Quotas


isto está cheio de “avecs”.

Despacho n.º 12567/2012. D.R. n.º 187, Série II de 2012-09-26

Ministérios das Finanças e da Educação e Ciência – Gabinetes dos Secretários de Estado da Administração Pública e do Ensino e da Administração Escolar.

Estabelece os universos e os critérios para a determinação dos percentis relativos à atribuição das menções qualitativas aos docentes integrados na carreira.

Vão precisar de um manual, com tabelas de Excel, para que se perceba tudo com clareza. Ou isso, ou esperam que o pessoal do Ad Duo faça.

… do Público porque o link é só para assinantes:

Oferta de haxixe junto das escolas duplicou em cinco anos

Nos recreios, nas casas de banho, nas imediações da escola. O PÚBLICO falou com jovens que vendem drogas aos colegas: “Consomes, começas a vender, alimentas uma rede de amigos.” E divulga dados preliminares de um inquérito do IDT.

Mais logo posso colocar aqui as minhas declarações que, como vai sendo hábito, não são das mais consensuais e fofinhas, porque vejo o que vejo, ouço o que ouço e não gosto de assobiar para o lado.

com o presente – menos com o futuro.

Pagar as dívidas do Zé de Armani e Socas obriga-nos a permanecer no passado.

FNE desafia Ministério da Educação a avaliar sem quotas

A Federação Nacional de Educação (FNE) desafiou hoje o Ministério da Educação a avançar com um modelo de avaliação durante um ano lectivo sem quotas. “Vamos fazer a experiência sem quotas e ver os resultados”, afirmou o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, à saída da primeira ronda negocial para discutir o projecto apresentado pelo ministro Nuno Crato.

Do que serve um ano lectivo? E somos avaliados com base exactamente no quê se as aulas assistidas no último ano do ciclo avaliativo, uns não são avaliados e os outros devem entregar 3 páginas?

Lixam-se, de novo, apenas os contratados, como cobaias?

Falta a vontade ou a coragem política para assumir soluções alternativas.

Quotas vão manter-se na avaliação dos professores

As quotas para as classificações de mérito vão manter-no no próximo modelo de avaliação docente, confirmou hoje Nuno Crato, ministro da Educação e Ciência.

A 8 de Janeiro de 2010 foi assinado um acordo que manteve as quotas no ECD e na ADD. Eram os tempos do idílio de Isabel & Mário. Desta vez, tenha a absoluta certeza que não haverá acordo, porque as afinidades e cores são outras.

Com base no que vi e li desde a tarde de ontem, a partir de 12 de Agosto não existirá qualquer tipo de negociação. Vai-se inverter o que se passou nos tempos de MLR, quando uma das partes fazia o que entendia usando a negociação como mero pretexto.

De certa forma, será um regresso às origens.

Mas o MEC colocou-se a jeito ao, depois de ser omisso nos princípios quanto às quotas, ter na conferência de imprensa optado por se resguardar no SIADAP. Mas o pior foi ter dito que, sem quotas, provavelmente seríamos todos excelentes. Nessa declaração há algo de desnecessária desconfiança em relação à honestidade alheia. Nuno Crato sabe que há métodos para substituir as quotas. Podem não ser fáceis, poderiam despertar alguma hostilidade. Mas nunca tanta como as quotas.

Nuno Crato apresentou aos sindicatos o documento com os sete princípios gerais para avaliação dos professores.

Desculpem a imodéstia, mas esses números já estavam no Umbigo há quase uma semana.

Público, 2 de Março de 2011

Não tenham problemas, aqui não se inventa (quase) nada e quando se inventa, avisa-se com um bolinha castanha ao canto do post.

Quanto à substância? Enfim… não sei bem que diga, mas um modelo que dividiu a carreira em vários patamares, obrigando a aulas assistidas para progredir em vários pontos só podia dar nisto. Glória a quem assinou isto e agora quer fazer crer que não.

Se isto é repisar algo que deveria estar ultrapassado? Talvez… mas talvez assim não se preparem para ssinar outra vez uma grande m**** e ainda a terem defendido meses a fio, apesar dos avisos quantos às perversidades do modelo de carreira (em 1º lugar) e da ADD que lhe serve de suporte.

