Key For Schools


Fica aqui o documento: Perg Projeto Key for Schools Portugal.

 

runiões intercalares já amanhã!

 

17 de Abril:

Estão inscritos 120 mil alunos para a estreia do teste de Cambridge. Mas nem todos quiseram pagar para ter o diploma.

.

De acordo com o números facultados ao Expresso pelo diretor do IAVE, Hélder Sousa, um terço dos alunos do 9º ano não quiseram até agora pagar pelo certificado. Há ainda 13% de estudantes abaixo do 9º ano que se inscreveram e 21% de níveis de ensino acima que o fizeram.

25 de Julho:

Apenas 20% dos alunos do 9.º ano pediram o certificado de Cambridge

(…)

Dos cerca de 102 mil alunos que realizaram o teste, 92% frequentavam o 9.º ano. Dos restantes 8%, 3%  dos alunos frequentavam o 2.º e 3.º ciclos e 5% o Ensino Secundário.

O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) revela ao EDUCARE.PT que tendo sido dada a oportunidade a todos os alunos do 9.º ano de obterem o certificado assinado pela Cambridge, apenas 20% fizeram esse pedido.

O senhor Iavé é muito mau em contas… não admira que fizesse mal as contas aos classificadores… e depois dissesse que a culpa era dos professores.

Em Abril havia 120.000 inscritos, dos quais (ao que parece) 34% de anos que não o 9º… sobravam 66% de 120.000, ou seja… perto de 80.000.

Desses, um terço não tinha pago o certificado… ou seja, uns 24.000, sejamos generosos, uns 25.000, mas sempre seriam uns 66,6% dos alunos do 9º ano, a acreditar na palavra do sehorn Iavé.

Comparem com os números dados actualmente, mesmo descontando a malta que decidiu não fazer o teste.

Fica aqui o excerto da entrevista ao Expresso em que o senhor Iavé disse o que disse:

Exp12Abr14c

É a baralhada total.

Já sei… vai dizer que se inscreveram mas não pagaram, mas a pergunta era explicitamente sobre quantos tinham pago.

Que não se enganou, muito menos que mentiu…

Pois… isso… ou então é apenas… the dark side of simple arithmetics…

Desta vez, Iavé até culpa Cambridge pelas falhas.

Notas do teste de Inglês do 9.º ano não foram divulgadas para todos os alunos

O IAVE confirmou que há problemas pontuais com a divulgação dos resultados do exame. Diz que esses problemas têm “diferentes origens” e estão a ser tratados.

 

Por cortesia da A.C., fica aqui: Exec_Sum_KfS2014-1.

Gosto, em especial, dos longos agradecimentos e da gralha exactamente num dos termos em inglês.

Os resultados aconselhariam ou uma consolidação da aplicação deste teste (medida mais fácil) ou uma intervenção a sério na disciplina desde o 1º ciclo, sem demagogias e oportunismos (medida mais difícil). Ou as duas coisas em conjunto, pela ordem inversa da aqui exposta.

Mas, ao que parece, já estava decidido que se avançaria para outros níveis dos testes. Fossem quais fossem os resultados, as opções políticas estavam tomadas.

Como de costume, um erro que em vez de aperfeiçoar a coisa, vai prolongar o atamancanço.

O mais divertido é que, apesar de resultados claramente baixos, se afirma que estão criadas as condições para avançar para um novo patamar.

A verdade é que a decisão já estava tomada, fossem quais fossem os resultados, bons, maus ou assim-assim.

É só laugh and walk away…

Em bom português… bullshit.

Segundo os dados fornecidos pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), 47,2% dos alunos ficaram “abaixo do nível de referência para o teste em apreço”, que foi obrigatório para os alunos do 9.º ano.

Destes cerca de 47% dos alunos do 9.º ano que têm dificuldade na disciplina – que não alcançaram os objectivos, que estão em níveis que podem ser considerados negativos -,  24,3% estão mesmo no nível mais baixo da escala – o Pré A1 – e 22,9% no imediatamente a seguir, o A1.

Nos dois patamares seguintes estão os restantes alunos do 9.º ano: 31,6% estão no nível A2, o que significa que têm conhecimentos equivalentes ao 7º ano e apenas 21,1% tem, de facto, conhecimentos B1, isto é, próprios do seu grau de ensino, o 9.º ano.

Assimetrias regionais
Na parte de leitura, cerca de 50% dos alunos tiveram um desempenho fraco. 16% estão no nível a seguir e apenas 10% tiveram um resultado bom. O nível excepcional fica-se em 24%. No que respeita a escrita e compreensão do que se ouve, 47% dos alunos são fracos, 17% estão no degrau a seguir (chama-se Borderline) e só 7% tiveram bom. 29% dos alunos são excepcionais a escrever e a perceber o que escutam.

