Friends will be Friends


Eu também já visitei um amigo em prisão preventiva e fui mesmo testemunha abonatória para que ele pudesse ficar em domiciliária para cuidar de uma sua parente com saúde instável. Mas não saí de lá a clamar a sua inocência aos quatro ventos, pois sinceramente achei que ele fizera asneira da grossa.

Aliás, acho que amizade é dar o apoio possível nos momentos maus a sério e não apenas quando se pensa que é tudo uma cabala.

Tanta conversa sobre o país em crise, sobre a necessidade de todos contribuírem, de se cortar por igual em todos os sectores, e há quem receba o mesmo, sem cortes, desde 2009… pago pelo mesmo Estado que congelou progressões no sector público e impôs reduções de 20% ou mais nas despesas das escolas públicas…

O tal Estado Gordo que só o é para alguns que continuam a deliciar-se com os seus selectivos úberes.

Portaria n.º 269/2014 – Diário da República n.º 245/2014, Série I de 2014-12-19, do Ministério da Educação e Ciência
Fixa os montantes do subsídio anual por aluno concedido ao abrigo de contratos simples e de desenvolvimento celebrados entre o Estado e os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo.

(…)

Artigo 2.º
Subsídio
Para o ano letivo 2014-2015 mantêm-se os valores de referência às capitações e correspondentes escalões de comparticipação por parte do Estado, bem como o valor das anuidades médias definidas para os contratos simples e de desenvolvimento, através do Despacho n.º 6514/2009, de 11 de fevereiro, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 41, de 27 de fevereiro de 2009.

O homem deles em Havana:

O Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, João Casanova de Almeida, em 9 de dezembro de 2014.

E acho isso não apenas quando a desdita me cai na sopa, como está a acontecer aos investigadores na sua disputa com a FCT e o MEC.

Eu sei que fica bem mostrar solidariedade e fingir que não me lembro de como a maior parte deles achou que o mecanismo de limitação da avaliação dos professorzecos até era justo ou, no mínimo, que não merecia sequer especial atenção por parte da douta classe a que pertencem.

Pois, mas eu tenho memória e por muito que ache justa a sua causa, seria hipócrita se não relembrasse que a sua solidariedade foi nula quando queimaram uma casa que não era a deles e que achavam ser localizada num bairro pobre, da periferia.

Não perceberam que a seguir iriam em busca de quem se sentia num boulevard de primeira.

Se assim se mata a investigação? Não se matará, mas amputará seriamente, como se amputou o trabalho dos professores não superiores, enquanto muita gente assobiava para o lado, quando não aplaudia o “princípio”.

Sorry.

Luta justa, uma enorme falta de visão e de solidariedade em devido tempo.

 

Pinto da Costa visita Sócrates