Tristeza


Cabu

Cabu1

Cabu2

O mais estúpido é que andaram a matar aqueles que sempre lutaram contra a intolerância de que se queixam na sociedade francesa.

Wol

Wol1

Estou de luto.

Numa semana normal de aulas, já todos estaríamos em casa, pelo que já não me considero de férias.

(ahhh… deixei mesmo de estar preocupado com aqueles que dizem que não têm férias no Natal… se quiserem podemos trocar uns meses e virem experimentar pelo menos duas das minhas turmas…)

Excessivo, por ele passava um sopro fortíssimo de genialidade. Há, claro, quem prefira os icónicos Good Morning, Vietnam ou O Clube dos Poetas Mortos, mas eu apreciei-o especialmente no hilariante The Birdcage (a dupla com Nathan Lane é das mais memoráveis na comédia do final do século XX e ultrapassa a da versão original, francesa) ou no inesperado e perturbante One Hour Photo.

Já tinha percebido, mas agora confirmei, que a generosidade no final do 3º período com os meus alunos “regulares” acabou por provocar um desgraçado desvio em relação à avaliação externa que, apesar de não ser má, esteve longe de ser boa.

E eu não fujo ao prometido balanço final e às responsabilidades próprias.

Já há uns anos me tinha acontecido coisa parecida.

Só não aprende com os erros, não detectando onde falhou, quem é mesmo burro.

Ora… eu posso ser camelo, mas asno só às vezes e não gosto de repetir-me.

… nada extensível a muitos outros, a começar por um gajo que andou ali no meio campo a passar bolas aos ganeses e só no fim do jogo fez um remate de jeito.

Ao menos o Beto pareceu sentir alguma coisa.

IMG_5025IMG_5026

Deus e os maçães livrem as crianças e o país de viverem num mundo “socialista”.

Pub29Abr14

Público, 29 de Abril de 2014

… e fazem tudo em poucos fins de semana e o que não fizerem têm equivalência.

Quando o dinheiro não chega para continuar na faculdade

É mais um efeito da crise: há estudantes que se vêem obrigados a desistir da universidade, por falta de dinheiro para fazer face a todas as despesas, e outros que contraem créditos com garantia mútua para evitarem o abandono.

O que queriam? Proletas sem fim na Universidade? A aspirar acima das suas possibilidades?

Arranjem o cartão de uma jota, tornem-se activos militantes em actividades da treta, candidatem-se a uma AE e verão como o curso passa sem doer mesmo nada.

Ou então ainda chegam a governantes e gestores de sucesso antes de acabarem a mini-licenciatura bolonhesa.

O Ad Duo vai parar a sua publicação (raios, porque escreveram descontinuar?) por razões que são compreensíveis, mesmo se não publicitáveis, pois assim os seus autores o entendem (e não, nenhum se candidatou aos cargos a concurso na estrutura central do MEC).

O Ad Duo foi, em meu entender, o melhor espaço de apoio jurídico aos docentes na blogosfera, tendo-se especializado numa área complicada e armadilhada da acção do desgoverno da Educação, esforçando-se por dar sentido a muita legislação em que ele escasseava, fazendo propostas de interpretação, ajudando colegas, identificando incongruências, erros, omissões e, mais importante, sugerindo alternativas e soluções.

O seu lugar não será, pelo menos num horizonte visível, preenchido.

Deixo aqui o seu último post, pois é possível que mesmo esse possa vir a desaparecer.

Fim de linha

 
 
Partilhamos a decisão de descontinuar o Ad duo, projeto que abraçamos com muita dedicação e com sentido de partilha verdadeira.
.
São razões pessoais que nos levaram a esta decisão e que não estão diretamente ligadas à relação dos elementos desta equipa. Essa continuará  forte, certamente.
.
Conquistamos amizades e encontramos mais pessoas que partilham dos princípios que nortearam a criação do Ad duo.
.
Agradecemos, do fundo do coração, a amizade verdadeira de todos vós e daqueles que nos ajudaram a crescer. Tentaremos responder às questões que nos foram enviadas e que ainda não foram respondidas.
.
Nesta hora, temos uma certeza.
Estamos mais sabedores.
.
Na esperança de termos ajudado,
Saudações Ad duo
.

