premiados haverá gente muito liberal e que critica o “peso do Estado na Economia”….

Tribunal de Contas “perdoou” desvio de 6,4 milhões para as contas dos partidos na Madeira

Sentença absolve deputados acusados e censura o Ministério Público por não responsabilizar os gestores dos partidos.

Resgate do BES pode lançar défice de Portugal para os 7,5%

É para isto que temos um PR?

Cavaco preocupado com níveis de procriação de cavalos lusitanos

Entre isto e o Duarte Nuno, venha o belzebu, escolha os dois e leve-os com ele para os confins.

 

Quando os “fenómenos” mais recentes da vida político-partidária, resultado de fragmentações diversas e falsas independências se começam, eles mesmos, a ameaçar fragmentar e em busca de individualismos caudilhistas, a coisa faliu. Mesmo.

Exp15Mai14bc

Expresso, 15 de Agosto de 2014

… porque o holy ghost está prestes a enterrar-nos a todos ou quase todos (há sempre os que sabem e e se escapam a tempo das hecatombes) e já é difícil fazer mais cortes para desenterrar outro banco do buraco.

Isto deu para o BPN sem vergonha na cara, para o BCP de forma encoberta, para o Banif porque era mais pequeno, mas duvido que agora ainda exista dinheiro a sacar à malta que consiga disfarçar os alçapões de Angola à América, passando pelos paraísos fiscais daqui e dali.

É o que parece decorrer da aplicação concreta das fórmulas em negociação entre o MEC e o autarca “independente” Guilherme Pinto.

Basta reparar que de acordo com as fórmulas ideais são necessários 1473,5 (!) docentes, estando actualmente em exercício 1674, 1 (?), dos quais 63 pediram aposentação. Retirando-os do diferencial de 198, restam 135 que, ao que parece, não são necessários.

Devemos ainda lembrar-nos que, para ganhar 50% do salário anual de um professor contratado em índice 151, a autarquia deve ter menos docentes em exercício do que os necessários, pelo que… serão mais de 135 os que devem ser varridos.

Agora pensemos em mais uma coisa… as autarquias têm técnicos superiores com habilitações para dar aulas, embora não profissionalizados. E outros técnicos…

Agora pensem como será fácil, alegando o completamento de horários e a teoria dos técnicos especializados para dar os cursos profissionais e vocacionais, colocar esses técnicos a dar umas quantas horas semanais de aulas nas escolas sob gestão municipal e digam lá se não estão já a perceber o esquema todo…

ModeloFinanc1

… submetidas à lógica do caciquismo local que receberá 50% da verba poupada no corte do lugar de cada professor?

Suborno ao mais alto/baixo nível é do que se trata.

E num dos concelhos em que o assunto até vai a discussão em algumas escolas, desapareceu do material distribuído aos professores o anexo 1 do modelo financeiro.

Vamos lá… “asqueroso” ainda é pouco para caracterizar esta poia do maduro, a que o MEC apôs a assinatura.

Aguarda-se uma posição dos dois PS que existem no mercado… o das segundas linhas do Seguro que não tem posição conhecida sobre este assunto e o dos históricos do Costa, sendo que este já se declarou adepto da municipalização da Educação, ainda era ministro de Sócrates.

Explicar as razões é algo desnecessário, de tão óbvio. Alguém (Sócrates-Maria de Lurdes Rodrigues) cavou um buraco para onde começou a empurrar toda uma classe profissional, trabalho que veio a ser continuado pelos seus sucessor (Passos Coelho-Crato) com denodado afinco, não se vislumbrando qualquer luz lá no fundo, pois os buracos não têm saída do outro lado da Terra sem nos queimarmos todos na travessia.

E nem vale a pena alterar níveis de dificuldade em exames para fabricar “sucesso” e dizer que foi por causa das “reformas”.

Há quem se vá aguentando, nem que seja pela teimosia de os ir vendo cair e sair a todos e, depois, cá fora, começarem a falar de tudo o que deveria ser feito e não chegaram a fazer.

O último a aguentar, que coloque a tampa antes de ficar todo queimadinho.

