Teorias da Conspiração


Esta teoria é divertida e nem é descabida pois eu lembro-me bem de parte dos últimos posts do poli-Ramiro serem em exaltação da obra dos seus quase 40 anos de carreira artística.

 

Et Tu, Sitemeter?

Faz lembrar a medição de audiências das televisões. As visualizações de acordo com o WPress provam que o blogue não esteve morto desde o dia em que se anunciou algo…

Vai arregaçar os braços, que já lhe estão curtas as pernas.

Por muito que o assunto Camarate já me aborreça, acho que não merecia tamanha afronta.

Ricardo Rodrigues preside à IX comissão de inquérito

O vice-presidente da bancada do PS Ricardo Rodrigues vai presidir à IX comissão de inquérito ao caso Camarate, que será discutida e aprovada quarta-feira no Parlamento.

Os anos 70 foram um mundo… paranormal…

A malta papava disto como pãezinhos quentes… Daí ser fácil cheirar tudo oque…

Confesso não ter tempo para analisar com detalhe a forma como o assunto é tratado em todos os jornais de hoje, mas é curioso que há quem tenha conseguido espaço para fazer destaque de primeira página.

Por entre as peças do DN, I e Público, quase sempre com base nos dados da Lusa e umas declarações adicionais, eu destacaria uma passagem da peça do Correio da Manhã:

DISTÂNCIA DE METROS PASSA A 15 QUILÓMETROS

A pequena Carolina, de oito anos, vai deixar de atravessar a rua em São Miguel, Odemira, para ir para a escola. A partir de agora, terá de fazer um percurso de 15 quilómetros até São Teotónio. A solução intermédia ficava no Brejão, a metade da distância, mas a mãe, Dulce Cacia, entende que não seria benéfico mudar duas vezes de escola em dois anos. ‘Como no quinto ano tinha que ir para São Teotónio, achámos por bem já fazer o quarto ano lá’, disse ao CM a progenitora, que assim vê a sua vida totalmente alterada. ‘Nem eu nem o pai temos rotinas compatíveis com os horários escolares, mas no Brejão era pior, porque a escola não tem condições. Carolina parece não se importar porque tem muitos amigos que vão mudar para o mesmo estabelecimento.

COVILHÃ NÃO VAI ENCERRAR NENHUMA ESCOLA

A Covilhã foi um dos concelhos que mais contestou a intenção de encerrar escolas e conseguiu que as seis escolas em risco continuem a funcionar. ‘Isto significa que a câmara tinha razão quando se bateu pelo não encerramento’, disse o presidente da Câmara Carlos Pinto, que ontem à tarde, antes de a lista definitiva ser conhecida, ameaçara, em declarações ao CM, ‘colocar os alunos em colégios privados a expensas da câmara’.

Carlos Pinto garantiu que as escolas em causa não irão funcionar apenas mais um ano por autorização especial. ‘Não fecha nenhuma escola na Covilhã e ponto final. No futuro ver-se-á o que vai suceder’, disse, acrescentando: ‘Não é uma vitória minha. Prevaleceu o bom senso. Vale a pena sermos determinados’.

A meio de Agosto chega a notícia às escolas, vias Equipas de Apoio. O respectivo despacho, dizem, seguirá depois. Isto cada vez faz mais lembrar os tempos valterianos, não sendo de estranhar que o inspirador do facto consumado antes da lei tenha a tutela do IEFP e tal.  Mmmm…

Será mais uma forma de poupança ou apenas a transferência para as NO de todos estes alunos para engordafrem o sucesso da iniciativa? Ou andará por aqui coisa outra?

O Miguel e o Paulo já avisaram: o despacho 11917/2010 não prenuncia nada de bom com um grupo de trabalho que vai:

a) Acompanhar a implementação das medidas para o sector da educação apresentadas no Orçamento do Estado para 2010;
b) Acompanhar a implementação das medidas para o sector da educação apresentadas no Programa de Estabilidade e Crescimento
2010 -2013;
c) Propor medidas e acompanhar a implementação do aprofundamento da reorganização da rede escolar dos ensinos básico e secundário;
d) Acompanhar a actividade da Parque Escolar, no âmbito da implementação do Programa de Modernização do Parque Escolar do Ensino Secundário;
e) Propor e acompanhar a implementação de medidas adicionais que promovam a eficiência e eficácia dos serviços prestados no âmbito dos ensinos básico e secundário, nomeadamente no que respeita à afectação de recursos materiais e humanos.