Na componente oral (speaking), o nível Borderline – o segundo mais baixo – é aquele com mais peso: 48%. No nível fraco estão 26%, a mesma percentagem que somam, juntos, os bons e os excepcionais.

Quanto a regiões do país, os melhores resultados pertencem à área da Grande Lisboa e os mais fracos à zona do Tâmega e do Douro. Depois da Grande Lisboa, nos primeiros lugares, segue-se o Baixo Mondego, o Grande Porto e a Península de Setúbal. O Baixo e o Alto Alentejo, a Beira Interior Norte ou Alto-Trás-os-Montes ou a área do Pinhal Interior, surgem, entre outros, nos últimos lugares da tabela.

Teste para o ano
Nas conclusões, o IAV considera que “estão criadas condições para a aplicação, desejavelmente no próximo ano lectivo, do teste PET − Preliminary English Test for Schools”, ou seja, o nível a seguir. Recomenda-se ainda a “definição e aplicação de medidas de apoio pedagógico específicas para os alunos cujos resultados se situaram, no teste Key for Schools, nos níveis Pré-A1 e A1”, os patamares mais baixos. “Em termos futuros, deve equacionar-se, desde já, uma evolução da certificação da proficiência linguística que possa criar as condições para uma aplicação bem-sucedida do teste FCE for Schools (First Certificate of English) para os alunos do sistema de ensino português, no final da escolaridade obrigatória”, lê-se ainda.

Recorde-se que os resultados deste teste de diagnóstico foram adiados e apenas conhecidos nesta sexta-feira, por falta de professores avaliadores.

Raios… já tinha isto aqui há uns dias e fui-me esquecendo de divulgar a sedução do IAVE sobre os professores de Inglês, ao que parece com a colaboração da APPI que, pelo menos, reencaminha a coisa:

IAveCambridge

IAveCambridge1

... os professores voluntários não foram suficientes, nem suficientemente voluntários. E ele ainda acha que tem o direito de – embora tendo as pretensões de “autonomia” – considerar que tem jurisdição para lançar postas de pescada sobre o desempenho profissional dos professores e a utilização do seu tempo.

Ao senhor Iavé – houvesse ministro da Educação em Portugal que não se entediasse com o desempenho das suas obrigações – não valeriam o ar british e a pretensão de superioridade ética e intelectual que pavoneia pelas suas cercanias e já teria ido para o olho da rua, que certamente seria bem acolhido em outras paragens mais autónomas ainda.

O senhor Iavé, apesar de autónomo, deveria entender a extensão das suas funções e o decoro que se exige às declarações que faz sobre os outros. Fosse eu professor ainda classificador e ele ficaria a brincar sozinho com os testes made in Cambridge.

Não se trata de limitar a liberdade de expressão, mas apenas de lhe explicar que se gosta de achincalhar terceiros por não fazerem o que ele quer, deve estar preparado para receber em troca o equivalente tratamento por isso mesmo.

O senhor Iavé é mal educado. Porque não é mal educado apenas o bruto que diz palavrões ou grosserias explícitas, mas também o senhor bem apessoado, com elegante botões nos punhos de renda, que trata sem educação quem não conhece e faz juízos de valor sobre a sua ética profissional.

Se os outros têm deveres, ele também os tem, a começar por alguma reserva como se expressa em público. Repito… fosse eu professor de Inglês e já teria tentado perceber porque a APPI anda um bocado em rodopio nesta matéria, com posições que de firmes me parecem cada vez mais sinuosas.

Já se percebeu que para o ano a coisa vai ser obrigatória, porque assim o senhor Iavé obrigará o MEC a decretar porque o senhor Iavé é aquele a quem todos devem obedecer, mesmo quando é ele que se espalha ao comprido, como aconteceu neste caso ao contar com o trabalho alehio para fazer floreados.

Tomara que ele tivesse tanta preocupação com a qualidade das classificações de testes, provas finais e exames e não existisse apenas pressa em que as coisas sejam despachadas.

E: O atraso na divulgação das notas deve-se à pouca colaboração dos professores afetos à correção? Ou há outros fatores que explicam o não cumprimento da data inicialmente fixada?
HS:
Cerca de 50% dos professores que intervieram no processo de classificação da componente escrita tiveram uma participação inferior ao esperado, na prática inferior a cerca de cinco horas de trabalho efetivo.

