Oferta De Escola


Em especial em Língua Portuguesa do 3º ciclo, um dos grupos mais atingidos inicialmente pelos pré-horários-zero…

Agora expliquem-me devagarinho como é possível existirem 7 horários completos para contratação, se existem profes em DACL por colocar…

Boa tarde,

Sou um dos milhares de contratados que sofre nestes dias a angustia do resultado do sorteio, mas o nó no estômago é maior quando continuo a candidatar-me em concursos como o criado hoje pelo Instituto do
Emprego, só que nos casos que vos envio em anexo, não colocam o nome da pessoa, mas muito perto disso.

Tenho a ideia, e posso estar errado, que escolher critérios como “Já ter lecionado no agrupamento” não seriam permitidos, se estiver certo e for merecedor de tal, divulguem nos vosso blogs, para que seja ainda
mais público!

Ajudem-nos também a responder da melhor forma a este tipo de situações.

Nota: Estes casos que vos falo são todos do Grupo disciplinar 550. É possível que nessas mesmas escolas haja mais situações noutros grupos de recrutamento.

Grato pela atenção,

PA

A fiscalização torna-se necessária, ao nível dos antigos mini-concursos. As listas são locais, os dados nem sempre são claramente publicitados. As coisas acontecem…

A lista em causa está aqui (já sem exposição pública de dados privados…).

De: Elisabete Ribeiro [mailto:********@gmail.com]
Enviada: segunda-feira, 27 de Agosto de 2012 12:14
Para: geral@escolasdesouselo.pt
Assunto: Erros na lista do 520 – Contratação de Escola

Exmo. Sr.(a) Director(a),

A lista do 520 para a Contratação de Escola tem muitos erros, sendo os primeiros os seguintes:

O n.º1 Maria João da Silva Ventura Peixoto não está nas listas nacionais, portanto não sei se terá algum erro.

O n.º 2 Francisco José Magalhães e Reis Brandão dos Santos tem 317 dias a mais (colocou o tempo de serviço até 31 de Agosto de 2012 – ainda não chegamos a essa data e vai contra a lei.).

O n.º 3 Margarida Maria Gomes Pires colocou a graduação profissional em vez da classificação.

O n.º 4 e n.º 5 estão bem, por isso deveria subir na lista!

O n.º 6 Ana Isabel Oliveira Miguelote colocou a graduação profissional em vez da classificação e tem tempo de serviço a mais (colocou o tempo de serviço até 31 de Agosto de 2012 – ainda não chegamos a essa data e vai contra a lei.)!

O n.º 7 e 8 estão bem.

Portanto, deveriam ser notificados os candidatos com os n.ºs 1, 4, 5, 7 e 8 da vossa lista.

Cumprimentos,

Elisabete Ribeiro Pacheco

From: Agrupamento de Escolas de Souselo <geral@escolasdesouselo.pt>
Date: 2012/8/27
Subject: RE: Erros na lista do 520 – Contratação de Escola
To: Elisabete Ribeiro <**************@gmail.com>

Bom dia:

È natural que tenha toda a razão nos reparos que faz. Por isso mesmo é que as listas têm a designação de provisórias. No entanto a aplicação não permite à escola mudar os candidatos notificados. Já contactamos a DGAE e estamos a aguardar que nos forneçam os instrumentos necessários para alterar a ordenação dos candidatos (de momento a ordenação é feita de forma automática com os dados que cada um introduziu, estejam ou não corretos). De qualquer forma garantimos não selecionar qualquer candidato sem antes confirmar todos os seus dados.

Atenciosamente

Agrupamento de Escolas de Souselo

Não seria mais transparente ser feita uma recondução?

Podemos chamar-lhe autonomia. Podemos chamar-lhe outra coisa.

Podemos considerar que é a prática possível para manter alguém na escola que se acha ter feito bom trabalho. Podemos chamar-lhe outra coisa.