O perfil técnico-burocrático dos membros deste grupo de trabalho faz pensar em mais medidas de regra e esquadro sem olhar às pessoas e aos critérios qualitativos. Vai ser daqui que sairão propostas para fazer aquilo a que chamam racionalização dos custos no Orçamento para 2011. Preparem-se para a fundamentação do congelamento das progressões de 2011 a 2013, certamente com o acordo dos parceiros de dança:

3 — O grupo de trabalho desenvolve a sua actividade até 31 de Dezembro de 2010 e apresenta aos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da educação relatórios mensais sobre o estado da execução das medidas que acompanha.
4 — O grupo de trabalho, com fundamentação no estado, e nas perspectivas e projecções até ao final de 2010, da implementação das medidas e da execução orçamental e financeira do sector da educação, apresenta, até final de Agosto de 2010, aos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da educação um relatório com propostas de medidas a integrar na proposta do Orçamento do Estado para 2011.

Já agora reparem na data da nomeação e no prazo para a entrega das propostas… que eu julgo pré-existirem… mas isso sou eu que sou reconhecidamente dado a teorias conspirativas… até porque há um representante da Parque Escolar e tudo neste grupo de trabalho formado por técnicos de diversos ministérios o que dá a entender que o papel da PE na gestão dos agrupamentos vai…

As coisas chegam em nuvens dispersas, algo que se ouviu, algo que se viu, algo que não se conseguiu saber. Telefonemas, reuniões, confidências. Segredos. Ou não. Coisas que se deixam escapar, em busca de receptor, em busca de perceber quem as faz passar.

Ao que parece o método usado a norte não terá sido o melhor, com muita informação a circular antes de tempo e mais para sul pretende-se um maior secretismo na implementação dos mega-agrupamentos, tentando apanhar toda a gente mais de surpresa. Como dizia em outro post, se possível empurrando para quando a maior parte das pessoas estiver em pausa lectiva.

Factos consumados no regresso. Direcções entaladas sem quem as apoie perante a investida. Alguns aliciados, outros intimidados.

Tudo entre director regional e coordenadores das equipas de apoio às escolas. Tudo em circuito muito fechado. Tudo muito na base da opinião sobre o que poderá ser feito ou não. O objectivo é reduzir órgãos de gestão, não interessa muito um critério uniforme como a régua e esquadro dos 21 alunos das escolas do 1º CEB.

E depois haverá visitas. Não se percebe se a sondar, se a comunicar.

Será alegado o superior interesse da Nação e das contas públicas. PS e PSD de acordo, com peões de outras cores a aceitar ser operacionais em certas tomadas de poder.

Sobre Setúbal há rumores quanto aos mega-agrupamentos possíveis. Talvez quatro ou cinco no máximo, talvez não para já. Também em Lisboa se houve falar em mega-agrupamentos com as escolas intervencionadas pela Parque Escolar a assumirem o comando do processo e, por essa via, a maior parte da rede escolar a ficar na dependência da PE. Daí a urgência de muitas obras. Como em Setúbal, já agora.

O Verão será agitado. Em Setembro grande parte da revolução estará encaminhada, mesmo sacrificando muitos dos que acreditaram poder mudar um modelo que nunca perceberam qual seria no fim do trajecto.

A semi-privatização da Educação está ao dobrar da esquina.

Atendendo à natureza humana, muitos cederão. Muitas autarquias aceitarão partilhar o poder com a PE, em especial se houver uma espécie de tratado de Tordesilhas nas competências e encargos. Muitos directores acreditarão poder vir a alargar os seus poderes. Verão que, mais tarde, também acabarão sacrificados.

Acho que, muito sinceramente, the truth is out there…

Só a não vê quem não percebe que, pelo menos nesta matéria, o paradigma está mesmo em acelerada mutação.