Alimpem-se!

A começar pelos guerreiros entre a espada e a parede. É com eles que não se pode contar para uma luta em que se precisa de confiar em quem está ao nosso lado a cerrar fileiras.

Nota-se aqui, um pouco mais de acutilância na argumentação. E fala-se, por exemplo, no cuidado que haveria em informar os interessados em devido tempo sobre certos critérios. No outro parecer a coisa é muito mais suave.

 

Anexo:  Parecer_Final_SE_Quotas_Gestao.

No fundo, coiso e tal, apenas recomendam que se aparem as arestas. Nem uma palavra quanto ao fundo da questão.

 

Anexo: Parecer_Final_SE_Quotas_Professores.

Quotas ADD para os professores contratados – Cenários

Há várias situações divertidas, mas a principal delas é a percentagem de Excelentes reservada aos Directores em cada DRE. Vai ser um fartar vilanagem e um velhacouto dos antigos que nem quero ver, na recompensa ao lambe-botismo. Espera-se a reacção da ANDE e ANDAEP.

DESPACHO CONJUNTO DOCENTES

DESPACHO CONJUNTO DIRECTORES

Não há quotas na avaliação de desempenho do ensino superior ?

Piloto Automático

… foi o comentário que Maria de Lurdes Rodrigues não fez a esta notícia de primeira página do Expresso. Ahhhh… o que ele não faria como ministra da Justiça. Foi uma pena ter de se sacrificar com a presidência vitalícia da FLAD e não se dedicar mais à causa da moralização da coisa pública.

Não há.

.

.

.

As quotas como treta

PSD indisponível para eliminar quotas dos professores

Parlamento vai discutir quotas da avaliação

Professores pedem aos partidos que aprovem fim das quotas, o que teria efeitos em toda a função pública.

Depois da luta com o Ministério da Educação (ME) e da assinatura de um acordo, os sindicatos voltam-se agora para a Assembleia da República para conseguir o que a tutela não lhes garantiu ainda: o final do sistema de quotas na avaliação e a recuperação dos dois anos e quatro meses de carreira que foram congelados. Pode estar à vista uma nova luta, já que só o Bloco de Esquerda (BE) e o PCP dizem abertamente que vão defender estas reivindicações que teriam consequências na avaliação de toda a administração pública (AP), enquanto os restantes partidos também não fecham a porta.

Não estão mesmo a ver o PSD a esquivar-se como da outra vez, agora que estão  com tanto sentido de Estado e preocupados com as poupanças?

Bom, a menos que a poupança não interfira com o JArdim:

Dinheiro para a Madeira ameaça Orçamento do Estado

(…)

No momento preciso em que o Orçamento de Estado parece ter apoio garantido à Direita, esta passou a ser “a questão política central” – podendo conduzir a um bloqueio parlamentar. E, até aqui, há mesmo um impasse absoluto: o Governo nada quer, a oposição não cedeu. “Quarta-feira”, diz ao DN Guilherme Silva, deputado do PSD, “é a hora da verdade”.

Esmiuçando as quotas

Nem sei que vos diga…apenas que com gente com palavra volúvel só depois de ver em letra de lei… que isto pode ser só para consumo eleitoral.

Quotas para classificações de mérito afinal são transitórias

A ministra da Educação admite que as quotas para as classificações de mérito atribuídas a docentes, que a tutela sempre disse serem fundamentais para garantir a diferenciação entre professores, podem afinal deixar de existir a prazo.

Maria de Lurdes Rodrigues respondia a perguntas de jornalistas a propósito de um relatório da consultora Deloitte, onde se dá conta de que as quotas, para este efeito, são quase uma particularidade portuguesa.

Também ao PÚBLICO, o Ministério da Educação (ME) precisou, através do gabinete de imprensa, que esta é uma disposição transitória: “As quotas pretendem contribuir para abalizar a atribuição das classificações de mérito, numa primeira fase em que o processo está em fase de implementação e ainda não existe uma cultura de avaliação consolidada que permita uma correcta diferenciação das classificações”.

Página seguinte »