Porque há prioridades e promessas eleitorais…

Ministério da Educação ainda não pagou a 21 Centros de Inclusão

RIP (1942-2013)

Bombeiro de Miranda do Douro é oitava vítima mortal deste ano

… em defesa da sua sanidade.

Um dos professores que modelou a escola onde estou, um grande profissional e um amigo que se vai embora e deixa todos, colegas e alunos, mais pobres.

Um enorme abraço para o João Santos, que o bem merece.

Uma bombeira morta e oito feridos no Caramulo, em Tondela

É a terceira vítima mortal em 2013 e a 105.ª em incêndios florestais desde 1980. Grupo de Bombeiros de Lisboa foi cercado pelo fogo.

O Honório Novo e a Ana Drago (vi agora na 1ª página do Expresso) deixam a Assembleia da República.

Se os poucos que valem alguma coisa se vão, o que fixa por lá? Galambas, zorrinhos, montenegros, menezes juniores e aquelas de vestidos floridos?

… comentar ou fazer a ligação para algumas dezenas de posts que o Livresco (desculpa desperdiçar o teu trabalho) me enviou sobre o balanço da greve. Acho que grande parte dos analistas abdicou da inteligência e da racionalidade, preferindo a trincheira irredutível das certezas confortáveis. Em particular a blogosfera laranja do núcleo duro faz recordar a blogosfera rosa do núcleo duro de há 4-5 anos.

É malhar nos profes. Até daria dó ir fazer comparações com o que cada um@ escreveu em cada momento. Há algo de profundamente dramático em quem só vê a cor da camisola. É a intolerância a vir à superfície, em borbotos biliosos.

O mesmo se diga de quem decidiu que a sua pureza de luta está acima de tudo, quando a experiência nos faz saber que muitos dos mais puristas se transmutam facilmente em outra coisa. mesmo hoje.

O ódio parece estar à solta… e a culpa é sempre e só dos outros.

Essa atitude, por norma, conduz a erros trágicos.

Morreu Tom Sharpe, o homem que escreveu Wilt

 

… em especial em tempos de grave crise, por forma a não se perder toda a credibilidade e confiança na mais alta função da República.

Sampaio liderou revolta no Conselho de Estado

O ex-Presidente ficou furioso quando viu que o actual Presidente tinha feito um comunicado que não correspondia

Jorge Sampaio foi o líder da “revolta” que opôs uma parte do Conselho de Estado ao Presidente da República a propósito do comunicado final. Quando Sampaio percebeu que Cavaco Silva tinha um texto pronto que não correspondia ao que, de facto, se tinha passado durante a reunião, protestou com alguma fúria perante o seu sucessor no cargo.

Ao lado de Jorge Sampaio, estiveram Manuel Alegre e António José Seguro, secretário-geral do PS. Ao que o i apurou, o antecessor de Cavaco na cadeira principal do Conselho de Estado levantou a voz contra o seu sucessor: não era aceitável que um comunicado final não reproduzisse minimamente o que se tinha passado na reunião. Como o i já ontem noticiou, Cavaco Silva foi obrigado a modificar o texto, mas invocou a sua prerrogativa legal para se cingir, no comunicado final, ao assunto que estava na agenda do Conselho de Estado – a discussão do pós-troika.

… ver a revista do Expresso colada a uma brochura de uma agência de viagens naquele formato de dupla capa que muitas revista usam em números especiais, duplos, ou apenas para efeitos criativos.

Percebe-se… um folheto-revista separado vai directamente para o caixote do lixo.

Assim somos obrigados a carregar quase 30 páginas compactas de publicidade a viagens na outra fase de um Paulo Portas, colheita de 1988.

 

Não gosto mesmo nada de falar ou escrever sobre coisas destas, sem saber exactamente o que se passou.

Página seguinte »