E: No email que o IAVE enviou às escolas, destacava-se a “elevadíssima qualidade técnica” dos professores que corrigiram as provas e revelava-se que dos 1100 docentes envolvidos no processo apenas 400 tinham cumprido. O que se passou?
HS:
Apenas pouco mais de 450 professores dos 1091 certificados estiveram envolvidos de forma regular no processo e classificaram um número de itens considerado adequado ao expectável. As razões do não envolvimento dos demais desconhecemos.

Vale a pena salientar que se entende por participação esperada cerca de 10 a 12 horas de trabalho ao longo de 10 dias úteis (cerca de 1 hora por dia). Se todos os professores classificadores tivessem tido um nível de participação como o referido, a classificação da parte escrita teria sido concluída no dia 23 de maio, como previsto, e não apenas no passado dia 10 de junho.

E: É grave, na opinião do IAVE, haver professores que não corrigiram as provas de Inglês no prazo estipulado?
HS:
As respostas às questões anteriores são esclarecedoras. O teste era de realização obrigatória e os professores são os únicos técnicos habilitados a classificar provas de avaliação de alunos.

Exmos. Senhores Diretores de Escola/Agrupamento de Escolas

Exmos. Senhores Presidentes de CAP

Por solicitação do Senhor Presidente do Conselho Diretivo do IAVE, cumpre-me transmitir a informação infra:

“Caro(a) Diretor(a)

Estando a decorrer o processo de classificação da componente escrita do teste Key for Schools, processo que deverá estar terminado impreterivelmente até ao dia 15 de junho, constata-se que a participação dos professores certificados para o efeito e que integram o grupo de professores classificadores é profundamente desigual. Dos cerca de 1100 professores envolvidos no processo apenas cerca de 400 têm cumprido com regularidade e elevado sentido de responsabilidade as funções de classificação. Aliás, acresce, também com elevadíssima qualidade técnica, situação que cumpre enaltecer.

Num quadro de participação equitativa, estima-se que a classificação fique concluída na data indicada se diariamente cada professor dedicar apenas cerca de 20 minutos às tarefas de classificação. Porém, no contexto atual, a sobrecarga de trabalho que recai sobre os que têm assegurado a classificação será da ordem de 1 hora diária, situação que traduz uma evidente falta de equidade e que deixa transparecer falta de responsabilidade por parte dos classificadores que se têm mantido ausentes do processo, ou cuja participação tem sido pontual e sem expressão quantitativa, tendo em conta o número total e itens a classificar.

Por essa razão foi ontem enviado a todos os classificadores uma mensagem, diferenciada conforme o nível de participação, apelando, nuns casos à manutenção da sua colaboração e, noutros casos, a uma participação ativa no processo, também pelo respeito e essencial princípio de dever de solidariedade profissional dos ausentes face aos colegas que integram o grupo dos cerca de 400 classificadores acima referido.

Damos por este meio conhecimento da situação a todos os diretores, apelando para o seu envolvimento ativo na mobilização dos docentes das suas escolas certificados para a classificação (General Marking – GM) nesta ponta final do processo de classificação.

Relembramos que os professores classificadores tem acesso a formação gratuita e de elevada valia técnica pelo facto de terem aceite participar neste projeto, o que para as escolas onde lecionam, pela sua valorização profissional específica e pelos benefícios que daí poderão advir para as alunos, num futuro próximo, constitui também uma mais-valia que deve ser acarinhada.

No entanto, como não podemos pactuar com a situação de desigual envolvimento atrás referida, não sendo justificável premiá-la igual modo, este Instituto irá avaliar no final do processo o nível de participação dos classificadores, pelo que o acesso ao programa de formação atrás referido será concedido desde que cumpridos critérios mínimos de participação no processo de classificação, os quais terão como referência períodos de classificação concordantes com as dispensas previstas na alínea a) do n.º 2 do art.º 2.º do Despacho n.º 4168-B/2014, de 19 de março.

O Conselho Diretivo do IAVE”

Com os melhores cumprimentos,

José Alberto Moreira Duarte

Diretor-Geral dos Estabelecimentos Escolares

Exemplo de mensagem diferenciada de ontem:

Verificámos que ainda não deu início ao trabalho de classificação de itens (General Marking), na plataforma BIM.

Considerando que o processo de classificação deverá decorrer com a maior brevidade, dado que terá de ficar concluído até dia 15 de junho, contamos com a sua participação. Recordamos que, de acordo com o Artigo n.º 3 do Despacho n.º 4168-B/2014, de 19 de março, a classificação de itens é um dos deveres dos professores classificadores e que as tarefas a desenvolver correspondem às vinte horas a que respeita a dispensa da componente não letiva prevista na alínea a) do ponto 2 do Artigo 2.º desse Despacho.

