Os Pobres Que Paguem A Crise


… deve ser campanha autárquica.

Fim do travão no IMI pode aumentar imposto da casa até 500%

Por outro lado, razão tinha o PM em não estar consciente das suas obrigações. A mim, apetece-me fazer o mesmo. O problema é que me penhoram logo o salário, mesmo que eu diga que não me enviaram a notificação ou que se extraviou nos Correios (hipótese cada vez mais válida…).

 

Há de tudo, como antigamente na farmácia ou drogaria.

… porque volta a estar em causa o apoio aos mais frágeis e vulneráveis, em particular num contexto de crise.

No universo global dos 697 funcionários do Instituto da Segurança Social (ISS) abrangidos, os das comissões de protecção representam uma minoria. Serão entre 15 e 20 representantes da Segurança Social, segundo dados da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR).

Mas cada pessoa chega a ter 100 processos em mãos. “Cem processos são cem crianças em risco”, salienta a presidente da CPCJ do Barreiro, Rita Carvalho. Cem é o número de processos que estão a ser acompanhados pela sua adjunta, no cargo de secretária da comissão, que foi notificada no âmbito da requalificação e dispensada das suas funções.

A crise no BES e os pobres

(…)

Afinal quem mente, os pobres do RSI ou o governador do Banco de Portugal? Que mentiras provocam mais estragos ao país, as mentiras dos pobres ou as mentiras dos poderosos respeitáveis da alta finança? Afinal não existia no BES nenhuma almofada financeira para tapar os buracos do crédito malparado; afinal a crise no grupo sempre afectou o funcionamento do banco; foi necessário afastar da gestão do banco Ricardo Salgado; os testes de stress ao banco, afinal não provaram solidez financeira nenhuma.

A maioria dos desempregados em Portugal não tem acesso a qualquer apoio económico no período de desemprego. As escolas públicas continuam a funcionar com menos professores e técnicos para dar apoio a crianças com necessidades educativas especiais, os centros educativos não têm vagas para acolher mais jovens condenados, um grupo de organizações não governamentais, entre as quais a Amnistia Internacional e a Caritas Portuguesa, considera que não existe estratégia nem políticas sociais consistentes para combater a pobreza em Portugal.

O Avillez Figueiredo não deve ter dúvidas… as mentiras dos pobres que comem bifes-jonês são muito mais daninhas…

O tio Aníbal já se esqueceu de todas aquelas coisas bacocas sobre boa e má moeda… agora já só usa notas do Monopólio.

13 de Julho:

Passos avisa que contribuintes não podem pagar pelos erros dos bancos

2 de Agosto:

EXP2Ago14

Expresso, de de Agosto de 2014,

Pois é, meu caro André, bem dizia eu que a insurgência já teve melhores dias… é cada tiro, cada melro…

Não existe qualquer capacidade (não vou ser mau ao ponto de dizer que é vontade) de se ser objectivo quando – apesar de uma boa carreira – se almeja algo mais (e pimba, esta foi para devolver a outra picadela) e isso é, no fundo, quase a razão de ser de certos bloggers (que não o andré, mas por vezes quase parece…).

E digo isto porque, se deixei de ter qualquer respeito pelas vocalizações do PM, ainda há no seu “círculo” quem eu preze pela inteligência que sempre aparentou ter…

 

Mais de 5.100 idosos perderam o CSI num mês

Salgado compra 1,5 milhões de ações do BES

 

 

… e que precise de um estudo bué especializado do Banco de Portugal.

DN15Jun14

Diário de Notícias, 15 de Junho de 2014

Nick Anderson

(c) Nick Anderson

… para alguns.

Já o sabíamos e conhece-se bem o programa dos nossos putos tóxicos, inspirados na defesa dos job creators, sendo que se trata dos creators dos jobs deles.

A mentalidade é esta.

É a mesma que anima os nossos defensores do mercado da Educação que promove, activa e conscientemente, o agravamento das desigualdades.

Pub25Mar14

Público, 25 de Março de 2014

 

Que é quem poupa mais com este recurso ou est’outro sobredotado acha que as pessoas devem pagar para mexer no seu dinheiro, com o qual os bancos podem fazer quase tudo o que entendem, incluindo investimentos erráticos, estupidamente especulativos e quantas vezes desastrosos?

