Vergonhas


Já nem se fala no resto…

MEC recomenda às escolas que cobrem por senhas de almoço não usadas

Agrupamento de Escolas Lima de Freitas, em Setúbal, está a cobrar mais do que o dobro do valor sugerido pelo ministério e aplica a medida também aos alunos carenciados. PCP questionou Governo sobre a situação.

… porque volta a estar em causa o apoio aos mais frágeis e vulneráveis, em particular num contexto de crise.

No universo global dos 697 funcionários do Instituto da Segurança Social (ISS) abrangidos, os das comissões de protecção representam uma minoria. Serão entre 15 e 20 representantes da Segurança Social, segundo dados da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR).

Mas cada pessoa chega a ter 100 processos em mãos. “Cem processos são cem crianças em risco”, salienta a presidente da CPCJ do Barreiro, Rita Carvalho. Cem é o número de processos que estão a ser acompanhados pela sua adjunta, no cargo de secretária da comissão, que foi notificada no âmbito da requalificação e dispensada das suas funções.

Não sei se fica mal falar nestas coisas… mas sempre me pareceu que as bestas devem ser denunciadas, sem um especial remorso tardio de colonialista (que nunca fui) ou receio de empreendedor ansioso por não insatisfazer os potenciais patrões e/ou financiadores.

Foi algemada para não poder defender-se, descreve a própria num vídeo que circula na Internet, onde também foram publicadas fotografias dos hematomas e ferimentos que lhe marcam o corpo. “Quando começou, eram 16h. E só terminaram às 18h”, diz a estudante de 26 anos sobre a tortura de que foi vítima. O caso também é denunciado no site de notícias Maka Angola, do activista Rafael Marques.

No vídeo, a estudante do 2.º ano de Filosofia da Universidade Católica de Angola conta que, durante as duas horas ininterruptas em que foi espancada, várias vezes pediu perdão, “por não aguentar mais”. Um oficial respondeu-lhe: “Essas histórias de desculpas vieram tarde de mais. Você tem que nos prometer aqui, agora, que nunca mais vai participar em nenhuma manifestação.”

(…)

“Seis comandantes da polícia e oficiais à paisana do SINSE fizeram um círculo para me torturarem, enquanto os subordinados assistiam”, conta a activista, enfatizando que eram os responsáveis que a espancavam enquanto os agentes assistiam ou filmavam. “Arrastaram-me com a cabeça no asfalto, atiraram-me para um carro e levaram-me para a esquadra.” E lembra como começou: estava com outros três activistas junto ao Largo da Independência, para a manifestação convocada pelo Movimento Revolucionário, que organizou vários protestos contra o Governo nos últimos anos.

Júris de concursos do SNS perguntam a médicas candidatas se pretendem engravidar

 

Ao que parece nem o antes idealista Xanana consegue resistir a uma argumentação de real politk, típica de uma operação de cover up.

Xanana Gusmão: Manter imunidade de governantes visa proteger o país

Tenho a certeza que esta doutrina será compreendida pelos nossos governantes.

… pois se há coisa que sabemos é que não foi ocultada informação sobre esta matéria, muito pelo contrário.

PGR deixa cair sabotagem no Citius e investiga ocultação de informação

Tal como Crato sobre a BCE, Paula Teixeira da Cruz foi repetidamente avisada sobre o que se iria passar e só a sua profunda arrogância e desprezo pelas tecnicalidades (como Crato) explicam o que se passou.

E se fosse investigada a forma como a ministra ignorou os avisos? Ou a forma como, nas jornadas parlamentares da Situação, incentivou o alarmismo e a dramatização sobre estas matérias?

Que tal ser ela a processada por ofensas ao bom nome de terceiros?

 

Pub28Out14

Público, 28 de Outubro de 2014

« Página anteriorPágina seguinte »