Já Vale Tudo


 

Relvas «faz parte da história» do partido e Marcelo pode ser «tudo o que quiser» – Marco António

 

Será que este Marco António sabe de História?

Digo Feio, na TVI24, incapaz de conter o ar de felicidade por ser um dos novos vives de Portas também foi incapaz de conter a expressão do pensamento de que o CDS é que Governo o país.

À tarde, Passos Coelho deve ir prestar homenagem aos corajosos governantes do CDS que arrancaram, praticamente sozinhos, o país ao caos do “socialismo”.

Isto parece a Foz News.

Mesmo se o ministro desconfia da qualidade dos cursos… e dos licenciados e mestres que de lá saem. Mas só dos que formam professores. O resto é tudo do melhor e mais bom do que há, aqui e além-mar.

Mas o que interessa é enganar a malta.

Quanto a este pedido de demissão, tende calma amigos, está tudo controlado. O ministro a partir de agora delegará em alguém de confiança a conversa sobre o ensino politécnico.

Exp21Dez13

Expresso, 21 de Dezembro de 2013

E depois ainda anda o Daniel Oliveira a justificar-se por ter andado a saltar do Secundário para um mestrado na Lusófona (tudo legal e em defesa da Escola Pública!).

… o que interessa é despachar os horários-zero que diziam não existir.

—–Mensagem Original—– From: dgae.mec@dgae.mec.pt
Sent: Friday, October 18, 2013 5:36 PM Subject: PLANO CASA

Exmº(a) Senhor(a) Diretor(a) / Presidente de CAP,

Com vista à abertura de convite à manifestação de interesse por parte de pessoal docente de carreira para o exercício de funções em Lares de Infância e Juventude (LIS) no âmbito do “PLANO CASA”, solicita-se a V. Exa. que proceda à a publicitação do AVISO e da respetiva Lista de Estabelecimentos constantes em anexo.

Com os melhores cumprimentos,

Mário Agostinho Alves Pereira
Diretor-Geral da Administração Escolar

Anexos:

PLANO CASA – Aviso, PLANO CASA_LISTA DE ESTABELECIMENTOS

8 de Outubro:

PSP garante segurança de protesto da CGTP onde quer que ele se realize

9 de Outubro:

PSP deu parecer negativo. Solução para resolver o impasse está nas mãos do ministro da Administração Interna.

Boa jogada da CGTP pois, realize-se ou não, com muita ou pouca gente, o happening já está a ter o seu momento alto.

Precisa-se de Professor/a de Matemática/Ciências com conhecimentos em F.Química e Geografia (m/f)

(…)

Centro de Estudos situado em Canedo, Santa Maria da Feira, procura Professor/a de Matemática/Ciências, com conhecimentos em F.Química e Geografia, para apoio em sala de estudo/explicações desde o 1º ao 3º ciclo

PRETENDE-SE:
- Habilitações Literárias mínimo Licenciatura
- Experiência em funções similares
- Domínio dos conteúdos curriculares
- Estratégias de estudo organizadas e adaptadas
- Responsabilidade, Dinamismo e Pontualidade
- Gosto e motivação para trabalhar com crianças

Professor de línguas com carta TCC (transporte coletivo de crianças)

(…)

Anúncio:

Precisa-se professor/a de línguas com carta de transporte coletivo de crianças, para part-time. Condição obrigatória residir na Trofa ou arredores.

Enviar CV para

… porque não existe qualquer grupo de recrutamento específico para esse ciclo de escolaridade. Mas isto é um detalhe “técnico” e, obviamente, uma provocação.

Em seguida, e não tomando partido por esta ou aquela solução, a partir do momento em que se deixou que o vínculo passasse a ser em relação aos “agrupamentos”, os professores perderam um local de trabalho fixo, ao contrário do que os críticos da enorme estabilidade dos docentes afirmam.

Por fim, há que assumi-lo com frontalidade, há opções a fazer e nem sempre são as melhores mas é importante que, como professores e encarregados de educação, decidamos o que queremos fazer com os professores dos “quadros de agrupamento”.

Pessoalmente acho que esta é uma solução criticável e há outras melhores, mas… acreditam que este Governo vai aceitar outras que lhes cheire a menos poupanças?

Professores do Secundário nas AEC das escolas Básicas

Porto, 15 de março de 2013

Que pensa da, recentemente extinta, lei nº 11/2008 que estabelecia que a partir de 2009-01-01, só podiam ser deferidos os requerimentos de aposentação antecipada dos subscritores que reunissem, pelo menos, 55 anos de idade e que, à data em que perfizessem essa idade, tivessem completado, pelo menos, 30 anos de serviço?

