Grelhas


Chegou-me preenchida, pelo que tive de andar a fazer alterações e a transformar em imagens, para evitar chatices à fonte:

Recebi umas baterias de materiais novinhos em folha para grelhar docentes, embora com todo o ar de terem sido recuperados do que foi preparado para o ciclo de ADD anterior e que, porventura, não tiveram todo o uso que tinha sido desejado pelos seus autores. Afinal, fico sem perceber o que mudou, o que foi simplificado, o que apodreceu, o que se manteve, o que é mais do mesmo. Confesso, a vidinha venceu a larga maioria. Os tipos sabem-na bem e os outros só querem reuniões para parecer que merecem o lugar.

Que isto vai rebentar, eu sei que vai. o problema é que os rebentamentos vão ser individuais, locais, graduais. A multidão foi serenada e acordar foi adormecer. Agora o torpor que se instalou irá estalar, mas da pior maneira, em virtude das invejas, da mesquinhez, mais do que do desejo de justiça. Infelizmente. O rebentamento foi afastado das ruas, vai ser nas salas de professores. Dá menos nas vistas, transborda menos para os olhares. É letal na mesma, mas é como aquelas minhas à moda antiga. Estropia, mata, mas ao longe, quase ali ao lado, não se nota nata.

Mas desde que à mesa se sentem os do costume, no seu remanso, com águinha na garrafa e sorriso na fivela, tudo escorrerá pelo esgoto sem danos de maior a quem tem posições a defender.

Eliminei referências à escola, obviamente… Documento completo: IR-RA.

Para além dos contactos pessoais, vão-me também chegando documentos de diversas origens, desde os famosos requerimentos para se pedir a avaliação a notificações para os incumpridores dos prazos se justificarem, não esquecendo uma nova geração de grelhas.

Em seguida deixo um modelo de grelhas de 3ª geração, no qual o hábil grelhador conseguir incluir no ponto 3 de forma pouco disfarçada, como factor de avaliação, os resultados dos alunos.

Anexo: objectivosindividuaisesajan09.

No mesmo dia em que se votava a possível suspensão deste modelo de avaliação na Assembleia da República, o ME faz publicar mais um despacho a alterar as regras da famosas grelhas.

Escolas estão a complicar involuntariamente processo de avaliação

O secretário de Estado Adjunto e da Educação afirmou esta quarta-feira que algumas escolas estão a complicar involuntariamente o processo de avaliação de desempenho, devido à necessidade que sentem de fundamentar ao máximo as notas que vão atribuir.

“Há uma ilusão de objectivismo que se introduziu em algumas escolas que leva à complexização excessiva, desnecessária e desadequada do processo. Nesse sentido, a missão do Ministério da Educação é ajudar as escolas a fazer bem e a simplificar”, afirmou Jorge Pedreira, durante um debate na Assembleia da República sobre o Orçamento de Estado do sector para 2009.

À saída do debate, o secretário de Estado acrescentou que esta situação é provocada pelo facto de as escolas quererem “justificar ao máximo a distinção dos professores, com a maior objectividade possível e a maior fundamentação possível”.

“Para justificar isso produzem uma quantidade de papéis e têm discussões intermináveis sobre indicadores que naturalmente pesam sobretudo no trabalho dos professores”, afirmou.

A culpa tinha mesmo que ser das escolas. Esta proposta de grelhas do ME, publicada em Diário da República é uma mistificação destinada a lançar o caos nas escolas e certamente transmitida por sms.

« Página anteriorPágina seguinte »