Pub23MAi14

Público, 23 de Maio de 2014

Nota final: só para avisar que aqueles que dizem que sempre avisaram que ia ser assim nunca explicaram o que pretendiam que fosse feito, pois que me pareça os que estavam teriam acabado por fazer o mesmo – ou muito parecido – aos que estão, pois foram eles que abriram a porta e investiram à desfilada. Porque há gente sem memória e outra sem vergonha. Assim, pelo menos, já sabemos que não vale a pena confiar mesmo no “arco da governação”

 

O significado do regresso de Relvas a uma posição clara de facilitador significa que o seu amigo Pedro só é PM por procuração e que nunca teria chegado onde chegou sem o seu amigalhaço de todos os negócios e ascensões.

E significa que o gozo alargado com os portugueses assumiu uma feição institucional.

Que a falta de vergonha que se apontava ao engenheiro se encontra agora no economista. Uma licenciatura ao fim de semana de um não pode encobrir o camião de equivalências de outro.

O estado de degradação ética da política atingiu, de novo, patamares de completa falta de pudor e de sensação de impunidade. O que significa que o actual estado de calamidade é o mesmo que já vivemos. Mas muitas das alternativas são activamente coniventes, pois todos vivem rodeados por swarovskis. E outras têm, medo.

Ele sabe porquê e porque pode voltar assim.

E isto não é coisa que eu diga de ânimo leve ou apenas agora, porque o disse em devido tempo, em público, perante os emissários.

Mesmo que tenha de pagar por isso.

Mas não sou seguro. Sou o tal gordo esquivo.

Visao6Mar14

Há uma leitura superficial, que é a do regresso do “mestre” dos truques para efeitos eleitorais, o das jogadas para anular adversários e propagar a mensagem do líder Pedro, mas isso não esgota tudo o que significa o regresso de Miguel Relvas a conselheiro-mor do regime que está.

  • Antes de mais, significa um sinal de fraqueza de Passos Coelho, que reconhece não se aguentar sem o seu puppet master, sendo as alternativas que foi arranjando para o partido e governo, meros remendos que não conseguem os efeitos desejados. O que inclui Poiares Maduro, autor de um chatíssimo discurso no congresso, a avaliar pelo minuto e tal que consegui ouvir. Relvas é um ponto baixo da política por tudo o que sabemos; Poiares Maduro é um ponto baixo por manifesta inépcia.
  • Em seguida, significa que vêm por aí tempos de vingança e reforço das atitudes de vendetta em relação a todos os que tenham sido considerados vagamente responsáveis pelo afastamento do grande conselheiro (e nunca esqueçamos que Relvas tinha ligação directo ao agora esquecido super-espião). O que significa, por exemplo, que Nuno Crato tem os dias contados, para grande satisfação do João Gonçalves do Portugal dos Pequeninos.
  • Se as más notícias já eram suficientes, eu acrescento uma nova: se Miguel Relvas volta é porque não haverá qualquer verdadeira retoma económica ou melhoria da situação da maior parte da população até 2015, pois se existisse não era preciso recorrer ao trambiqueiro para assegurar uma nova vitória nas eleições legislativas. Se a situação invertesse verdadeiramente, para ganhar a Seguro não seria preciso recuperar Relvas para a ribalta.
  • Por fim e por agora, esta recuperação, tão pouco tempo depois do esgotamento e das causas pessoais que levaram Relvas a precisar de retemperar as forças pelos trópicos, significa que Passos Coelho decidiu que o PSD actual é uma facção do velho PSD e que a tomada do poder interno é para durar, não havendo contemplações com os grupos e críticos individuais que andam por aí. Significa ainda que Paulo Portas vai deixar de andar sozinho na intrigas e conspirações e que voltou o homem que, mesmo fora do governo, sabe o suficiente e tem os meios ao dispor para o manter mansinho e sem grandes peneiras de protagonismo.

O regresso de Miguel Relvas é o regresso, em tons mais enfarruscados e vingativos, a três anos atrás, aos tempos dos acordos de bastidores para não se exporem demasiado os podres dos protagonistas políticos (lembrem-se do acordo para não explorar mais o episódio da licenciatura de Sócrates, percebendo-se depois o porquê…) e de convívio entre velhos amigos e compadres das jotas do centrão.

