Isto É Um Suponhamos…


Uma actividade é mais importante se ficar bem num relatório ou se tiver interesse (lúdico, didáctico) para @s alun@s?

Consta que humedeceu o indicador e o colocou do lado de fora da janela de Belém…

Cavaco Silva prevê crescimento de 2% em 2015

Otimista, mais do que o governo ou a OCDE, o Presidente da República elogia políticas da maioria.

Agora imaginemos que ele decidia meter-se na política partidária e em questões com repercussão na campanha eleitoral.

A primeira versão das informações sobre a prova específica para professores de Física e Química que o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) divulgou este mês, com exemplos de questões, destinada aos docentes que vão fazer a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC), continha erros e imprecisões, pelo que teve de ser substituída. A denúncia foi feita no blogue Aventar e confirmada ao PÚBLICO pelo antigo coordenador da divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física. O Conselho Directivo do IAVE limitou-se a responder ao PÚBLICO que “a informação-prova disponível é aquela que o Iave reconhece como válida”.

A mim interessa residualmente quem é que grafa menos bem. Porque só alguém muito distraído é que acreditaria que a igreja do santo iavé é frequentada apenas por grafadores imaculados. Algo que até se consegue com qualquer corrector ortográfico, não necessitando o escriba de estar ao nível de um aluno examinado do 4º ou 6º ano, bastando-lhe ser quase alfabeto

O póbrema a sério é se algum dia o Iavé tiver a coragem de revelar quem são os seus “especialistas” e ainda descobrimos certas coincidências e desconformidades em matéria de ética aplicada ao coiso público e privado.

Eu não sei de nada, em concreto, pois tudo o que escrevo é em abstracto e em tese hipotética do tipo suponhamos só para efeitos de especulação e contribuição construtiva para evitar que alguém, inadvertidamente, ande a explicar para o que ajudou a fazer.

Fiquemo-nos assim e evitamos processos e notas explicativas.

Porque nem sei se assinam contratos publicitários de exclusividade com a igreja.

É uma questão de liberdade de escolha.

Pagar ou não pagar.

A mim, por exemplo, custa-me pensar que nem que seja um infinitésimo de cêntimo dos meus impostos vá para o Marco António ou o Menezes Jr. comprarem gel fixador.

Ou isso conta apenas quando se é aluno e cura-se quando se passa a professor?

Resta saber se o exemplo é real ou apenas colhido em alguns dos assessores do desgoverno para certas matérias.

“Não faz sentido que um professor dê 20 erros ortográficos numa frase”, diz Crato

É que ouvi, há pouco, na TSF, que o Alexis é engenheiro civil.

Imaginemos que dona Felismina da Purificação Sarzedas deixava na sala uma carteira repleta de notas de 50 euros (se fosse uma Frau seriam de 500), fechando a dita sala à chave apenas com o senhor Salcedo Benevides Mão Leve lá dentro e as janelas devidamente trancadas.

Ao voltar, encontra a carteira limpinha, limpinha, enquanto o Salcedo se escapa pela porta.

Não tendo apanhado o dito cujo em flagrante, com duas testemunhas com depoimento assinado em papel selado e lambido, Salcedo poderá sempre dizer que tudo é circunstancial e que a gravação do acto do surripianço colhido por uma câmara oculta não é admissível, pois a sua imagem foi registada sem disso ter conhecimento e a tal ter dado consentimento.

Página seguinte »