Acha-a justa? Constitucionalmente correta?

Eu considero-a uma aberração.

Sou professora. Vou fazer 62 anos de idade e 37 anos de serviço, mas aos 55 anos de idade faltavam-me 6 dias para ter os exigidos 30 anos de serviço, porque o meu aniversário é em setembro e comecei a trabalhar no dia 1 de outubro. Assim, o pedido de reforma antecipada que fiz em Dez. de 2011 foi indeferido.

Em Dezembro passado foram feitos milhares de pedidos de aposentação com base naquela lei, pois ninguém quer estar a “morrer aos bocadinhos” na escola, à espera dos 65 anos. Eu vou assistir à debandada geral dos colegas da minha geração e de outros muito mais novos (incluindo uma irmã) e não posso ir com eles.

Será isto correto? Sou eu que estou a ver mal a situação? Será que é mesmo mais importante as pessoas terem já 30 anos de serviço completos aos 55 anos de idade do que terem mais idade, mais tempo de serviço e mais tempo de descontos para o estado?

A. J.

… a vida é feita de incertezas, portanto entra quem aparecer e foi mais jeitos@?

Tem componente profissional, mas também é para limpar o espaço, enfim para fazer tudo… aceitam-se licenciados porque andam baratinhos.

Estágio Profissional – Passaporte Emprego (Medidas Impulso Jovem)

(…)

A quem se destina?

* Licenciados(as), preferencialmente em Hotelaria e Turismo
* Inscritos(as) no Centro de Emprego, como desempregados(as)

ou à procura do primeiro emprego
* Com idades compreendidas entre os 18 e os 25 anos

Quais as características que pretendemos?

* Dinamismo
* Pro-actividade
* Responsabilidade

Em que consiste a função?

* Controlo de Stock
* Limpeza e manutenção do espaço
* Serviço de mesas e balcão
* Recepção de encomendas
* Apoio à gestão de eventos
* Outras necessidades administrativas

O que oferecemos?

* Estágio de 12 meses, com uma componente de formação profissional, ao abrigo das Medidas Impulso Jovem.

 

Majoração Matrimonia​l???

Posso prometer que só não cantarei.

… ficam os que sobram.

Fernando Ruas remete para “local próprio” resposta a um eventual convite para integrar governo

Congresso dos autarcas termina em discórdia

Com base nos números relativos aos docentes dos quadros no final do ano lectivo de 2010/2011 podemos agora fazer uns cálculos interessantes:

Será que temos (se tivermos em conta as aposentações) quase 15% de professores a mais nos quadros, para além dos contratados? É isso? Tudo junto, quase 50.000 (certamente mais de 40.000 por este andar…) educadores e professores a mais? Não haverá nenhuma anomalia nisto tudo?

Diretores e professores não acreditam no ministro da Educação

Se estão (quase) todos na tal união da comunidade educativa que se quer reunir com o ministro, para quando uma posição de forma quanto ao (não) arranque no ano lectivo. Receio que o Albino roa a corda?

Portugueses desviam para a solidariedade 6,5 milhões do IRS

Mais do que duplicou num ano o valor que os portugueses doaram para a solidariedade social através da consignação do IRS.

Donativos do IRS dos portugueses não foram entregues às instituições

Instituições de solidariedade social queixam-se de ainda não terem recebido as verbas doadas pelos portugueses na declaração do IRS relativa a 2010, valor que consideram fundamental para continuar os seus projetos de apoio à população.

“Recebemos uma carta a dizer que tinha sido deferido o nosso pedido de consignação fiscal mas, até à data, ainda não tivemos o valor de IRS de 2010. Estamos a tentar ter justificação para esta situação, que nos está a preocupar”, explicou a presidente da Liga Portuguesa Contra a Sida (LPCS).

O diploma vem, aparentemente, sistematizar qualquer coisa, mas a verdade é que não passa de uma coisa legislativa sem ponta por onde se lhe agarrar, apenas um pouco menos palavrosa do que uma valtice, mas igualmente vazia de substância porque os critérios que define são vagos, não parametrizados e deixam toda a margem para a subjectividade.

Embora assinado pelo SE Casanova de Almeida, este despacho é a rendição de Nuno Crato à lógica concentracionária das escolas em unidades de gestão desumanizadas, centralizadas e que, a médio prazo, se tornarão ingovernáveis com um mínimo de qualidade.

