O Acordo


 

Três…

 

que os sindicatos setraiquebecam. Diz que são da coreia do norte… e mais.

Iniciativa da Ana Mendes da Silva:

.

Ex.mo Senhor Ministro da Educação e Ciência

No âmbito da implementação do AO, os …………… da Escola Secundária ………….. abaixo assinados, vêm por este meio chamar a atenção de V. Exa para os seguintes pontos:

  1. 1.   Neste momento, coexistem em Portugal três grafias: a pré AO1990 (cf. Manual de Português de 10ª ano, Plural, da Raiz Editores), a do AO1990 e uma a que chamaremos “mista” em que se utilizam concomitante e indistintamente as duas grafias referidas anteriormente, de acordo com “critérios” próprios (por exemplo, o jornal Correio da Manhã que, utilizando o AO desde 1 de Janeiro de 2013, continua a grafar “pára”);
  2. 2.   O facto de Angola, Moçambique e agora o Brasil não terem implementado o AO1990, situação que deixa os utilizadores do Português de Portugal praticamente isolados no contexto da CPLP;
  3. 3.    A multiplicação de testemunhos que dão conta da grave perturbação a nível da escrita e da compreensão e análise de textos redigidos com o AO 1990 (exemplos: para/pára; tomamos/tomámos):
  4. 4.   A multiplicação de tomadas de posição a rejeitar a utilização do AO1990 (CCB, SPA, entre muitos outros).

Tendo em conta o acima exposto, e por forma a NÃO prejudicar o superior interesse dos alunos nem fazer deles cobaias em experimentações de duvidoso valor científico e pedagógico, vimos requerer a suspensão da entrada obrigatória do AO nos exames nacionais  no ano lectivo de 2014/15.

Escola/Agrupamento………….,… de ………… de 2013

Gratos pela atenção dispensada, os ……………..:

Nome                                                                                              BI/CC

Caríssimos,

Mais informações!

Vem a propósito das “miragens” de “internacionalização da língua portuguesa”, o concreto e real testemunho apresentado nesse texto que saiu no “Público” hoje, 28/10/2012, com o título: “O Acordo Ortográfico e a tradução para português”, de Paula Blank, já publicado na ILC:

http://ilcao.cedilha.net/?p=7949#comments

Aproveito para  mandar também um artigo (muito bom!) do “Jornal de Angola”, já posto na ILC:
Não resisto a copiar o meu comentário a este texto, que também já figura na ILC:
 Excelente texto este do “Jornal de Angola”! A atestar que o português euro-afro-asiático está amplamente consolidado e de perfeita saúde. E com aquelas “bassulas” a testemunhar da sua capacidade de acolher a diversidade regional que só o enriquece.

Este texto mostra também que não foram em vão as iniciativas e posições assumidas pelo PEN Clube Português e pelo PEN Internacional. Porque é o respeito pelo direito dos povos à sua língua que este AO90 viola, o que não se coaduna com a defesa dos direitos humanos apregoada pela CPLP.Resta saber por quanto tempo ainda vai o nosso MEC continuar a impor o AO90 nas nossas escolas, visivelmente ao arrepio da lógica mais elementar!…

Este outro artigo, do mesmo jornal, prova também que as iniciativas do PEN Clube Português não caíram em saco roto!
.
Abraço,
  Maria José

Professor apresenta queixa para desvincular Portugal do Acordo Ortográfico

O professor da Faculdade de Direito de Lisboa, Ivo Miguel Barroso, defende que a Assembleia da República deve aprovar uma norma que desvincule o Estado português do Acordo Ortográfico (AO) em vigor.

  • Não tendo o governo angolano adoptado ainda o dito Acordo como lei inabalável, o que se vai passar com a documentação de boa parte da banca privada a operar em Portugal?
  • Tendo sido parte significativa do nosso sector energético (assim como uma parcela interessante das frutarias da grande Lisboa) nacionalizada pela República Popular da China, não será prudente incluir o mandarim na oferta curricular do Ensino Básico?

letivo
setembro
receção
ação
ativo

Começou o desvario! Até de olhar dói, quanto mais escrever! Aqui no blogue continuarei anacrónico. Na escola, sou obrigado a cumprir o coiso. Parece que não posso invocar o estatuto de objector de consciência.

Página seguinte »