Pânico


… garanti a um aluno (6º ano, 13 aninhos) que só passaria quando soubesse escrever o nome por inteiro, sem erros. Há dias em que me apetece voltar a essa forma de fascismo pedagógico.

Como nessas noites de Outono claras
quando os leopardos que vêm do Norte
irrompem pelo horizonte
e todos se reúnem na praça do mercado
para rezar ou para observar apenas em silêncio…
Porque barrais as ruas dos
subúrbios? Aquele que esperais
não vem pelos subúrbios.

[Werner Aspenström]

há dois minutos e não me ocorre nada; vou mas é ver o telejornal, a assistir se animo.

juvenal paio

poesia para mortos

discutindo o modo do morrer

uns turistas defendendo a casa?

não

dizem

que não

querem esclarecer

[eu]

Porque chegará o dia em que será preciso entender que a despesa terá de aparecer… Em que não haverá truque contabilístico que chegue para a esconder.

Parque Escolar já adjudicou mais de dois mil milhões de euros em obras

A empresa de modernização Parque Escolar adjudicou no primeiro trimestre deste ano mais de 500 milhões de euros em obras, uma verba que se soma aos 1549 milhões de euros adjudicados durante o ano passado.

Calamity Jane

Benzóqualquercoisa!

A edição deste fim de semana do Financial Times – acreditem, são 3,2 € bem gastos em especial para os mais empedernidos saudosistas do colectivismo estatal, o que nem é o meu caso – é um verdadeiro festim para percebermos os limites da pureza ideológica liberal e, em simultâneo, para percebermos até que ponto o nosso mundo se tornou algo virtual, um mero fluxo de números abstractos, até ao momento em que algo corre mal.

Os gritos de alarme e as análises produzidas são do mais interessante de ler. Christopher Caldwell tem uma das leituras mais originais, ao culpar os pragmáticos pela catástrofe financeira. E afirma qu os dogmáticos – ou ideólogos – não passam de pragmáticos cujas fórmulas resistiram ao teste do tempo.

No entanto, o que fica à vista é algo mais do que um excesso de pragmatismo: pelo contrário, é um excesso de vontade em provar um dogma ou de dar a entender que tudo funciona bem, quando tudo está a funcionar mal. Isso não é pragmatismo. É apenas desonestidade intelectual. Ou, no caso dos CEO e outros responsáveis que deram cobertura a contabilidades criativas e a mil artifícios para fazer crer que tudo estava bem e próspero no mundo de um mercado globalizado, desonestidade, ponto final. Em especial quando aproveitaram para abandonar o barco com enormes bónus de desempenho, baseados em resultados maravilhosamente forjados.

Quem achar que isto está muito distante do mundo da nossa Educação, engana-se redondamente. A única diferença é de dimensão do fenómeno, não é de método.

A mistificação pelos números, a construção de uma realidade estatística de Sucesso, apenas difere em termos de escala. O desejo de provar uma determinada teoria ou prática, através de uma manipulação dos dados quantitativos ditos objectivos, é exactamente o mesmo. E a esperança em safar-se de responsabilidades, saindo do barco por cima, antes de ele começar a afundar, acreditem, também não difere muito.

Falha no DNS é mais grave do que o previsto

Um falha recentemente encontrada no sistema de domínios da Internet (DNS), que permite aos cibercriminosos redireccionar os internautas para sites falsos, é pior do que o inicialmente previsto.

Dan Kaminsky, o responsável pela descoberta, explicou que com esta falha nos DNS, os hackers podem ludibriar os sistemas, levando os cibernautas a entrarem em sites falsos, mesmo que introduzam o endereço correcto, originando o roubo de dados pessoais dos utilizadores, de acordo com a BBC News.

O DNS transforma o endereço dos sites em sequências numéricas, através das quais os computadores direccionam o tráfego da Internet.

Inicialmente, Dan Kaminsky afirmou que as pessoas se deveriam preocupar, «mas não entrar em pânico».

No entanto, foram descobertas outras 15 formas através das quais os ciber criminosos podem explorar a falha para atacarem serviços FTP, servidores de correio electrónico, filtros de spam e os serviços Telnet e Secure Socket Layer (SSL), estes dois úleimos destinados a tornar a Internet mais segura.

Expresso, 5 de Julho de 2008, páginas centrais.
Só falta serem desdobráveis…
Maravilhosa e amabilíssima entrevista conduzida pelo excelentíssimo senhor director Henrique Monteiro.
Os comentários são quase ao nível da célebre e adorável «entrevista das bolachinhas» do Correio da Manhã, feita por um tal Ribeiro Ferreira.