Universidade


Desta vez não faço intróito… 🙂

Bê-á-bá da crise. As universidades no olho do furacão

… para acabar sempre da mesma forma, todos a dar palmadinhas nas costas uns dos outros.

Universidades suspendem colaboração com tutela por divergências sobre orçamento

Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas diz que aos 30 milhões que estavam em falta é preciso somar agora 55 milhões que decorrem do chumbo do Tribunal Constitucional.

Business School, Disrupted

If any institution is equipped to handle questions of strategy, it is Harvard Business School, whose professors have coined so much of the strategic lexicon used in classrooms and boardrooms that it’s hard to discuss the topic without recourse to their concepts: Competitive advantage. Disruptive innovation. The value chain.

But when its dean, Nitin Nohria, faced the school’s biggest strategic decision since 1924 — the year it planned its campus and adopted the case-study method as its pedagogical cornerstone — he ran into an issue. Those professors, and those concepts, disagreed.

The question: Should Harvard Business School enter the business of online education, and, if so, how?

(continua…)

Não é a medida principal (regular a sério a qualidade dos cursos oferecidos desde a sua criação para não se atraírem alunos e propinas ao engano)… mas é a segunda…

Resta saber se haverá CORAGEM para a levar adiante de forma credível.

Fazer exames de acesso ás profissões só têm razão para existir se as Universidades e Politécnicos funcionarem na base da balda…

Exp10Mai14b

Expresso, 10 de Maio de 2014

Ou no mundo universitário, pois no não superior as condições são bem mais desgastantes.

Dark thoughts: why mental illness is on the rise in academia

University staff battling anxiety, poor work-life balance and isolation aren’t finding the support they need.

… e fazem tudo em poucos fins de semana e o que não fizerem têm equivalência.

Quando o dinheiro não chega para continuar na faculdade

É mais um efeito da crise: há estudantes que se vêem obrigados a desistir da universidade, por falta de dinheiro para fazer face a todas as despesas, e outros que contraem créditos com garantia mútua para evitarem o abandono.

O que queriam? Proletas sem fim na Universidade? A aspirar acima das suas possibilidades?

Arranjem o cartão de uma jota, tornem-se activos militantes em actividades da treta, candidatem-se a uma AE e verão como o curso passa sem doer mesmo nada.

Ou então ainda chegam a governantes e gestores de sucesso antes de acabarem a mini-licenciatura bolonhesa.

The Dark Power of Fraternities

A yearlong investigation of Greek houses reveals their endemic, lurid, and sometimes tragic problems—and a sophisticated system for shifting the blame.

Página seguinte »