(In)Disciplina


Há uma situação, dentro ou fora de portas da aula, que infringe claramente as regras básicas da convivência em espaço escolar? Participa-se a ocorrência o mais depressa possível em documento apropriado e dá-se a conhecer ao DT ou órgão de gestão de forma concisa e objectiva.

Sendo-se DT e sendo a ocorrência grave, encaminha-se para o órgão de gestão, sugerindo a abertura de procedimento disciplinar. Se é por acumulação de “amarelos”/participações, o procedimento automático está previsto na lei e não carece de se andar a bater a nenhuma porta, pedindo autorização ou sugestões.

O órgão de gestão, defendendo a sã convivência em espaço escolar, dará naturalmente encaminhamento ao que lhe chega, tudo se desenvolverá a contento e sem necessidade de muita conversa em redor. As penas de carácter disciplinar devem ser usadas de acordo com o bom senso, mas igualmente seguindo a necessidade de manter o respeito por todos.

No caso de EE malcriados e que servem de exemplo (mau) aos seus educandos, pode sempre apontar-se o caminho da esquadra mais próxima, pois a parte das comissões de tal e coiso é para esperar deitado de tanta freguesia.

Claro que há excepções a estas regras muito básicas, mas são isso mesmo, excepções.

O latim gasto em redor disto tudo pode ser radicalmente reduzido e a energia gasta em queixumes encaminhada para coisas mais úteis.

Muita coisa também depende apenas de nós.

E isto é escrito por um tipo que só manda um@ alun@ sair da sala quando está mesmo a chatear os colegas para além do razoável.

 

Uma novidade, um blog dedicado especificamente às questões ligadas á indisciplina:

ComRegras…

Muito ficou por debater, por contraditar, por partilhar, por concordar.

Um modelo de formação muito dinâmico em que o João Lima é exímio.

SONY DSCSONY DSCSONY DSC

IMG_9475

Aqui.

IMG_9475

Mais informações aqui.

Vai ser menos de 24 horas depois da outra… Mas estas iniciativas do João Lima são especiais.

Laboratório de Ideias para a Sala de Aula

LabEdu

Concordo, há uns bons anos, com uma parte razoável do diagnóstico do Gabriel, mas discordo de diversas das suas soluções e acho que ele começa a ter um discurso muito teórico…

Indisciplina nas escolas: os sete pecados mortais

Eu depois desenvolvo, mas gostaria desde já de deixar referidas as três instâncias fundamentais para que a questão da indisciplina não se torne inultrapassável e nem sequer vou falar da “sociedade” e dos factores económicos.

Em primeiro lugar, o MEC deve fazer um enquadramento jurídico global e não atrapalhar. Dispenso, enquanto professor, declarações retóricas que depois são desmentidas por regulamentações hiper-burocratizadas para lidar com a indisciplina.

Em segundo, ao nível das direcções, deve existir a sensibilidade e o bom senso para não se retirar o tapete aos professores que estão no terreno, nas salas e nos corredores, quando se trata de dar despacho e andamento aos processos disciplinares.

Em terceiro, é fundamental que os Conselhos de Turma se tornem coerentes (não quer dizer que todos os elementos façam o mesmo) e solidários, em vez de se assistir ao desenvolvimento de estratégias atomizadas de sobrevivência.

Página seguinte »