Futurologia Retrospectiva


Consta que humedeceu o indicador e o colocou do lado de fora da janela de Belém…

Cavaco Silva prevê crescimento de 2% em 2015

Otimista, mais do que o governo ou a OCDE, o Presidente da República elogia políticas da maioria.

Agora imaginemos que ele decidia meter-se na política partidária e em questões com repercussão na campanha eleitoral.

Anúncios

Eu consultaria uma taróloga ou qualquer adivinhadora que tenha espaço matinal num canal generalista. Será que a senhora DGAE, enquanto directora, saberia fazer isto, sem uma assinalável margem de erro?

De: dgae.mec@dgae.mec.pt [mailto:dgae.mec@dgae.mec.pt]
Enviada: 26 de janeiro de 2015 14:13
Assunto: Aplicação de Apuramento de Vagas 2015/2016

Exmo.(a) Sr.(a) Diretor(a),

Com vista à realização dos concursos previstos no n.º 3 do art.º 4.º do Decreto-Lei n.º 83-A/2014, de 23 de maio, e n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, na redação conferida pelo Decreto-Lei n.º 83-A/2014, de 23 de maio, retificado pela Declaração de Retificação n.º36/2014, de 22 de julho encontra-se disponível no SIGRHE, na área das escolas, o separador “Concurso Nacional 2015/2016 > Apuramento de Vagas 2015/2016”, com vista a recolha de dados para apuramento de necessidades permanentes. Nessa medida, solicitamos a V. Ex.ª o preenchimento da aplicação impreterivelmente até 30 de janeiro (Número de Alunos e Apuramento de Vagas).

Com os melhores cumprimentos,
Maria Luisa Oliveira
Diretora-Geral da Administração Escolar

Anexo: Nota Informativa 26_01_2015 – VAGAS.

A estratégia do actual desgoverno é já bastante clara, até porque se as eleições estiverem lixadas não haverá mais tempo para fazer a obra.

A ideia é vingar o PREC, tirar completo desforço de todos aqueles que se considera terem sido beneficiados ali por meados dos anos 70 e em alguns momentos posteriores e reconduzir Portugal a uma situação de penúria ou pelintrice a fazer lembrar os tempos saudosos em que só alguns podiam gabar-se de ser “algo” e em que eram ainda mais fácil distinguirem-se da arraia-miúda.

Em termos de serviços públicos começa a verificar-se uma degradação assinalável em virtude do desinvestimento financeiro, da não actualização de alguns meios técnicos (excepto no caso do fisco) e da activa hostilização dos meios humanos para que se afastem ou aceitem a precarização e proletarização sem grandes protestos.

Se sempre foi esse o plano e apenas andámos algum tempo enganados?

É possível (há malta que tanto grita fogo que, de quando em vez até acerta), mas também é possível que a coisa se tenha descontrolado com um excesso de hubris do séquito de Passos Coelho, daquele relvettes e borginhos muito liberais que querem um Estado magro desde que lhes paguem para serem gestores públicos e poderem desmembrar e privatizar as empresas que poderiam ser lucrativas no sector público ou desde que os contratem como consultores de coisa nenhuma.

Já assistimos a isto na Inglaterra dos anos 80 com a mamã espiritual destes rodriguinhos e insurgentes afins de economia de algibeira, a firme e hirta Margareta. Recuperar daqueles danos foi complicado e nunca foi conseguido por completo. E por cá é o que se pretende.

Com um PS entalado entre o complexo de ser “responsável” e a deriva socrática, que tarda em apresentar alternativas ou em ir além da crítica contra aquilo que iniciou, o país precisaria de uma “terceira via”, de uma alternativa à esquerda, que não fosse aprisionada pelos egos imensos de gente que precisa ser vizir em lugar de qualquer vizir e ter uma plataforma ou movimento em que esteja na fila da frente, fazendo lembrar uma velha passagem de A Vida de Brian.

Mas voltemos ao início… o anti-PREC acelerou muito para além de qualquer troika e este ano de 2015 – apesar de todas as cortinas de fumo da propaganda – será o ano da demolição do que foi sendo construído durante as últimas décadas e está a ser feito de um modo que pretende ser mais ou menos irreversível.

Os danos na Segurança Social, no funcionamento da Educação e da Saúde já são bem evidentes, mas o pior, mesmo o pior, ainda está reservado para este ano, com a cumplicidade de grande parte de um poder local que acede a tudo em troca de um envelope financeiro.

Para quem possa achar que o pior já passou, eu diria que o pior está ainda para vir, porque há menos de nove meses para concluir o que terá sido pensado para dois mandatos.

… quando, em pleno Inverno, alguém previr sempre que vai estar um dia frio.

Como vai acertar muitas vezes, é capaz de passar por especialista em meteorologia, pelo menos lá em casa. É como prever um dia seco no Sahara.

