O Mundo Está Parvo


Escolas de gestão vão formar autarcas

Presidentes de câmara e vereadores têm agora novas ferramentas para melhor aproveitarem os fundos comunitários. O programa de formação vai desde uma componente mais clássica, em universidades, ao estímulo da “aprendizagem entre pares”.

A Porto Business School e a Nova Business School (de Lisboa) são as duas instituições académicas que participam no programa Capacitar, sexta-feira à tarde apresentado em Coimbra, que visa promover “o desenvolvimento  económico e social local”. Oito ou nove dias será a duração dos cursos de “capacitação avançada de líderes”, em turmas a rondar os 25 elementos, a ministrar em cada uma das universidades.

Sou daqueles tempos de antanho em que se acreditava que a verdade acaba sempre por se saber e que as mentiras têm a perna curta e acabam sempre por tropeçar em si mesmas.

Dito isto, tenho algum desprezo pelos queixinhas que, não sendo capazes de demonstrar a sua razão, vão a correr chamar os matulões em sua defesa para intimidar o resto dos colegas que brincam no recreio.

Por matulões, pode entender-se a IGEC ou os Tribunais, que assim perdem o seu tempo com idiotices.

E um tipo ainda tem de testemunhar…

Tivesse eu mau feitio e não fosse a alma santa que sou e também lhe mandava polícia para a porta da escola.

Mas não consigo ser assim tão parvo.

 

mas a meio da ponte.

Quais medievos de riste em lança!

 

Narciso acusado de se apropriar de 17 mil euros e de iPhone

O ex-autarca, que vai a julgamento, terá criado negócio fictício para tirar dinheiro da associação a que presidia. Terá ainda participado à PSP o furto de um telemóvel para ter outro mais moderno, diz o MP.

Isto vai para lá do obsceno.

O homem não ensandeceu, apenas absorve as ideias estúpidas de alguns cortesãos e depois faz de papagaio e sente que isso é ser inteligente.

“É caro e ineficiente” manter todos os serviços abertos no interior

Primeiro-ministro também deu conta da criação de campeonatos entre autarquias para receber fundos comunitários.

(…)

“Uma espécie de campeonato de municípios e de comunidades intermunicipais para poder absorver esses fundos. Não podemos pôr municípios de menor dimensão a competir com municípios de grande dimensão. Castelo de Paiva não pode competir com o município do Porto, evidentemente, mas por essa razão estamos a apontar para dois ou três campeonatos que sejam relativamente homogéneos para que os municípios possam competir por esses fundos”, explicou o primeiro-ministro.

Iavé admite ter errado, mesmo sem admitir ter errado.

Responsável por exames admite problema em prova de Português

O Instituto de Avaliação Educativa acaba de reconhecer que a resposta indicada como correta numa das perguntas do exame de Português do 12.º ano não é consensual. E vai aceitar uma segunda resposta possível.

(…)

O Instituto de Avaliação Educativa considera, no entanto, que a pergunta tem de ser vista no contexto do texto em que se insere e que a resposta correta é mesmo a que sugeriu, correspondendo a uma interpretação “validada pelos especialistas em Linguística que colaboram com a equipa responsável pela elaboração da prova”. “Tendo sido novamente consultados, os mesmos especialistas reiteraram os pareceres dados”, reforça o IAVE. Só que a opinião não é consensual.

Sabem onde podem colocar, respeitosamente, a maioria dos “especialistas” que o Iavé recruta na base do amigo-que-conhece-o-amigo, não sabem?

Há uns anos, havia um lote de “especialistas” que – vá-se lá saber porquê – eram quase todos da mesma escola aqui das bandas desérticas.

 

Iavé estava pior do que estragado com a Criação, pelo que decidiu desentropiar a cena. Vai daí, fez um «puff».

“Vai o Tanas!”, resmungou Janasiu, acabadinho de chegar com um camelo novo.

“Sobra sempre p’ra mim!”, esganifou o Tanas, “mais um camelo para tosquiar? Peçam ao Lucicrato, já que lhe deram asas!”.

Lá em baixo, mais abaixo ainda, os Farinientes do Templo concordaram e atribuíram essa culpa a um certo Fafe que ainda não estava escrito que não era dos Fafes de Alpiarça.

“Calou, pessoal!”, pufou Iavé, “determinei que será Lucicrato a apresentar-vos as Tábuas da Ordem, todas impressas em 3D!”.

E ele veio, pairou como naqueles filmes em que a malta  se diverte com os efeitos especiais, com molas chinesas nas narinas – por causa dos pufes –  e chiou: “Eis as tábuas!”.

Fartote de rir, as tábuas eram rasas!

E mais uma vez Iavé foi grande. Grande e único.

Página seguinte »