Zona Tóxica


Aqueles que têm sido implodidos e mal pagos.

ut

Foram pessoas de carne e osso, com mandato expresso, implícito, ou sem ele

O PM gosta de desviar a conversa e culpabilizar o papão-Estado mas ele é formado por pessoas que devem ser responsabilizadas e apurar-se as razões que as levaram a fazer tal.

Porque isto não é culpa do “Estado” é culpa de quem se usa e abusa da sua posição e da possibilidade de utilizar o aparato estatal para interesses particulares, seja para lesar, seja para proteger grupos específicos de cidadãos.

Passos Coelho explicou ainda porque motivo o Ministério das Finanças pediu à inspeção Geral das Finanças a abertura de um inquérito: «Quem teve a ideia, quem deu parecer favorável, quem concebeu que o Estado pudesse funcionar nestes termos? É isso que temos de apurar. Como é que isto se processou», afirmou, repetindo que o «Governo não tomou conhecimento sobre esta matéria».

Em primeira e última instância é responsabilidade de quem descurou procedimentos, permitindo uma roda-livre de condutas que são inaceitáveis, e de quem negou antes de ter o cuidado de apurar as coisas…

 A Revista Visão divulgou hoje, ao início da tarde, uma gravação que confirma existência de «um pacote VIP». É desta maneira que Victor Lourenço, o chefe dos serviços da Autoridade Tributaria anunciou em janeiro a criação de tratamento especial para alguns contribuintes.

A TVI tinha noticiado que existiam 137 clientes portugueses no banco suíço HSBC. Sabe-se agora que um deles é a Fundação Ilídio Pinho, sediada no Porto, e que tem ligações a um ex-ministro e atual deputado.

Ligado a esta fundação estaria o deputado social-democrata Couto dos Santos, segundo o que aparece no site, que o apresenta como membro do conselho de administração. A conta teria pouco mais de mil euros.

A Fundação Ilídio Pinho confirma ao Observador que “teve uma conta no HSBC na Suíça, que encerrou no ano de 2007, como consta no relatório de contas”.

Por sua vez, o ex-ministro Couto dos Santos disse, por sua vez, que já não faz parte da direção “há dois anos”, sendo apenas consultor para o projeto ‘Ciência na Escola’. Além disso, garante desconhecer qualquer informação relacionada com uma conta no HSBC.

A primeira versão das informações sobre a prova específica para professores de Física e Química que o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) divulgou este mês, com exemplos de questões, destinada aos docentes que vão fazer a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC), continha erros e imprecisões, pelo que teve de ser substituída. A denúncia foi feita no blogue Aventar e confirmada ao PÚBLICO pelo antigo coordenador da divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física. O Conselho Directivo do IAVE limitou-se a responder ao PÚBLICO que “a informação-prova disponível é aquela que o Iave reconhece como válida”.

A mim interessa residualmente quem é que grafa menos bem. Porque só alguém muito distraído é que acreditaria que a igreja do santo iavé é frequentada apenas por grafadores imaculados. Algo que até se consegue com qualquer corrector ortográfico, não necessitando o escriba de estar ao nível de um aluno examinado do 4º ou 6º ano, bastando-lhe ser quase alfabeto

O póbrema a sério é se algum dia o Iavé tiver a coragem de revelar quem são os seus “especialistas” e ainda descobrimos certas coincidências e desconformidades em matéria de ética aplicada ao coiso público e privado.

Eu não sei de nada, em concreto, pois tudo o que escrevo é em abstracto e em tese hipotética do tipo suponhamos só para efeitos de especulação e contribuição construtiva para evitar que alguém, inadvertidamente, ande a explicar para o que ajudou a fazer.

Fiquemo-nos assim e evitamos processos e notas explicativas.

Porque nem sei se assinam contratos publicitários de exclusividade com a igreja.

 

é aquele pessoal desocupado que está sempre a tentar parecer muito ocupado transversalmente.

 

É nestas alturas que me apetece atirar qualquer tipo de civilidade e cortesia para as cucuias e dizer uma série de disparates e palavrões, porque esta é uma conversa que só engana quem quiser ser mesmo ingénuo.

Leitão Amaro explicou esta manhã, no Parlamento, que o processo de descentralização de competências na Educação não vai resultar em sub-financiamento das autarquias. O governante repetiu que descentralização não é privatização.

O governo já tinha garantido que as câmaras que aceitarem receber novas competências no sector da Educação, no âmbito do processo de descentralização que o Governo tem em curso, iriam receber exactamente o mesmo que é gasto actualmente pelo Ministério da Educação. Mas o Executivo deu uma garantia adicional: no final do primeiro ano, as verbas serão revistas para garantir que as autarquias estão a receber o dinheiro necessário.
 
A garantia foi feita por António Leitão Amaro, secretário de Estado da Administração Local, durante a audição desta manhã na comissão parlamentar de poder local. Além de se garantir, nos contratos que estão a ser celebrados, que “se o Estado gasta 100, os municípios recebem 100”, não se vai dar “esse ponto por fechado na celebração do contrato”.
 
Estão previstas “regras de revisão ao final do primeiro ano, para ter a certeza que os cálculos no início foram bem feitos”, para se “houver alguma dúvida” eles serem “novamente feitos”, relativamente à verba a transferir para financiar o pessoal não docente e outras despesas. “Não só asseguramos a mochila financeira à cabeça como temos cláusulas de revisão e reequilíbrio para que o Estado reponha eventuais diferenças” em situações de emergência, “assegurando a sustentabilidade deste modelo no domínio financeiro”.

O jovem secretário de Estado não passa de um pau mandado para fazer isto e não tem qualquer capacidade para garantir seja o que for para o futuro… pois essas cláusulas de revisão podem servir para tanta coisa que a mim só apetece esbardalhar o vernáculo todo.

Página seguinte »