É um tempo de decadência absoluta.

Acto I – O profissional não é para chegar aos 50%, é apenas natural que chegue lá.

(importa-se de repetir, para que se perceba a diferença?)

IMG_3798IMG_3799

Acto II – Vamos vincular mil e picos para fingir que fazemos o que a lei manda…

(e que é algo muito diferente, que é vincular não um número específico, mas quem cumpre o que está na lei que se quer harmonizada entre público e privado numas coisas, mas não em outras…)

IMG_3800

Acto III – Nós cortámos esmagadoramente mais por assumida opção e o MEC sente-se bem com isso.

(mas nesse caso para que precisamos de um ministro da Educação?)

IMG_3801

Jornal de Negócios, 20 de Fevereiro de 2014

Governos contratam empresas cuja gerente é ex de Santana Lopes?

Passos paga 25 mil € a empresa para atender telefones

Primeiro-ministro invoca «ausência de recursos próprios» apesar de dispor de 10 secretárias e 21 administrativos na residência oficial.

passos-coelho-paulo-portas-cavaco-silva-vende-se-portugal

Eu até acho que estas coisas fazem falta… duvido é que seja nesta área… e com tanto dinheirinho envolvido… cá em casa (que remédio!) faz-se de borla…

Central de compras da Saúde gasta 100 mil euros em formação para gestão de stress

A central de compras do Serviço Nacional de Saúde voltou a contratar este ano uma empresa para fornecimento de serviços de “executive team coaching”.

Querem cortar em gorduras?

Ou então apliquem estas coisas onde elas fazem mesmo falta…

…e há quem ache que a proximidade leva a uma melhor gestão dos recursos.

Eu – avaliando pelos disparates feitos em matéria de hospitais, acessos e agora pelos caixotes escolares com verbas europeias – tenho muitas, muitas dúvidas…

Para quem anda sempre a falar em má despesa pública e onde se pode poupar… é meter os olhos nestas coisas.

Uma vistoria ao Centro Escolar da Sobreira (Paredes), inaugurado há pouco mais de um ano, num investimento de 3,1 milhões de euros, concluiu que a cozinha não está dimensionada para as 1650 refeições aí confecionadas e que são posteriormente distribuídas por 13 escolas do concelho.

As técnicas de saúde ambiental também encontraram sacos de batatas armazenados em compartimentos previstos para o lixo, portas apodrecidas pela humidade, água no chão da despensa e extintores de incêndio fora de validade.

A vereadora da Educação desvaloriza as conclusões da vistoria. “O relatório transmite uma imagem e um cenário que não é condizente com a realidade do centro escolar”, afirma ao Correio da Manhã Hermínia Moreira, que, no entanto, admite algumas “anomalias, que não são graves” e que já estão a ser solucionadas.

A vistoria foi ordenada pela delegada de saúde e realizou-se a 22 de novembro de 2013. No final, concluiu-se que a “fruta é armazenada na zona da copa suja sobre mesas de madeira em adiantado estado de degradação” e que “na zona de vestiários foram instaladas prateleiras que servem de armários louceiros”. Na cabine de chuveiro foram instaladas prateleiras para armazenar produtos de limpeza, acrescenta o relatório da vistoria.

Obras paradas e falta de condições na escola Augusto Gomes

Escola Básica de Fragoso, Barcelos, alunos fecham a escola em protesto pela falta de pavilhão.

Leiria, pais encerram escolas em protesto pela falta de auxiliares

… de me limpar 20% do salário mensal num par de anos? Fora o resto?

Por que será que há tanto receio em enfrentar certos lobbys? Medo de não arranjar emprego após varridela eleitoral? Os contratos só são blindados quando há arnôs envolvidos? Ou ritas?

Governo espera aprovação dos bancos à renegociação das PPP até Março

Desvio de milhões das subvenções na Madeira poderá ser absolvido por prescrição

Julgamento de líderes parlamentares e deputados regionais começa esta segunda-feira no Tribunal de Contas, no Funchal.

Página seguinte »