Mas, de qualquer modo, a verdade é que esse é um dos últimos critério exigido para a constituição de hiper-megas. Verdade seja dita, admite-se que a eficiência e eficácia só não é o que menos conta, porque a dimensão equilibrada e racional (não quantificada em número de alunos ou área geográfica abrangida) é o que menos conta.

1.2 — A constituição de agrupamentos de escolas obedece, designadamente, aos seguintes critérios:
a) Construção de percursos escolares coerentes e integrados;
b) Articulação curricular entre níveis e ciclos educativos;
c) Eficácia e eficiência da gestão dos recursos humanos, pedagógicos e materiais;
d) Proximidade geográfica;
e) Dimensão equilibrada e racional.

E depois há esta passagem, memorável, porque vai permitir descobrir que autarquias são como as melancias, mas ao contrário, ou então as rosadas que só querem é dinheirinho, que ao resto assinam de cruz.

1.4 — O agrupamento integra escolas e estabelecimentos de educação pré -escolar de um mesmo concelho, salvo em casos devidamente justificados e mediante parecer favorável das câmaras municipais envolvidas.

Quanto ao regime de excepção, é uma ficção na prática (perante casos conhecidos em contrário, certamente voluntários…) e uma imposição informal transmitida oralmente aos respectivos directores em vários pontos do país (os novos TEIP estão a sair mais caros do que o previsto).

2 — Regime de exceção:
2.1 — Depende da sua iniciativa a integração em agrupamento das seguintes escolas:
a) Integradas nos territórios educativos de intervenção prioritária;
b) Profissionais públicas;
c) De ensino artístico;
d) Cujo projeto educativo preveja a prestação de serviços educativos permanentes em estabelecimentos prisionais;
e) Com contrato de autonomia.

Por fim, é bonito que o actual Governo admita que apenas segue as pisadas do antecessor, a cujas políticas se conformou e vergou:

3.1 — No âmbito da reorganização e consolidação da rede escolar do ensino público em curso, o Ministério da Educação e Ciência concluirá, até final do ano escolar de 2012 -2013, o processo de agregação de escolas e a consequente constituição de agrupamentos, devendo considerar-se como reportadas àquele ano escolar as referências ao ano letivo de 2010 -2011 constantes na Resolução do Conselho de Ministros n.º 44/2010, de 14 de junho, e na Portaria n.º 1181/2010, de 16 de novembro.

A minha leitura deste despacho é que se pretendia um diploma do tipo guarda-chuva que permitisse dar a aparência de legalidade a tudo o que venha a ser decidido, seja com que critérios forem, visto que os que estão formulados, sem qualquer tipo de balizas, não servem para quem quer que seja apontar uma ilegalidade. Resta a questão do parecer favorável das câmaras, mas a essas o ministro relvas vai apertando os tintins quando é necessário, prometendo maior ou menor rigor e atenção às contas.

Isto pode passar por racionalização dos recursos, mas é uma racionalização de vistas curtas, com os faróis mínimos, incapaz de perceber a degradação do serviço público de Educação que acarreta, incluindo a redução da liberdade de escolha que antes existia em alguns concelhos. A menos que se espere o nascimento ou florescimento de propostas privadas com dimensões equilibradas e racionais, a prestar um serviço de alguma qualidade com o Estado a pagar valores médios por aluno confortáveis e definidos para 14 meses de salário dos professores e funcionários.

Candidatos do PS e do PSD ao Tribunal Constitucional são da maçonaria

(…)

A escolha destes dois maçons – os nomes reuniram o consenso de socialistas e sociais-democratas – surge poucos meses depois da controvérsia originada pelo PSD relativamente à maçonaria. Em Outubro do ano passado, num relatório sobre as alegadas fugas de informações e escutas a um jornalista, envolvendo os serviços secretos, o PSD designou a maçonaria como um “grupo de pressão”, “influente”, que, naqueles casos, “afectava a credibilidade” das secretas.

 

O Governo está a equacionar dar uma garantia estatal de cerca de 3 mil milhões de euros de empréstimos do setor privado para cobrir a necessidade de prestar garantias adicionais ao Banco Europeu de Investimento (BEI).

E já sabem, se for preciso qualquer coisinha, podem sempre ir cortando um salário de quem trabalha para o Estado, sorteado entre os meses que têm apenas 30 dias.

Uma espécie de Robin Hood, mas ao contrário. Tirar aos fracos para dar aos fortes.

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 835 outros seguidores