Entre nós, em política e educação (já nem falo em economia) há imensa gente assim, que arrisca imenso em terreno seguro a mesma resposta, sempre. Basta acertarem um par de vezes para desatarem a apontar o dedo a quem não acertou nesses casos específicos.

Vai ser um ano de mentiras a decuplicar, sendo que os últimos já foram de aldrabice aos terabytes.

A situação vai dizer que salvou o país do abismo e que agora o perigo está afastado se os mantiverem por lá. É mentira, porque eles ainda querem fazer pior do que já fizeram e nem sequer o escondem entre eles. O CDS faz de corno manso nesta estórinha, aparecendo a dar a entender que se preocupa muito com as famílias e os cidadãos e os aposentados, mas, no fundo, apenas querem garantir a alapagem ao poder e arquivamentos a condizer.

A oposição que se pretende alternativa governamental vai dizer parte do que disse acima, acrescentando que tem um caminho diferente e um destino muito mais aprazível, mas também é mentira porque eles nem conseguem alinhavar três parágrafos coerentes sobre uma forma (concreta) diferente de governar. Entre romarias a Évora e piscadelas aos trânsfugas do Bloco, resta um enorme vazio de verdadeira alternativa, apenas estando em discussão se a porta para o futuro negro vai ser pintada em azul-anil ou azul-cobalto.

A oposição que se pretende alternativa mesmo alternativa (a que sonha ser Syriza ou algo assim, mas não consegue) apresentará propostas muito concretas de fazer diferente, mas sem explorar completamente as consequências dessas suas alternativas, nem como as colocariam em prática se tivessem problemas “institucionais” ou “forças de bloqueio” como aquelas que gostam de ver colocadas aos outros. e nem sempre dão os melhores exemplos nos seus micro-feudos locais onde têm poder para fazer diferente, mas acabam a fazer parecido em termos de clientelas e negociatas afins.

No meio de tudo isto, note-se que não falo em márinhos, porque esses não passam de poltrões armados em fanfarrões, porque quando a coisa aperta, são iguais aos que criticam, mas com muito menos legitimidade porque se ergueram em justicialistas, mas apenas para terem um lugar mais próximo da gamela.

Vai ser um ano de muito falar no passado para encobrir os falhanços do presente, mas também de muita conversa no presente para disfarçar a porcaria do passado. O futuro, todos dirão que será sorridente se forem eles os escolhidos e certamente será sorridente para eles, se forem os escolhidos, pois poderão repartir o bolo e atirar as migalhas aos kapos que manterão os mexilhões na ordem.

A abstenção é um caminho?

Depende do que se faça com ela. Se é para virar as costas a tudo, se é para sublinhar um enorme vazio que precisa ser preenchido. Ainda dentro do sistema, mas a caminho de outra coisa.

Que coisa?

Um regime democrático a sério, de representação transparente e coerência nas palavras e actos (não confundir com o caturrismo televisivo dos medinas ou o narcisismo exacerbado dos gomesferreiras) ,onde os actores políticos não tenham sempre o telefone disponível para quem (nacional ou internacional) lá os colocou, a ver que cargo vem a seguir para garantir a vidinha.

Se isto parece impossível e daqui resulta pouca esperança em qualquer mudança positiva?

Poizé!

  • Não avaliar os alunos porque é uma coisa discriminatória, elitista e pouco inclusiva. E porque as retenções são caras.
  • Não passar trabalhos de casa porque aumenta as desigualdades, aborrece os pais e cansa a miudagem.

A seguir e porque não, proponho eu:

  • O fim dos currículos e programas porque estão desactualizados e estão eternamente condenados a está-lo, pelo que o melhor é ficarmos por umas conversas acerca disso. Cada um disserta sobre um tema a seu gosto e, desde que cumpra o número de palavras e se sinta feliz com isso, está passado.
  • O fim das aulas formais porque é uma chatice e é mais giro se tudo for por e-learning e com base em jogos no feici. A medida tem o bónus suplementar de acabar com toda a burocracia ligada à assiduidade e de diminuir a indisciplina nas aulas. em vez de avaliação teríamos um concurso de popularidade, baseada nos laikes em vídeos munta giros.
  • O fim dos professores, pois o pós-modernismo e o multiculturalismo boaventuriano nos ensinou que não existem categorias fixas e imutáveis, que o conhecimento é relativo, os paradigmas meras convenções e que as posições de autoridade em matéria de saber ou não, ensinar ou aprender não passam de posições em movimento num cenário em que os actores mudam de papel a cada momento.
  • O fim das escolas, organização típica de um taylorismo capitalista e de uma massificação fordiana, como consequência do novo paradigma educacional acima descrito, muito mais humanista, muito mais focado no indivíduo, na sua liberdade enquanto aprendente num mundo globalizado, sem fronteiras, sem portões, sem toques, sem vedações.

Página seguinte »