22nov

 

é qualquer advogado perorar sobre… futebol.

 

 

95% de confiança é multiplicar e dividir por 39 nas contas de coisas futuras acontecidas aleatoriamente?

Estudantes venezuelanos teimam em não sair das ruas

Por cá, trazem a rua para a sala de aula e teimam em não sair para o olho da rua – que não é a do ministro contratado para a implosão em curso: na minha opinião, o pontual não é lá nem cá muito discreto.

Trivial, q.e.d.!

tc

CIMG5372

 

 

antes destes concursos? Calados – com sorriso de pedestal.

 

Ai, sempre piam?

Não se esqueçam, amanhã é o Dia do Pai.

 

Não, não se trata do descolorido…

piezo

Aventar, sofrer pneumatose intestinal ou timpanite.

Aquilo no quintal da fenprof anda meio abandalhado, nem frente polisário…

Diz que não eram marcianos.

Uma bola metálica com cerca de um metro de diâmetro e seis quilos caiu do céu numa região desabitada da Namíbia.

Se fosse uma garrafa de Coca-Cola é que tinha piada!

Começa O Dia.

[não permito comentários]

NÃO TARDA QUE A LUZ  AMANHEÇA

            [Granja,  1970]

São poucas as palavras.

No mapa da europa não cabem os  lugares da infância.

Não tarda que a luz amanheça

e se aproxime do pátio.

As mulheres da casa acendem o lume

sem o peso das lágrimas.

Enchem os cântaros com água de  nascente.

Misturam nos púcaros o sobressaltado  aroma da uize.

Um homem afasta-se.

Nunca os caminhos do largo

foram tão difíceis.

Uma fronteira é o lugar que separa a  fidelidade

da sua própria sombra.

Não taida que a luz amanheça mais  pobre.

[José Carlos Barros]

campvs fugit

COIMBRA – O primeiro-ministro demissionário de Portugal, José Sócrates, saiu irritado da Universidade de Coimbra, onde acompanhou a homenagem ao ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, com as perguntas sobre o possível socorro financeiro do Brasil a Portugal. “Isso não é questão de ajudar ou não. Temos que manter uma boa relação”, afirmou José Sócrates.

 “Não bastassem os (jornalistas) [?] portugueses, agora os brasileiros também?”, questionou Sócrates, referindo-se à insistência da imprensa sobre a questão. Sócrates saiu vaiado da Universidade e a polícia portuguesa foi bastante truculenta com os jornalistas e as pessoas que estavam no local.

Não era domingo na Universidade…