Literacia


 

outro problema, o jornalês

 

E é esta a mentalidade dominante entre as “elites de sucesso”…

Os portugueses com mais habilitações e mais dinheiro são também os menos solidários, revela um estudo sobre literacia social, a ser divulgado na quinta-feira e cujos dados são “preocupantes” no entender do autor.

“São resultados preocupantes, a própria comunidade científica e académica que acompanhou o estudo manifestou essa preocupação. Há uma correlação negativa entre pessoas com elevados rendimentos e a preocupação para com a solidariedade”, disse à Lusa o autor do trabalho, Lourenço Xavier de Carvalho.

O estudo, realizado com o apoio da União Europeia, da Universidade Católica e do Instituto Luso-Ilírio para o Desenvolvimento Humano, é apresentado numa conferência internacional sobre literacia social, na quinta-feira, no Palácio de Mafra.

Nele se conclui, nomeadamente, que “os que mais têm materialmente são os menos disponíveis, quer para ajudar os outros, quer para lutar por uma causa justa”, o que cria “um problema estrutural de democracia”, porque “os que mais instrução têm são os mais propensos a ocupar lugares de liderança”.

Há demasiada gente a precisar de aprender a ler e a entender o que está escrito em frases manhosas. O que vem no guião do Portas é:

GuiaoEdu7

A ver se nos entendemos: o que é da propriedade e gestão dos professores é o “projecto”. Depois contratualizam o serviço e o uso das instalações…

No que difere isto de um contrato de autonomia? Na prática em muito pouco para os professores. Isto é o que já fazem quando uma escola tem um projecto educativo feito como deve ser, em diálogo interno.

Mas pode significar muito para outros que usem grupos de professores para entrar na exploração dos equipamentos da rede escolar pública!

E reparem no uso do convidar para o procedimento concursal…

IMG_2570

Why All Students Should Write: A Neurological Explanation For Literacy

… do atraso que foi preciso ultrapassar e porque os borginhos e ramirílios sem memória e com desconhecimento profundo da História dificilmente entendem a realidade com que estão a lidar para além de retratos momentâneos encomendados.

São muito sincrónicos e estruturalistas, mas muito fraquinhos em diacronia e muito pouco evolutivos.

Retirado daqui: The growth of literacy in historic perspective: clarifying the role of formal schooling and adult learning opportunities.

Historians of literacy in the early twentieth century, using primarily available census data show relative continuity in literacy levels from the mid-nineteenth century as discussed at greater length in the second section of this paper. While all countries progressed, their order remained unchanged (Johansson in Graff, 1987, Vincent, 2000). Central and Northern Europe were reported to have achieved over 95 percent literacy; Western Europe, over 80 percent; Austria and Hungary, over 70% (major growth); Spain, Italy and Poland, over 50 percent; and Portugal and orthodox Catholic countries, only around 25 percent. While countries were putting public education systems in place and some form of ‘modernizing’ development was occurring, the more disadvantaged countries were joining the mainstream of higher literacy levels. But, as discussed, there is no evidence that disparities in living, wealth, productive or inequality by region, age, sex, class or ethnic background were being seriously reduced.
According to Johansson and Graff, Southern and Eastern Europe was 80 percent literate by 1950 with the exception of Portugal, the Mediterranean islands and Albania (with a rate of about 50%). Although literacy levels were rising, no major social and economic change took place. Poor people and poor nations as well as poor regions within nations remained (and remain) poor.

Página seguinte »