Estou Xim?


em que momentos da sua carreira, foi Hélder de Sousa avaliado com uma qualquer prova que permitisse conhecer as suas capacidades e competências?

(…) a classe docente quer considerar-se à parte destas exigências, que são comuns às profissões mais qualificadas? É que se quer, de certa forma pode ser até uma forma de desqualificação.

Porque isto é tudo muito interessante, mas quem certificou o senhor Iavé como avaliador-mor do reino? Ou como sabemos nós que quem elabora e classifica estas provas têm competência para tal?

Porque a mim quer parecer que quem mais clama pelo rigor, pela cultura da perfeição é exactamente quem fez carreiras sem que seja perceptível a que avaliação foi sujeito. Porque uma coisa é ter cargos, outra ter sido avaliado por mais do que a fidelidade aos senhores que passam.

Vamos lá a tentar saber… que provas fez Hélder de Sousa, quem o avaliou, quem foram os júris das suas provas?

Porque isto de mandar fazer, quase todos sabem mandar. Fazer é que é o caraças…

O senhor até pode ser o mais competente entre os competentes no reino de Iavé, mas a verdade é que o seu trajecto académico e profissional é… aquilo que é e não mais do que isso.

E percebemos o quanto a coisa é curta quando lemos tiradas como estas, cheias de ausências de detalhes específicos ou conhecimentos concretos.

As provas são semelhantes, não há aqui nenhuma invenção. Agora os modelos são todos diferentes. As provas normalmente têm uma componente comum e outra específica, mas desconheço em pormenor se são classificadas separadamente. Sei, por exemplo, que as linhas de corte entre o ser aprovado e não aprovado são variadas. Nuns casos são mais exigentes, noutros menos.

Provas “semelhantes”, modelos “diferentes”… linhas de corte “variadas”… nuns casos “mais exigentes, noutros menos”.

Phosga-se, pá… isso até eu seria capaz de dizer e não percebo nada do assunto.

 

Resolução do Conselho de Ministros n.º 61/2014 – Diário da República n.º 212/2014, Série I de 2014-11-03, da Presidência do Conselho de Ministros
Constitui uma Comissão de Acompanhamento que visa acompanhar o procedimento de apuramento dos factos constitutivos do direito à compensação financeira dos docentes cuja colocação foi anulada no âmbito da bolsa de contratação de escola no ano letivo de 2014-2015.

  is depressing as hell!

Alternativa

Adivinhem lá quem é o emplastro…

ng3218251

… as declarações do director do “autónomo” IAVE. Porque é mais um daqueles que atira a bomba para o ar e espera que rebente longe dele, que – como tantos outros – é daqueles que ocupa cargos de grande responsabilidade mas nunca se sente(m) responsáveis por nada.

Não é apenas o conteúdo, mas a própria forma como se expressa, sendo apenas mais uma fazer comparações estapafúrdias (para não dizer pior) entre a Educação e a Saúde, faltando saber a partir de que percentagem de desempenho do organismo alguém morre.

Isto é parvo.

Quanto ao resto ainda há dois anos declarava a impossibilidade de fazer verdadeiras comparações sobre o desempenho dos alunos, mas agora já está em condições para as fazer.

Deve ser da “autonomia”.

Exp12Abr14b

Expresso, 12 de Abril de 2014

‘Fuck the EU’: US diplomat Victoria Nuland’s phonecall leaked – video

… ou será que o ministro Crato está interessado em qualquer tipo de sangue, desde que amarrado ao 1º escalão salarial’

Porque, idade por idade, há muito contratado praticamente com a mesma idade de muita gente a meio da carreira ou perto disso.

Por outro lado, pela primeira vez sou obrigado a reconhecer que, mesmo que indirectamente, o actual MEC conseguiu equivaler-se aos valteres&pedreiras na adjectivação dedicada aos professores que lhe desagradam. Somos sangue velho, portanto.

Agora é esperar que o princípio se alargue e venha sangue (e espírito) novo para o MEC, mas mesmo para o seu centro, que é para evitar este tipo de contorcionismos…

Numa nota enviada ao PÚBLICO esta quinta-feira, o gabinete de imprensa do MEC esclarece que Nuno Crato não anunciou qualquer vinculação extraordinária. Frisa que as frases captadas pela RTP foram proferidas a propósito de medidas tomadas pelo MEC para “dignificar” a função docente (como a prova de avaliação de conhecimentos e de capacidades para docentes) e que Nuno Crato ressalvou: “Temos de olhar não para este ano imediato, mas temos de olhar para o futuro, de ver isto a prazo”. Só depois disse: “Devido a aposentações de professores, em breve vamos  precisar de sangue novo(…).”

Na mensagem electrónica enviada ao PÚBLICO, o gabinete de imprensa do MEC não esclarece quantas vagas calcula que será necessário abrir nos quadros e quando poderá isso vir a verificar-se. Também não comenta o aviso da Comissão Europeia.

Se for a mental, digo já, com base no meu exemplo pessoal, que a malta não está nada bem e com vontade de partir a loiça quase toda, tirando a que possa ficar para as refeições do dia, a menos que seja prego no pão.

