PISA


… fica aqui em imagem.

PG Pub28Dez14

Público, 28 de Dezembro de 2014

Muitos e bons materiais. tenho pena de não ter assistido à apresentação no CNE, até porque sabia de alguns resultados preliminares de estudos muito, muito interessantes.

Falso… embora este quadro tenha dados que não somam 100%, de qualquer modo é visível como nos PISA a evolução foi bem positiva com um aumento de 7,5% nos níveis mais altos de desempenho em Matemática e um decréscimo de quase 9% nos mais baixos:

CNEPisa

E se compararmos com outros países, é fácil verificar que fomos um dos países com maior aumento de top performers entre 2003 e 2012… enquanto os low performers desceram sensivelmente:

CNEPisa1

CNEPisa2

Via João Caetano (Twitter):

Nuno Crato considera Programa Internacional para a Avaliação de Alunos (PISA) o “único instrumento viável para avaliação do nosso sistema”, até pela continuidade dos critérios de referência.

Mas isso era antigamente?

Ou de Junho de 2008 para cá o mundo mudou?

… as que têm conduzido a consistentes descidas de resultados dos alunos, enquanto Portugal vai conseguindo recuperar do seu profundo atraso?

O que têm a dizer acerca disto os defensores da “liberdade de escolha” que acenam com a Holanda, Suécia, Austrália, Nova Zelândia, etc, como exemplos maiores do modelo de gestão do sistema de ensino que querem para Portugal?

A “narrativa” não pode ir pelo lado da qualidade, pois não?

Prefere ir pelo lado do retrato estático, ignorando a tendência de médio prazo (2003-12).

E se, afinal, o que estamos habituados a ouvir não passar de uma ficção instrumental? De uma MENTIRA?

Mais grave… e se os “narradores” souberem que é mentira, mas já se estiverem nas tintas pois colocaram os seus homens nos lugares certos para olear as decisões?

PISA2012

E até parece que não estamos mal… há certos críticos que talvez fisessem melhor em alterar a “narrativa” e em perceber que as melhorias não se conseguem com medidas de curto prazo.

Os alunos agora testados entraram no 1º ano há quase uma década…

PISA 2012 Results

Mais um quadro (do estudo longo da OCDE, do qual se podem descarregar quadros e gráficos livremente) que vem no sentido do que ontem aqui se apresentou da autoria de David Justino.

Afinal, se tivermos em conta a diferença nos antecedentes socio-económicos dos alunos que frequentam escolas públicas e privadas, o desempenho dos alunos portugueses fica bem acima da média e bem mais perto dos países “desenvolvidos” do que nos querem fazer acreditar.

Mais um prego em certas crendices

Página seguinte »