O Portugal De Sucesso


Um dos faróis do empreendedorismo nacional lá se foi apagando.

Deu prémios, não sei se deu comendas, mas tem todo o ar disso.

E quantas vezes nos esfregaram na cara com um “sucesso” que, em boa verdade, não durou nem um punhado de anos, em grande parte graças ao hype mediático?

Ydreams. Dívidas de €18 milhões e com administrador judicial

A Ydreams solicitou um plano de revitalização especial junto do Tribunal do Barreiro para evitar a insolvência. Foram identificados 180 credores. O Novo Banco é o maior credor, com 7,75 milhões de euros.

mas a meio da ponte.

Quais medievos de riste em lança!

 

Porque é muito difícil que não saiba…

Investigação i: Ricardo Salgado. “Há uma parte que teve de ser entregue a alguém”

Jaime Ramos vende prédios à Fundação PSD de que é administrador

É a governação com “rosto humano” de que o Papa madeirense ontem falava na revista do Expresso.

E haverá imbecis que ain da aplaudem, não percebendo que há estradas em que é melhor não ter companheiros de ocasião.

Mas aposta-se singelo contra decuplicado em como haverá apenas os bodes sacrificiais necessários e indispensáveis para encobrir tudo o mais.

Duarte Lima foi o primeiro a denunciar o esquema que inclui Michel Canals e Nicolas Figueiredo, gestores e mentores da sociedade suíça Akoya. O branqueamento de dinheiro (leia-se milhões de euros) acontecia pelas mãos destes dois gestores e as dúvidas começaram a levantar-se. Mais de um mês antes do escândalo que envolve algumas empresas do Grupo Espírito Santo (GES), os suíços abriram as contas de Ricardo Salgado ao Ministério Público (MP) português, conta o Diário de Notícias (DN).

Parece que as décadas de enorme sucesso como job creator foram feitas sem prova de acesso em ética nos negócios e nota máxima em tráfico de influências.

Tudo alegadamente, claro, que eu não acredito em coisas esquisitas e muito menos em responsabilização por eventuais danos causados.

Isso são coisas para consumo escolar.

… no acesso às negociatas do regime.

BPI com prejuízos de 106,6 milhões de euros no primeiro semestre

Resultados do banco foram penalizados por menos-valias na venda de dívida portuguesa e italiana.

Ricardo Salgado vai deixar a presidência executiva do BES por imposição do Banco de Portugal (BdP), soube o SOL. Depois de forçar mudanças profundas no grupo, que implicaram assumir prejuízos que não estavam registados nas contas e clarificar as relações entre sociedades da família Espírito Santo, o supervisor pressionou o gestor a deixar o cargo, como passo final da reestruturação. A saída vai ocorrer em breve e pode começar a ser discutida já na assembleia-geral de 5 de Maio.

.

Jardim Gonçalves foi condenado, esta sexta-feira, a dois anos de pena suspensa e a pagar uma multa de 600 mil euros. Já Filipe Pinhal e António Rodrigues terão de efetuar o pagamento de uma multa de 300 mil euros. Neste processo-crime, os ex-administradores do BCP, incluindo o seu fundador, Jardim Gonçalves, foram acusados pelo Ministério Público dos crimes de manipulação de mercado e falsificação de documentos, num caso que começou a ser investigado em 2008.

Dois job-creators em apuros. Muito relativos, claro.

Sociedade entre Estado e Amorim acaba no PER com dívidas de 222 milhões

Recuperação da Finpro, empresa com forte participação nos resíduos e águas de Londres, nas mãos do grupo Caixa.

A discretíssima Finpro, sociedade gestora controlada pelo Estado, Banif e Américo Amorim, aderiu ao Processo Especial de Revitalização (PER).

Mas a estes reestruturam as dívidas, pois como poderia ser de outra forma?

Já viram bem quem se senta no Banif e no Grupo Amorim?

Tudo gente excelsa.

… consumindo produtos, fazendo mexer o mercado.

Governo quer limpar balanços dos bancos para “libertar crédito para as empresas”

Vamos lá a ver uma coisa… um banco é uma instituição que recebe dinheiro das outras pessoas, certo?

E que neste momento dá juros para aí de 1 a 2%, certo?

