Versões


Assumido autor das propostas do PSD em matéria de Educação – ou, pelo menos, de parte delas – Santana Castilho apresenta-se como uma espécie de Fernando Nobre para esta área da governação, procurando capitalizar a simpatia granjeada nos últimos anos com o seu vigoroso discurso anti-Sócrates e anti-Maria de Lurdes Rodrigues.

Em entrevista ao Educare deixa-nos a parte do afago ao ego dos professores e, novamente, a crítica ao passado. Quanto ao futuro, temos pouco, por enquanto. E o que temos entra, em diversas matérias, em contradição com o programa eleitoral do PSD nestas matérias e com outras vozes nesta área política:

E: Avaliar as atividades da tutela é uma das medidas que propõe no seu livro. Desconfiado com a atuação do Ministério?
SC:
Como em qualquer sistema, quem dirige é o primeiro interessado em ter elementos constantes que permitam corrigir rotas mal traçadas. Um Ministério da Educação não é um califado a que se deva obediência cega, ou um papado infalível. Não é uma questão de desconfiança. É uma questão de mudança de paradigma. Auscultar o que os portugueses pensam da aplicação das políticas delineadas pelo Ministério da Educação parece-me ser um belo começo para que professores, pais e alunos se sintam cada vez mais como entidade coesa.

(…)

E: O que se ganharia com a extinção das direções regionais de educação, como sugere?
SC:
O que se ganha quando se removem excrescências moles, que de nada servem a não ser complicar o normal funcionamento do sistema. Defendo, como sabe, a ampla autonomia das escolas e a responsabilização plena dos seus agentes pela respetiva missão. Neste quadro, ter uma corte de burocratas de serviço, que são meras correias de transmissão de um poder centralizado, que também combato, seria impensável. Tanto mais que consomem uma boa maquia dos impostos dos portugueses.

E: Estamos perante um sistema de ensino que não funciona? Diz que copiar modelos do estrangeiro nem sempre resulta…
SC:
Não resulta nunca. Temos a nossa cultura e os nossos problemas específicos.

E: Por que razão afirma que é um “disparate” ter os portugueses na escola até aos 18 anos?
SC:
Como pai, não aceito que o Estado decida por mim e pelos meus filhos a educação que eles prosseguem. Como cidadão, quero liberdade para trabalhar aos 16 anos, como, aliás, o próprio Código do Trabalho consigna. Deve o Estado garantir a todos que queiram e tenham capacidade para tal, sublinhe-se, a prossecução de estudos, sem entraves. Mas não deve o Estado impor a escola a quem já pode ser responsabilizado por crime, sabe o que faz e quer ir trabalhar. Porque, ao invés de ser compulsiva, a educação deve ser tida como um direito. Chega de Estado que diz proteger-nos de tudo menos dele próprio.

Sobre a questão da avaliação do desempenho, fica uma declaração de princípios interessante, mas que o programa do PSD não desenvolve e, em caso de dúvida, gato escaldado…

E: Critica duramente o modelo de avaliação, referindo que é “tecnicamente uma nulidade e politicamente um desastre”. Contra a avaliação ou a favor de um outro método avaliativo?
SC:
A avaliação é uma coisa distinta da classificação. Um primeiro-ministro e uma ministra da Educação ignorantes e que odiaram os professores confundiram os dois conceitos e impuseram, à bruta, um sistema de classificação inqualificável.

Não sou contra a avaliação, desde que seja exequível e contribua para melhorar a qualidade do sistema de ensino e a qualidade do desempenho dos professores. Qualquer inteligência média compreende isto. Infelizmente, muitos políticos e comentadores não compreenderam e continuam a não compreender.

Pois, a retroactividade das leis que atentam direitos adquiridos só é inconstitucional quando…

Proibição de acumular pensão com salário só se aplica para o futuro

De acordo com as explicações dadas ao início da tarde pelo Ministro das Finanças, a norma que proíbe a acumulação de salários com pensões suportados pelo Estado só se aplicará às situações futuras.

Ontem à noite, o Ministério das Finanças tinha garantido que a proibição iria abranger todos os que estivessem a acumular salários e pensões. Mas hoje, e depois de uma análise “legal e de carácter constitucional”, o Governo acabou por recuar na aplicação retroactiva da norma.

Pixie Lott, Use Somebody (e os Kings contorcem-se de desespero…)

Freemasons & Sophie Ellis-Bextor, Heartbreak Make Me a Dancer

Sophie Ellis-Bextor, Yes Sir, I Can Boogie (sem batota, quem é que cantava isto há 30 anos?)

Velvet Revolver, Psycho Killer
(Sim, esse clássico dos Talking Heads, como se tivesse sido atropelado pelo George Thorogood)

Número de ocorrências registadas nas escolas diminuiu significativamente em 2007/2008

O número de ocorrências registadas por escola diminuiu significativamente em 2007/2008, pelo segundo ano consecutivo, sendo de salientar que, na grande maioria dos estabelecimentos de ensino (90,9 por cento), não se registou qualquer incidente.

Os dados divulgados pelo Programa Escola Segura evidenciam uma redução significativa do número de ocorrências por escola registadas no ano lectivo de 2007/2008, relativamente aos dois anos lectivos anteriores.

Mais agressões nas escolas

O ano lectivo 2007/2008 registou um aumento do número de agressões a alunos (20,6 por cento) e professores (11,3 por cento), tendo-se verificado mais 225 actos de violência sobre os estudantes e mais 21 contra docentes que no ano anterior, totalizando, respectivamente, 1317 e 206 casos. Lisboa (513 casos), Porto (340) e Setúbal (168) são as cidades com maior número de ocorrências registadas pelas forças policiais.
(…)
CASOS QUE DERAM ORIGEM A QUEIXAS ÀS FORÇAS POLICIAIS

2006/2007

808 – PSP
653 – GNR
64 – CPCJ (Comissão Protecção de Crianças e Jovens)

2007/2008

1212 – PSP
778 – GNR
224 – CPCJ

« Página anteriorPágina seguinte »