Mas não chamemos concurso público ao que se vê estar decidido à partida.

No Blog DeAr Lindo:

Como Concorrer a Uma Oferta de Escola?

Oferta de escola: critérios objectivos?

Top 5 de Ofertas de Escola

Continuam os critérios da treta.

 

Onde serão as aulas? No Teijo?

Procura-se marinheiro para oferta de escola do grupo 620

Quem tirar a palhinha mais comprida fica com o lugar.

  • Porque as notas dos cursos são uma treta, dizem uns, porque cada universidade politécnico avalia como lhe apetece.
  • Porque as avaliações dos directores de uma escola podem ser irrelevantes para o perfil de outra, dizem outros.
  • Porque nuns sítios o tempo de serviço é contado assim e em outros assado, dizem-nos a experiência e as evidências.
  • Porque os professores são como as caixas de chocolate, diz o Forrest Gump, só depois de os abrirmos é que sabemos o que lá vem dentro.

O mais justo e correcto é sortear os professores, quando existir excesso de procura para certas ofertas, como se faz com os alunos nos States em escolas muito procuradas. Penso não ser anticonstitucional, não ferir susceptibilidades religiosas, étnicas ou políticas.

Bora lá uma petição?

Apelido ou nome próprio?

Ordem alfabética escolhe professor

Escola de Sintra coloca como critério de contratação de professores a primeira letra do nome.

Vai ser maravilhoso ver estas coisas e outras que tais a serem a regra… como querem os defensores da localização dos concursos.

Porque não entendo bem como é que quem, criticando a injustiça relativa nas classificações obtidas em cursos com anos de duração, acha que é o arbítrio de um relator e/ou director que vale mais.

Boa noite Paulo,

Sou uma leitora assídua do seu blogue embora nunca tenha intervindo no mesmo. Tenho acompanhado os posts sobre as contratações de escola, que este ano têm tido uma maior contestação apesar de os critérios utilizados este ano serem os mesmos utilizados em anos anteriores.
Ganhei, por fim, coragem para enviar este e-mail pois, tratando-me de uma jovem professora com pouco tempo de serviço ainda, não sei se tenho o “direito”  de me sentir indignada sabendo que há colegas melhor graduados na situação de desemprego. A situação destes colegas será, com certeza, mais dramática.
Contudo, na esperança que se abra caminho para uma discussão sobre os critérios de selecção para estas contratações e transparência das mesmas, envio em anexo um print screen de 3 ofertas às quais me candidatei e nas quais ficaram colocadas colegas muito menos graduadas. Confesso que a partir da 4ª situação desisti de verificar pois a frustração tomou conta de mim, mas acredito que fossem muitas mais.
Aproveito, também, para chamar à atenção para a injustiça que este ano se verificou com os professores que leccionaram/leccionam na R.A. Madeira e que, apesar de terem sido avaliados com Muito Bom ou Excelente viram a sua ADD não ser considerada para este concurso.

Com os melhores cumprimentos,

L
.

Seria mais simples assumir que isto são nomeações feitas à medida ou reconduções. Seria mais transparente e não se iludia ninguém. Assumia-se a autonomia para recrutar à medida (como prometido aos TEIP) e não se fingia que isto são concursos.

O documento inteiro que me foi enviado por uma colega fica aqui: desenvolvimento depdf.

Agora o destaque de alguns casos, incluindo o dos melhor posissionados. Caramba, pá, um pouco mais de cuidado!

Caro colega,

Todos os docentes que ainda não estão colocados têm acesso a esta informação e já houve pelo menos um blogue em que chamaram a atenção para este facto, mas considero muito estranho, mesmo!!!, aparecerem 20 ofertas de escola para docentes do 1.º Ciclo com o motivo de aumento de turmas catalogadas como tipo de necessidade: desenvolvimento de projetos.