Vitor Bento propõe imposto sobre levantamentos no Multibanco para aumentar receitas do Estado e combater figa ao fisco

A parte da “figa” não me parece ser gralha… é mesmo uma figa que lhe fazem:

PubOn4MAr14

Salários em Portugal ainda deveriam baixar entre 2% e 5%, defende Bruxelas

Cerca de 80% dos pensionistas recebem reforma média de 364 euros

Mais de quatro meses depois de apresentar o OE, o Governo publicou o “Orçamento Cidadão”. Onde é gasto o dinheiro dos contribuintes? Como se distribuem as pensões? Síntese das Finanças dá algumas pistas.

Novos cortes nas pensões entram em vigor em Abril

Governo espera que a nova Contribuição Extraordinária de Solidariedade comece a aplicar-se a partir de Abril.

 

… ou então tem razão, pois não explica que tipo de redistribuição foi feira… e é verdade que se tem andado a redistribui o dinheiro da maioria para encobrir os falhanços de gestão de alguns. mesmo daqueles que dizem mal do estado que dá emprego aos parentes.

“Provavelmente não há nenhum período da História recente portuguesa – talvez em 1975 – em que as medidas tomadas tenham sido tão redistributivas como foram agora”, sublinhou Fernando Ulrich. “Nunca provavelmente a esquerda fez em Portugal uma política tão redistributiva como a que tem feito o Governo do dr. Passos Coelho”, acrescentou.

Ulrich avançou ainda que o BPI encomendou um trabalho para ver como evoluiu a situação em várias categorias e que já dispõe de alguns resultados, mas que não está ainda em condições de divulgar.

Mas uma coisa pode afirmar: “As pessoas que mais ganham, tiveram cortes – seja pela via dos cortes, seja pela via da carga fiscal – muito maiores do que as pessoas que ganham menos. Com esta dimensão, talvez só em 75.”

“O que o dr Passos Coelho fez nessa matéria é tão redistributivo ou mais do que o Partido Comunista fez em 75, quando na altura não havia IRS; era o imposto complementar que chegou quase a 90%”, salientou.

… agora imaginem que não eram democratas-cristãos, pessoas tementes a Deus, respeitadoras da vida e dos idosos que tinham as rédeas do poder!

Governo acaba com o Complemento Solidário para idosos

Pub29Dez13

Público, 29 de Novembro de 2013

Novo Código do Trabalho retirou 2,3% aos salários dos trabalhadores

Novo Código do Trabalho com efeitos iguais ou superiores ao impacto que o Governo pretendia alcançar com a redução da taxa social única.

… aqueles que dela necessitam?

Segurança Social encaixa 6,7 milhões com cortes nos subsídios de desemprego e de doença

… embora por cá ainda exista que disfarce e diga que é tudo (cheque-ensino incluído) em prol dos mais necessitados. Tretas…

Poorest students face £350m cut in grants

JCN

César das Neves: Aumentar salário mínimo «é estragar vida aos pobres»

Este gajo, desculpem, senhor doutor PM gajo, aparvalhou de vez ou anda mesmo a chamar-nos estúpidos às claras?

Passos Coelho invoca “espírito de boa-fé negocial” para não aplicar taxa nas PPP

… é aquilo que o biotecnólogo JoãoMiranda (assim sem espaço entre os nomes para dar originalidade) acaba por sugerir de forma bastante clara como resumo para a campanha que o Blasfémias tem desde ontem feito, com sinergia de recursos humanos e muiitops gráficos a comprovar e demonstrar, em defesa do financiamento directo do ensino privado.

Claro que a teoria só funciona se os pobrezinhos ficarem encerrados nas suas escolinhas más (que assim não devem fechar) e as privadas os mantiverem longe.

Isto não é um debate Esquerda/Direita como querem dar a entender, embora à superfície possa parecer.

É entre duas concepções de sociedade e uma delas provoca-me um certo nojo, pois abandona os mais desfavorecidos à sua sorte e compensa os que já estão bem. Uma delas é aquela concepção muito características de alguns líderes religiosos fundamentalistas americanos que consideram a pobreza como um sinal de desagrado divino e sintoma de pecado. Como se o insucesso fosse ferrete demoníaco.

É a concepção da maioria dos defensores “liberdade de escolha” que temos entre nós. Nem por acaso alguns deles bem devotos. por fora.

Há muitos anos, o falecido professor Cordeiro Pereira, nas nossas aulas de 3º ano de História de Portugal dizia que havia marxistas de 1ª, 2ª e 3ª categoria e que o problema é que os marxistas portugueses eram quase todos de 3ª categoria.

Digo o mesmo dos nossos “liberais” de aviários. Só nos saíram praticamente liberais de 3ª categoria.

Página seguinte »