Magnet Schools


Por acaso e ao contrário do que se pode fazer crer, a maioria das charter e magnet schools são direccionadas para os grupos sociais economicamente mais desfavorecidos ou para as minorias étnicas e não para grupos privilegiados. Por lá, o sector puramente privado da Educação não se encosta ao Estado como cá.

E a ideia é atenuar desigualdades, não agravá-las ou dar almofadas financeiras a quem já está em situação mais favorecida.

Estes quadros são retirados do relatório linkado em post mais abaixo.

The Forgotten Choice?

Rethinking Magnet Schools in a Changing Landscape –
A Report to Magnet Schools of America

Magnet schools are the largest set of choice-based schools in the nation and today enroll twice as many students as the rapidly growing charter school sector. The intent of magnet schools was to use incentives rather than coercion to create desegregation. Magnet schools, then, represent a compromise between individualism (choosing one’s school) and achieving community goals (diversity). Magnet schools were originally designed to incorporate strong civil rights protections (such as good parent information/outreach, explicit desegregation goals, and free transportation) and most were designed not to have selective admissions processes. This differs from more recent schools of choice that have been designed without these mechanisms. Today, in the aftermath of federal court decisions limiting race-conscious efforts by school districts, magnets comprise a diverse set of schools serving a variety of functions. Many have lost their desegregation mechanisms, which, as we will show, have made a difference in their racial diversity.

Uma forma diferente de autonomia da que é decretada e que se usa por cá.

What is a Magnet School?

A Magnet school is part of the public school system. Usually students are zoned into their schools based on location. Students mostly go to the school which they are closest to (this may not always be true since boundaries can seem arbitrary). With Magnet schools, the public school system has created schools that exist outside of zoned school boundaries. The point of them is that they usually have something special to offer over a regular school which makes attending them an attractive choice to many students, thereby increasing the diversity of the student population within them (in theory).

Magnet schools are different from private or parochial schools in that they remain part of the public school system. They differ from Charter schools in that they remain part of the public school system bureaucratically. Charter Schools have a different organizational model (i.e. they have a charter that releases them from the regular school administration). Magnet schools operate under the same public school administration (they don’t operate on their own).

Distinguishing them from other public schools, Magnet schools usually have alternative or otherwise compelling modes of instruction. For example, you might find a Montessori Magnet school. A school doesn’t have to be a Magnet school to be a Montessori School. There are also public schools that aren’t Magnet schools which still offer fine academic experiences. Magnet schools differ from other public schools in that they receive additional funding to enable them to spend more money on their students, supplies, teachers, programs, etc.

No Expresso de ontem (p. 22):

  • A escola mais pequena do país, sobre a escola do 1º ciclo de Vila Fernando, por Isabel Leiria.

Na Público de hoje (pp. 20-21):

  • Liberdade para escolher uma escola vai inspirar-se nos EUA e Reino Unido, de Clara Viana com comentário de Bárbara Wong sobre as magnet schools.

… porque eu não gosto apenas de guardar os pdf e as ligações ou de consultar o Google Books. Vai daí e nasceu mais uma pilha, bem fornida, de livrinhos de que estes são apenas uma amostra.

Porque convém tentar perceber as coisas – na falta de viagens patrocinadas pela FLAD – antes de falar muito delas.

Algo que está muito para além das autonomias decretadas.

Magnet schools are elementary and secondary theme-based public schools of choice.

Magnet schools plan and develop programs using local, state, and federal funds, specifically the federal Magnet Schools Assistance Program (MSAP). (…) The goal is to provide students with a valuable educational and personal experience, prepare them to function in a diverse society, and assist districts to eliminate, reduce or prevent long-standing patterns of racial isolation. Magnet schools serve as models for school improvement and “turnaround schools” for students in low-performing schools, and provide students an opportunity to succeed academically while learning in a racially diverse environment. [1]


[1] Robert Brooks e Doreen Marvin (2011), HISD Comprehensive Magnet Program Review. Materiais: http://www.magnet.edu/modules/info/related_articles_and_resources.html

Indo em busca das origens. Há 25 anos.

Já não é muito novo, mas tens os fundamentos. E mais me convenço que a alternativa é tanto mais eficaz enquanto é alternativa (continuamente renovada) e não pretende ser regra.

17,5% de alunos assumem pertencer a um gangue

Mais de 17% de jovens entre os 12 e os 18 anos, estudantes em Lisboa e Porto, assumem que pertencem a gangues, enquanto 92% conseguem esconder dos pais e autoridades o tráfico de droga em que se envolvem. As conclusões são de um estudo da Escola de Criminologia do Porto.

O inquérito envolveu 2898 estudantes de 21 escolas da Área Metropolitana do Porto e 28 da de Lisboa, onde existem as maiores taxas de delinquência juvenil. Os números ainda são recentes e carecem de uma análise mais profunda, mas as conclusões merecem reflexão.

___________________________________________________________________

Quanto ao Objectos anterior – ainda não houve consenso. Aguardo, pois, um pouco mais.

Mais do que um modelo alternativo de gestão financeira e administrativa – que é o ênfase das charter schools – as magnet schools (afloradas num artigo de Bárbara Wong hoje no Público de que não tenho link) representam uma abordagem diferente da gestão pedagógica. Na sua origem, nos EUA, tiveram também importantes preocupações ao nível da integração de minorias, mas são na actualidade, principalmente, projectos pedagógicos dirigidos para um perfil específico de estudante, podendo apostar no desenvolvimento de um currículo centrado numa dada área do conhecimento e/ou na excelência do desempenho dos seus alunos.

É um modelo que, mais do que autonomia administrativa, implica uma enorme autonomia pedagógica não apenas nas metodologias, mas principalemnte na definição dos currículos.

Pelas suas características, têm um recrutamento de alunos que não obedece a regras de tipo geográfico e, para além disso, são muitas as que evoluíram para um sistema muito competitivo de admissões. O que significa que deixaram tanto de ser uma experiência destinada à integração para serem um nicho mais vocacionado para a excelência.

Estão mais próximas de uma escola profissional de topo do que de uma qualquer escola pública ou privada portuguesa que siga o currículo geral.

Para saber mais:

What is a Magnet School?

Magnet Schools of America