mandam que o lucro seja repartido, que a iniciativa privada comande as empresas e que o colectivo dos cidadãos defina a educação que lhe forneça a confirmação da melhoria do equilíbrio sucessivamente optimizado.

E que a comunicação social não seja empresarial nem permeável a trampolins de auto-representantes.

Já agora e necessariamente, que a forma e substância de verificar tal equilíbrio sucessivo não continue a ser efectivada por inimputáveis.

 

A felicidade sem acção, a espera sem emoção. Se sindicalismo é isso, a não ser que se trate de uma questão saurita ex-soviética, vou irei à tabacaria mais distante.

Meus, desta vez nem sequer haverá pizzas!

 

Aquilo que referi ali é verdade, pela lógica – da qual se sabe não ser uma batata, a não ser que seja educativa, a chamada salsicha falsa batatóide – não se entende como é que desapareci de uma das escolas. Insultaram a minha auto-estima-de-comparação!

 

Deve ser da “fórmula boa”, putrecrática de boa…

 

Segundo Casanova de Almeida, este processo afecta cerca de 1% dos professores que as escolas necessitam.

 

Não, pá, afecta 100% dos professores de que as as escolas ainda necessitam! Isso – não comprometendo a veracidade das necessidades em salsichas…

 

 

dos 5%?

 

 

 

o dia dos 5%?

 

 

naga

Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen. Qualquer número expresso por algarismos conta como uma única palavra.

 

Nunca observei tamanha… coisa-asneira por decreto!

Vulgo mineiros.

Não rezam pro nobis, mas cada um… defende a tal Escola Pública como pode.

 

se processa a “avaliação” de um Técnico Especializado?

 E qual o estatuto onde se coisa a coisa?

 

 

O Akismet já protegeu o seu site contra 453.079 comentários de spam.
There are 324 comments in your spam queue right now.

Tchi, quase me convencia por empréstimo… O que querem? Tenho uma lei para a teoria das filas, nunca lamber bichas.

 

 

do ilocutório? Decreta-se?

 

 

 

Iavé estava pior do que estragado: “Um gajo a criar a cadeira e aqueles traidores a adorarem pufes? Qualquer dia dou-lhes com a matéria da Tábua da Norma Dois e ainda os apanho com anti-matéria na casa de banho!”

E gerou Lucicrat. Lá por detrás dos quintais – para ninguém ver.

“Irão ver!”

 

 

O que será aquilo dos faróis bichano?…

 

 

Será a crítica interventiva, mormente para os profissionais da mesma?

 

Não uso o tempo para replicar a todos os idiotas, a vida não se resume a ilustrar mortes de nunca nados (m/f/g).

Ou seja, tem dias, noites e outros estudos. E há quem, ainda assim, decrete uma ou outra piada passageira que é assinada.