Promessas


Não comentar irrelevâncias. Inclui mensagens de Natal, Ano Novo, sketches dos Gato Ferdorento sem ser pagos pela PT, análises de treinadores de futebol e alterações ao Código da Estrada, nomeadamente no caso das rotundas. Não adianta comentar coisas que, por muito que tentem, nada trazem de relevante.

Passos garante que não vai pôr professores efetivos na mobilidade especial

… que eu passarei a dar menos aulas.

O apoio aos alunos e a coadjuvação vão passar a ser considerados componente lectiva, adiantou hoje o secretário de Estado da Administração Escolar, João Casanova de Almeida, conforme previsto no despacho de organização do ano escolar ainda por divulgar.

Isto é o equivalente a prometer que amanhece de manhã.

O secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar adiantou hoje que a mobilidade especial para os professores só se vai aplicar depois do final do primeiro período lectivo, ou seja, em 2014.

A garantia foi deixada pelo governante no final da primeira ronda negocial com os sindicatos dos professores relativa às novas regras aplicáveis á função pública, que hoje decorreu no Palácio das Laranjeiras, em Lisboa.

João Casanova de Almeida explicou aos jornalistas que a passagem dos docentes a este novo regime, que o Governo renomeou de regime de requalificação profissional, só vai acontecer depois de concluídas todas as fases de colocação de professores, que decorrem até Dezembro.

O que eu gostava era de saber o que Casanova de Almeida prometeu a quem concorre directamente com a rede pública, ajudando a produzir horários-zero em algumas zonas do país.

… lá terá que se ir o economista, digo, licenciado em Economia da Lusíada.

Garantias de que não haverá alterações aos horários de trabalho dos professores e às reduções de componente lectiva são válidas só até ao próximo ano.

E agora a parte gira… apostar no empurrão como política de gestão dos recursos humanos:

O ministro da Educação, Nuno Crato, antecipou nesta terça-feira, no Parlamento, uma nova vaga de aposentações de professores com efeitos positivos no número de horários zero (professores sem turma para ensinar).

“Se para o ano se reformarem três mil professores desaparecem os horários zero se em simultâneo o sistema permitir que um professor de Vila Real possa leccionar em Bragança”, disse, referindo-se à proposta apresentada pelo MEC na passada semana com vista à redução do número de Quadros de Zona Pedagógica (QZP) de 23 para 10.

Página seguinte »