O Banco Espírito Santo (BES) apresentou um prejuízo de 517,6 milhões de euros no ano passado, resultado que contrasta com lucros de 96,1 milhões em 2012, anunciou nesta quinta-feira a instituição liderada por Ricardo Salgado. O banco atribuiu a passagem de lucros a prejuízos de 2012 para 2013 com a quebra do produto bancário, que teve uma descida de 26,3%, e com o “reforço das provisões para imparidades”, que aumentaram 18,6%.

Prejuízos dos bancos privados aumentam para 1,56 mil milhões em 2013

… para a necessidade de manter em funções um governo, mesmo apesar das birras entre compadres, das evidentes falhas éticas e tudo o mais.

Porque há que assegurar que os empresários de sucesso possam ter novas áreas de negócio (a Saúde é a principal, mas esperemos por outras…) que permitam cobrir o descalabro das suas gestões de imenso sucesso, sempre encostadas ao poder.

E uma pessoa não pode apostar uma década em alguém e a coisa desfazer-se em pouco tempo.

Sol31Jan14

Sol, 31 de Janeiro de 2014

 

A ânsia de poder de certas pessoas parece cegá-las para o facto de a sua credibilidade não depender deste ou aquele parecer mais ou menos manhoso.

Passa por não se apresentarem perante os outros como lapas agarradas a toda e qualquer forma de poder que lhes passa perto das mãos.

Pub24Jan14

Público, 24 de Janeiro de 2014

Machete

Na revista do Público de hoje.

Publica29Set13Publica29Set13b

Um Rui Machete na “gestão sã e prudente” de cinco bancos concorrentes

 

Rui Machete acumulava 31 cargos nas mais variadas entidades até ser indicado como ministro dos Negócios Estrangeiros. Cessou funções na véspera de tomar posse, a 24 de julho. Era presidente das assembleias gerais do BPI, BCP, grupo de seguros Ageas, SAER – Sociedade de Avaliação de Empresas e risco, EDP renováveis e era presidente dos conselhos fiscais do BCP investimento, Taguspark e membro do conselho consultivo da Comissão Nacional de Luta contra a Sida e do conselho geral da Fundação Mário Soares.

 

… e porque pregaram o actual PM ao cargo até que dele desfaleça aos bocados, porque o PR parece ainda mais espantalhado do que o costume e porque, satisfeitos os apetites de Portas e do CDS dos interesses& economias, o governo pode fazer a maior das merdas que continuará em funções até que a morte nos separe…

BES fecha semestre com prejuízos históricos de 237 milhões

Entretanto, caro colegas profes, preparem-se para descobrir que fomos mandados de regresso às casernas com uma mão cheia de nada e outra com milhares de DACL.

Gente cuja passagem pelos meandros do poder tornou apetecível para funcionarem como ambiciosos testas de ferro de grupos estrangeiros que os usam como gazuas

Contrato polémico do BPN leva BIC a exigir ao Estado cerca de 100 milhões

O governo agendou para as 20 horas uma conferência para explicar como parte dos seus (anteriores, actuais) membros,  dos seus apoios na banca e diversos especialistas e consultores de escritórios de advogados amigos, produziram um buraco financeiro só ultrapassado pelo do BPN, o qual, por sua vez, foi produzido em grande parte por alguns dos membros do governo do actual PR. Tudo com a conivência, pelo caminho, dos governantes do outro grande partido do arco da governação.

Aguardam-se as medidas de diminuição das prestações sociais e de contenção salarial essenciais para cobrir mais este buraco.

uroboros

E sem contar com o BPN:

Em 2012, o Estado injetou 4.500 milhões de euros no BCP e no BPI para os recapitalizar, e, já este ano, 1.100 milhões no Banif, no qual ficará como acionista maioritário, pelo menos, até junho. O Estado investiu ainda 1.650 milhões de euros na CGD, neste caso enquanto seu único acionista.

Somando os valores que o Estado já decidiu injetar no Banif, BCP e BPI, no total, ao abrigo da linha da troika (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), já foram gastos 5.600 milhões de euros no sistema financeiro português, a que se soma o valor investido na CGD.

Mas os ulricos ainda têm o desplante de…

Página seguinte »