Lóbis


Existem mecanismos de accountability na imprensa dita de referência relativamente aos disparates factuais escritos pelos seus cronistas pagos?

Ou funciona tudo como se fossem blogues pessoais ou de grupo ao serviço de uma agenda política, em que vale tudo para provar um ponto errado e meramente ditado por questões ideológicas ou azedumes particulares?

Não estou a falar de questões de opinião, mas de factos usados de forma enviesada, paternalista, preguiçosa e profundamente preconceituosa.

Ocorrem-me (pelo menos) dois nomes e ocorre-me um jornal espesso que sai aos fins de semana.

(e não, não me refiro às crónicas de Leonel Moura, como esta, no Jornal de Negócios)

Em declarações à agência Lusa, a presidente da APP, Edviges Ferreira, afirmou que “é de lamentar as declarações do secretário de Estado [da Cultura], e também que entre os governantes não haja acordo”.

A responsável recordou que “saiu uma portaria do Ministério da Educação, segundo a qual os professores são obrigados a aplicar o novo Acordo Ortográfico a partir do ano lectivo 2011/12, a decorrer”.

Que nunca alguém pense em corrigir coisas menos bem feitas, só porque saiu uma porcaria, desculpem, portaria qualquer em DR!

Pedro Santos Guerreiro no Jornal de Negócios quando quer e sabe do que escreve… é cirúrgico:

O albergue espanhol

António Nogueira Leite não vai sentir falta de escrever para o blogue “Albergue Espanhol”. Porque acaba de entrar num. A administração da Caixa é uma combinação, explosiva e imprudente, de cabeças de cartaz.

A nomeação da administração da CGD é muitas vezes o teste do ácido de um governo estreante. Para medir a sua partidarização. Para contar os “boys”. Neste caso, isso é até o menos. O mais é a falta de experiência e os conflitos de interesses.

Eu não.

reorganise local governments and the provision of central administration services at local level;

Seja em que versão ou língua for. Não acredito que exista um Governo capaz de agregar 10% ou mesmo 5% dos municípios existente. e muito menos até 2013.

Nem com o FMI como bicho-papão atrás. Porque se há grupo de pressão bem forte em quase todos os partidos (excepção ao Bloco e ao CDS) é o dos autarcas e derivados. E porque é a esse nível que se começa a cozinhar muita coisa.

Assim é que é: um jovem com prospectivas de carreira.

Encontrado no Corta-Fitas, graças a uma indicação da Ana Silva.

Libya: Oil Industry Group Opposes Obama’s Sanctions