Relembramos que ao garantir a tarefa de classificação, assegura o direito de usufruir do previsto no Art.º 4.º do Despacho referido, nomeadamente «acesso gratuito ao programa de formação a distância promovido pela Cambridge English Language Assessment, da Universidade de Cambridge, que inclui a frequência dos módulos 1, 2 e 3 que conferem a possibilidade de realização do Teaching Knowledge Test», que se traduzirá numa mais-valia para os docentes, para os alunos e, claro, para todo o sistema educativo.

Certos da sua colaboração, agradecemos, desde já, a sua disponibilidade para a tarefa de GM.

Com os melhores cumprimentos,

A especialidade do IAVÉ… atirar as culpas para os professores… nunca assumir as suas falhas ou responsabilizar-se pelo mau planeamento da coisa…

“Ao contrário do inicialmente previsto, o IAVE vem comunicar que a divulgação de resultados do teste Key for Schools dos alunos a frequentar o 9.º ano de escolaridade não poderá realizar-se no próximo dia 4 de junho”, quarta-feira, avançou hoje o Instituto de Avaliação Educativa em comunicado, sem adiantar outra data para a publicação das notas.

Segundo o IAVE, o atraso deve-se à fraca adesão dos professores, já que só 800 dos 1200 que fizeram a formação para classificar as provas “têm estado efetivamente envolvidos no processo”, justifica o instituto. A participação é voluntária e não remunerada.

Palavras de elogio só para os que aceitaram trabalhar para aquecer as falanges…

 

Com um leque de respostas muito limitado. Aqui.

… mas a leitura permanece interessante. Até porque em relação aos lucros, desmentem-se os cálculos exagerados do DN mas mão se apresentam dados concretos sobre o encaixe que eu calculo em cerca de 1 milhão de euros.

Comunicado: KfS_Comunicado_IAVE_0605-1.

Resta saber que continuidade vai ter, para que serve exactamente o experiment e órráite, pagueite de certifiqueite and donte bufeite.

camarinha2

… o que está regulamentado não corresponde ao que se passa em muitas escolas. As coisas deveriam ser feitas com algum rigor e respeito por alunos e professores. em vez disso, o objectivo parece ser a venda de certificados num teste que apresentará belos níveis de sucesso porque é o equivalente a pedir a alunos do 9º ano que façam uma prova final de 6º ano…

(e vai ser giro Sócrates e MAria de Lurdes Rodrigues a reclamarem a paternidade de tal sucesso… com alguma aparente  razão…  mas escassa cronologia)

Tudo poderia ser bem feito, não fosse a pressa para apresentar serviço a tempo de ser explorado em termos eleitorais.

IAVE1IAVE2

Comunicação de hoje:

DE
 
DGEstE – Secretariado
ASSUNTO
 
Teste Key for Schools  – Conteúdos
 
Exmos. Senhores Diretores de Escola/Agrupamento de Escolas
Exmos. Senhores Presidentes de CAP
 
Por solicitação do Senhor Presidente do Conselho Diretivo do IAVE, junto se divulga a informação infra:
“Encontra-se disponível na Extranet do IAVE informação relativa à aplicação do teste Key for Schools, no dia 30 de abril (Conteúdos – Key for Schools – NOVO | Informação suplementar 28 de abril).
 
Os diretores dos estabelecimentos de ensino, a partir da informação relativa aos agendamentos das sessões de Speaking divulgada pela DGEstE, devem assegurar que os professores do seu estabelecimento de ensino são devidamente informados das sessões que devem realizar noutras escolas, uma vez que é este o canal de comunicação institucional que irá ser mantido doravante.”
 
Com os melhores cumprimentos,
 
José Alberto Moreira Duarte
Diretor-Geral dos Estabelecimentos Escolares
.

Mail recebido hoje de um@ colega, de que publico uma adaptação com a sua principal questão:

Boa tarde, sou docente de Inglês do 3º ciclo e não fui voluntári@ para corrigir a prova no âmbito do projeto Key for Schools.
Posteriormente fui convocad@ para fazer uma ação de formação no dia 11 de abril. Faltei a esta ação, porque foi a escola que indicou o meu nome. Agora recebo uma convocatória para ir fazer orais quando não fiz formação .
Gostava de saber se existem pessoas com o mesmo problema.

Acresce a tudo isto que há escolas em que as sessões do Speaking estão por marcar e outras a que chegam “examinadores” um bocado às cascas

… as regras para a vigilância do teste/exame made in Cambridge.