Se o motivo é o aumento de turmas e se os detalhes da categoria são docentes do 1.º Ciclo então as vagas deveriam ser do tipo de necessidade: grupo de recrutamento e não de desenvolvimento de projetos.

Posso então depreender que estas ofertas de escola estão escondidas dos docentes queconcorrem aos grupos de recrutamento e que consideram o desenvolvimento de projetos ofertas de trabalho para psicólogos, assistentes sociais e educadores sociais.

É uma pouca-vergonha!O que fazer?

O ministério não vê que os diretores das escolas arranjam tachos para os amigos?!!

Com os melhores cumprimentos

R. P.

Ao longo do dia, vou acrescentar mais casos quie já recebi por mail.

Complementarmente, espreitar aqui o Blog DeAr Lindo.

—–Original Message—–
From: Gab Comunicação Ministério da Educação e Ciência [mailto:gab.com@mec.gov.pt]
Sent: 16 September 2011 19:24
Subject: Nota à Imprensa – Esclarecimento

Após o preenchimento das necessidades transitórias de pessoal docente das escolas através da colocação de professores do quadro e de professores contratados, os horários ainda por preencher ficaram disponíveis para Contratação de Escola, como é feito há vários anos. Em relação a este regime, o Ministério da Educação e Ciência esclarece que:

1. Não houve qualquer alteração à legislação em vigor.
2. Os contratos têm a duração mínima de um mês e não poderão ultrapassar o final do ano escolar, de acordo com o n.º 2 do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 35/2007, de 15 de Fevereiro.
3. A duração de cada contrato será estabelecida de acordo com as necessidades das escolas.
4. Após a colocação, os professores assinarão com as escolas um contrato com a duração da necessidade transitória identificada pelo estabelecimento de ensino.

Anexa-se a nota informativa da Direcção Geral de Recursos Humanos da Educação para mais esclarecimentos.

Com os melhores cumprimentos,

O Gabinete de Comunicação do MEC

A nota que se refere ir anexada é a que aqui ontem já publiquei.

Contratos mensais para professores, uma vigarice que vai influenciar eticamente a nobre profissão de educador

Tal como todos vós não posso deixar de mostrar a minha indignação e o sentimento de vergonha por ser, ao tempo, um cidadão de cuja pátria não tem qualquer sensibilidade humana e respeito por aqueles que têm sob sua guarda a formação de homens e mulheres do amanhã. Aos professores, independentemente da sua situação profissional, é-lhes pedido a maior das responsabilidades, formar bons cidadãos, cuja tónica deve incidir num saber transversal capaz de responder aos desafios que o mundo de hoje impõe. Pergunto à tutela, que mais não sabe fazer que desresponsabilizar-se, se os responsáveis por tal fado não têm direito a uma vida com o mínimo de qualidade, refiro-me às necessidades mais básicas, como alimentação, saúde, alojamento, vestuário, sem referir, claro, a dignidade, que tem vindo a ser posta em causa. Assim sendo, lanço o repto à tutela, serão os professores assim tão dotados para nos meses de Julho, Agosto e Setembro, perderem as características humanas?

Salientar ainda que, as necessidades básicas que me referi não se confinam unicamente aos professores que vivem nesta precariedade abismal mas, de igual modo, aos seus descendentes, aquando da sua existência, os quais, infelizmente são levados de arrasto. Como diria um locutor da RFM, vale a pena pensar nisto!

(Francisco Jorge Silva – professor com contrato em análise na Oferta Escola, isto depois de tantos anos a trabalhar como professor)

… mas fico sem perceber se é a partir desta nota informativa que se conclui pela renovação mensal dos contratos dos professores em oferta de escola. O que está escrito não é isso. Pode ser aplicado assim, mas também pode ser aplicado de outra forma. Nada impede que seja prolongado o contrato até 31 de Agosto, se assim for considerado necessário. E, neste caso, a decisão é da escola e dos seus órgãos de gestão.

« Página anteriorPágina seguinte »