O secretário geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) afirmou esta sexta-feira que todas as preocupações que os professores levaram à reunião com o ministério foram positivamente respondidas e terão consequência no próximo regulamento sobre avaliação de desempenho, noticia a Lusa.

Para o concurso que hoje se inicia, é de salientar o facto de, no respectivo Aviso de Abertura, já não constar qualquer referência à consideração da avaliação para efeitos de graduação profissional, factor que, como a FENPROF tem vindo a exigir e a esmagadora maioria dos professores a defender, não deverá ser considerado já neste concurso.

A FENPROF manteve durante o dia de ontem (12/04/2010), na sequência do que já acontecera na semana passada, um contacto quase permanente com o Ministério da Educação no sentido de ser prorrogada, por mais um ano, a norma que permite a não consideração da avaliação de desempenho como factor de graduação profissional para efeitos de concurso. Posteriormente, no âmbito da negociação para revisão do regime de concursos, a FENPROF pretende eliminar a influência da avaliação de desempenho, definitivamente, naquele regime.

O Ministério da Educação (ME) está a obrigar os docentes a “cometer um crime”, denunciou ontem o secretário-geral da Federação Nacional de Professores. Segundo Mário Nogueira, este será um dos argumentos na base das acções judiciais que a Fenprof tenciona interpor para travar o concurso para a colocação de professores contratados, que decorre até à próxima sexta-feira.

Em reacção às declarações da ministra da Educação, que reafirmou sábado, em Évora, que a avaliação de desempenho vai contar para o concurso de colocação de professores, o líder da Fenprof afirmou que «a teimosia retira a lucidez às pessoas», concluindo que a actuação de Isabel Alçada está «ao nível do que durante quatro anos e meio foi feito pela sua antecessora».

Pré-pós-post: Entretanto o Ramiro já explicou o que ser terá passado.

A caminho de casa o Paulo Prudêncio ligou-me, na sequência de um telefonema do Ramiro Marques que lhe dissera que o seu blogue tinha sido atacado e que teriam acedido às suas palavras-passe e introduzido conteúdos obscenos ou algo assim. Não percebi bem.

Ao tentar aceder ao Profblog, deparei com isto:

Em primeira instância isto significaria que as definições do blogue teriam sido alteradas, de forma abusiva ou inadvertida, por forma a obrigar os visitantes a um registo prévio.

O que não fiz pois, a ser verdade o que o Ramiro transmitiu ao Paulo e deixou num comentário aqui no Umbigo, ao nos registarmos para tentar ver o blogue podemos ver as nossas próprias senhas raptadas por algum hacker.

Como alguém que já por várias vezes ficou sem acesso ao Umbigo - e ao que parece quase sempre por problemas técnicos do WordPress – eu aconselharia calma antes da entrada em espiral. Esperar umas horas, contactar o Blogger e tentar perceber o que se está a passar. Ficaram famosos na blogosfera lusa, em outros tempos, episódios de assalto ou clonagem de blogues como o Barnabé (travestido em Anacleto) e do Abrupto (com um duplo a parasitá-lo). Esperemos que, desta vez, não seja nada assim tão grave.

Uma brincadeira de mau gosto.

Já chegou, em tempos mais próximos, aquele episódio caricato do Aventar ir-se abaixo por causa de ter quase 200 entradas numa hora.

Mal por mal, antes colocar uma bandeira do Sporting no Estádio da Luz.

Mas ainda não a quero desenvolver muito, porque me podem sair uns quantos disparates a grande velocidade pois – como em outros epifenómenos na área da Educação – me parece que algo anda muito mal contado e que, de maneira perversa, este clima de instabilidade e de fabricação de medo interessa um pouco a gregos e troianos.

Penso eu de que.

Autoridades inglesas consideram Sócrates suspeito e querem ver contas bancárias do primeiro-ministro

É tudo uma british  keibala, uma plot, uma intrigue.

Aqui fica a lista, aparentemente pública, de participantes deste ano. Já se sabe que este ano os convidados portugueses foram os previsíveis ou propspectivos herdeiros do Bloco Central.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 833 outros seguidores