Por isso, vou apenas dizer que são um monumento enorme – mais um – de desconfiança em relação ao trabalho dos professores. Da autoria do IAVÉ-autónomo ou emprestado algures. Não sei. Apenas que não há finitude para a idiotice.

Por muito que eu admita que há gente que deveria estar em casa, sem discussões e sem reduções salariais, que só ganharíamos com isso, continuo maravilhado com a enorme capacidade de qualquer burrocrata produzir guiões acerca da forma como os professores se devem comportar e, inclusivamente, mover durante a realização do raio da prova.

Mas desde que houve alguém que numa escola proibiu os saltos altos em dias de exame, já estou preparado para tudo…

Não é só obrigar as pessoas a serem voluntárias. É também o facto de, sendo consideradas voluntárias, só o IAVE ter o direito a cessar essa ligação.

Agradecendo ao A. Leite o alerta.

Key for1Key for2

Caro Paulo Guinote,
.
Envio a carta do IAVE instando-me para ser classificadora de exames Key for schools. Peço-lhe que a  divulgue considerando que o governo:
.
– faz negociatas com Bancos como o BPI e cujo lucro dos certificados pagos pelos alunos, conforme foi divulgado por responsáveis do ministério da educação (num encontro realizado na Maia a que fui instada a ir a troco de 11 cêntimos por km), reverte a favor da Fundação Bissaya Barreto. 
.
A que propósito será esta fundação beneficiada?
.
– os professores “examiners” de institutos como a International House são pagos a 30 € a hora de correção enquanto que os professores do 9º ano que foram instados a serem classificadores recebem custas das viagens a 11 cêntimos, o km. Está justíssimo!
.
– O exame terá início em março – abril e a formação decorre a 11 de fevereiro, perfeitamente a tempo para se ajustarem todos os mecanismos para tal exame que irá desdobrar-se em três partes distintas e com um alto grau de complexidade. Não há problema… um professor de Braga pode ir a Viana do Castelo, é mesmo ali ao lado, a 63 km de distância, sem se saber se terá viatura, tempo ou até transporte público (dificilmente o comboio, que neste caso serão dois) chegará às 9 e meia em ponto!
.
– Devem supor que é uma honra para um professor ser “instado” a comparecer! Pode até haver temporal…but who cares?
.
Obrigada colega
Cara….
O Key for Schools Portugal é um projeto que tem como principal objetivo a aplicação nos estabelecimentos de ensino de um teste de língua inglesa concebido pelo Cambridge English Language Assessment, entidade da Universidade de Cambridge responsável pelo desenvolvimento de instrumentos de avaliação no domínio da língua inglesa.

O IAVE, I. P., é o organismo que irá assegurar a gestão do respetivo processo, garantindo o rigor e a fiabilidade da sua aplicação e da sua classificação.

Para este projeto contamos com a colaboração de cerca de 1000 professores/as de Inglês, que irão assegurar o processo de classificação dos testes e a aplicação da componente oral dos mesmos.

Estes/as professores/as classificadores/as serão acompanhados/as por cerca de 50 supervisores/as ou Team Leaders, que tiveram formação específica orientada por uma equipa do Cambridge English for Schools.

Cada Team Leader irá acompanhar no terreno um grupo de classificadores/as (Examiners), transmitindo a formação recebida e acompanhando durante o processo de classificação dos testes.

Temos o gosto de lhe comunicar que foi escolhido/a para ser Examiner, no âmbito do Key for Schools Portugal.

Assim, indicamos em seguida a informação referente à ação de formação em que irá participar.

Turma: 15

Nome do/a Formador/a: Maria Manuela Soares da Costa

Local da Formação: Escola Secundária de Monserrate

Morada da Escola: Av. do Atlântico 4904-860 Monserrate

Telefone da Escola: 258801800

Data da Formação: 11 de fevereiro de 2014

Horário da Formação: 9h30 – 17h30

Mais informamos:

1. Foi autorizada, pelo Senhor Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, a dispensa da componente letiva e não letiva no período em que decorre a formação. Esta informação encontra-se disponível para as direções das escolas na Extranet do IAVE.

2. Para pagamento de eventuais despesas de deslocação, de acordo com a legislação em vigor, deverá:

– Preencher o boletim itinerário mensal e juntar os originais de todos os recibos

– Enviar por correio, ao Conselho Diretivo do IAVE, no prazo de 15 dias após a realização das tarefas, sendo estas reportadas ao mês em que foram efetuadas.

Antecipadamente gratos pela sua colaboração, enviamos os melhores cumprimentos.