Já Não Há Heróis!


Ó VAROUFAKIS, GOSTAR DE VIVER É UM ESCÂNDALO

Antes era o cachecol, agora é a cara-metade com dois palmos de cara (e três de anca e perna) e um terraço com menos de 20 metros quadrados a avaliar pela foto…

Rai’s parta que o homem não pode ter nada…

  • 31 de Outubro:

PS promete reposição integral dos salários da Função Pública em 2016

  • 12 de Novembro:

Costa não garante reposição imediata dos salários da função pública

É o que ele diz e eu percebo. Não há direito que, após tanta impunidade, agora aconteça uma coisa destas e ainda seja preciso andar a fazer recursos e arrastar a coisa mais uns anos.

Já quanto a Sá Fernandes – o único vulto capaz de fazer frente a Marinho Pinto em matéria de disparatanço pseudo-justicialista – consegue desacreditar cada causa dele que até pode ser justa com este hábito de ir a todas.

Eu sei que os advogados dizem que todos têm direito à sua defesa, mas de tanto defender robalos, ficamos sem saber se em outros casos não anda apenas armado em carapau de corrida.

É a auto-censura. A cedência às conveniências. O evitar de conflitos incómodos para garantir futuras vantagens. O auto-silenciamento é mais seguro, mais confortável e está muito bem de saúde.

Mas ainda não me apetece.

Is Anybody Listening to Teachers?

(…)

School districts need to support their teachers instead of trying to manage what we do. Ultimately, we all want the same thing—for our students to get the time and attention they need to be successful. That goal is very personal for teachers. We see our students every day; we know what their strengths and weaknesses are and what they want for themselves. They are not just numbers to us, they are our children.

When fall comes, the teachers in my district will be forced to work harder than ever before. They will do so because to fail would hurt our students; that isn’t an option for any teacher I know. But I believe that as teachers work harder our voices must grow louder. We need to help the public become more aware of what teachers do both in and out of the classroom and how important that work is to our schools and to the students within them.

After my experience this year, I think it is essential for all teachers to remember that even when we are ignored, we must never allow ourselves to be silenced. We are not just speaking out for ourselves, but for those who rely on us.

A sugestão de leitura é da A. C. mas veio mesmo a calhar… mesmo a calhar… em tantos sentidos.

 

… só me falta uma certificação que não custe 1000 euros como se passa com esta pós-graduação de 4 singelos créditos para progredir em direcção a nenhures:

Pós-Graduação em Mediação de Conflitos em Contexto Escolar

Quando vejo estas coisas, a modéstia desaparece-me logo toda das veias.

É útil, eu sei, para muito boa gente… e tanto mais para quem nem deveria andar pelas escolas. Sempre é uma hipótese para aprenderem o que nunca quiseram.

 

Relvas «faz parte da história» do partido e Marcelo pode ser «tudo o que quiser» – Marco António

 

Será que este Marco António sabe de História?

Mesmo se o ministro desconfia da qualidade dos cursos… e dos licenciados e mestres que de lá saem. Mas só dos que formam professores. O resto é tudo do melhor e mais bom do que há, aqui e além-mar.

Mas o que interessa é enganar a malta.

Quanto a este pedido de demissão, tende calma amigos, está tudo controlado. O ministro a partir de agora delegará em alguém de confiança a conversa sobre o ensino politécnico.

Exp21Dez13

Expresso, 21 de Dezembro de 2013

E depois ainda anda o Daniel Oliveira a justificar-se por ter andado a saltar do Secundário para um mestrado na Lusófona (tudo legal e em defesa da Escola Pública!).

… é uma aliança com um dinossauro das Caldas!

O social-democrata Fernando Costa, eleito vereador pela coligaçãoLoures Sabe Mudar, disse nesta segunda-feira que vai assumir o pelouro dos Serviços Jurídicos no executivo municipal liderado pelo antigo líder parlamentar do PCP, depois de ter sido estabelecido “um acordo de princípio” com a CDU. Nas eleições de 29 de Setembro, a coligação PCP-PEV elegeu cinco vereadores, o PS quatro e o PSD dois.

“Há muitos pontos em comum nos dois programas autárquicos e isso facilitou o acordo. Tanto a coligação Loures Sabe Mudar como a CDU defendem uma gestão mais rigorosa e uma redução dos impostos municipais”, justificou o vereador Fernando Costa. O rigor nas contas municipais foi, de resto, a prioridade apontada pelo novo presidente da câmara, Bernardino Soares, no discurso de tomada de posse, na semana passada.

Da coligação Loures Sabe Mudar, que integrou, além do PSD, o Movimento Partido da Terra e o Partido Popular Monárquico, irá também assumir pelouros o vereador social-democrata Nuno Botelho, que ficará com as áreas do Turismo, Polícia Municipal, coordenação do Contrato Local de Segurança e serviços do veterinário municipal.

Esta tarde ainda havia quem dissesse que a coisa era quase informal, qualquer coisa pela Assembleia Municipal e não se fala muito nisso.

Não, é uma aliança formal com distribuição de poder efectivo. E é bom que se note com quem.

A norte, a uma outra escala, também se encontram afinidades…