Conselho de Educação vai analisar situação dos professores

Novo presidente David Justino anuncia que pretende criar uma comissão especializada

… nunca passou pelo pessoal menos qualificado, mas pelos ódios de estimação desta pandilha.

Venho por este meio convocar V.ª Ex.ª para uma reunião a realizar no dia 02 de setembro, segunda-feira, pelas onze horas, no Auditório da Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra, relativa ao assunto: “Esclarecimentos sobre o programa de rescisões voluntárias levado a cabopela Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP)”

Com os melhores cumprimentos,

Pela Delegada Regional de Educação do Centro

E é verdade… Sou o ortónimo daquele tipo que está sentado no Chiado.

Não me digam, em cima disto, que a chuva molha se não nos protegermos e que o vento é uma deslocação de ar entre dois pontos diferentes…

Alunos do 9.º e do secundário com dificuldades no uso da língua materna nos exames

É passarem a fazer os exames na língua paterna.

Receb1 um simpático e informativo mail de um cidadão nacional, criado nos EUA e residente actualmente na Madeira, que me foi erradamente dirigido.

Reservando a identidade do remetente, destaco apenas algumas passagens. Omito o CV, BI e outros dados que recebi. Confesso que não resisti à tentação de deixar implícito o destinatário…

Dear J*** C******* De Almeida,

I am very excited to share my resume with you.  Enclosed in this email, please find a Microsoft Word attachment (.docx).
(…)

 I am a writer, researcher, and educator with a sharp mind for business.  Linguistically, I am still on the important learning curve; minha mãe e avó nasceram e foram criados em Prazeres. Yet, I do not want to be forced back to the United States of America simply due to lack of income while I become more proficient in Portuguese. For this reason, I do not want to forfeit my potential contributions to Portugal as a professional employee, nor do I want to lose my connection to the citizens of Madeira and to the nation of Portugal.  I aim to explore and discover the rich culture and diverse traditions that is now, and forever shall be, my home.  I am proud to be a Portuguese citizen and very thankful for this opportunity.

(…) You have permission to share this correspondence with political and managerial supervisors throughout Portugal, and I can provide you multiple copies of my resume if required. I am an honest, respectful, and hard working individual who keenly understands the responsibilities necessary to help bring my new community into a more financially competitive position.  I believe that all Portuguese people should have the opportunity to thrive in the 21st century, and I would like to gain well-disciplined employment in education, research, or business to help move us all forward.
Kindly review my legal credentials and understand my sincere desire to integrate myself into the professional community in Portugal.  I do not require too much, but I would like to earn a fair salary that is commensurate with my lifelong work ethic in exchange for my hard work.  My spirit wants to contribute positively to life in Madeira and in the nation of Portugal. I consider myself to be an asset who welcomes the challenges to learn, to grow, and to produce. Agradeço-lhe por seu tempo e espero que você possa imaginar minha lealdade e contribuições em um ambiente profissional.
(…)
.
E esta heinh?

Democratização da Economia=Nacionalização de Empresas Portuguesas pelo Governo Chinês.

Albino Almeida ao DN:

O que foi apresentado é o início da marca deste Governo na Educação. E vai ao encontro do que tinha sido anunciado e do que Nuno Crato defendia até antes de ser ministro, nomeadamente o fim da dispersão curricular e a posta no conhecimento. É uma mudança de paradigma.

Já pode desbloquear-se a tranche?

A Fenprof recusou assinar o documento final pois os três pontos essenciais que defendia, a redução do número de menções na avaliação (actualmente são cinco), a eliminação de quotas para as classificações mais elevadas e implicação nas notas na graduação de professores nos concursos, não foram satisfeitos pelo Ministério.

“O Ministério manteve as quotas e as cinco menções avaliativas. Em relação aos concursos há uma alteração, que no nosso entender cria uma situação discriminatória entre professores de carreira e contratados, não resolvendo o problema”, justificou o secretário-geral da Fenprof.

Apesar de não ter havido acordo, Mário Nogueira considera que houve “resultados positivos” e dá alguns exemplos.

“Os ciclos de avaliação deixam de ser de dois anos, quem já teve observação de aulas não vai precisar de a ter novamente no novo ciclo avaliativo, a desburocratização de todo o processo e a simplificação de procedimentos”, salientou o dirigente sindical.

Nenhum dos sindicatos pediu negociação suplementar e para Mário Nogueira o processo de negociação do novo modelo de avaliação dos professores “encerrou esta sexta-feira” e apela a que os professores “virem a página para outros problemas maiores que têm pela frente”.

A Fenprof assinou ainda uma acta negocial global evidenciando os pontos de acordo e desacordo relativamente ao novo modelo de avaliação.

Está bem, abelha… vale uma apostinha em como não assinaram, mas pediram desculpa?

Qual a diferença, de um ponto de vista epistemológico-matemático, entre um relatório de dois em dois anos com seis páginas e dois anuais com três?

Recolhi no FB esta questão de um teste intermédio de Físico-Química (9º ano):

Já comprei o envelope de Correio Azul Internacional. Ou pode ser por mail? Fax???

«Não estou disponível para governar com o FMI»

… ou com a pele mais resistente. Entregar ali para as bandas da Lapa… à ordem de S. Caetano… antes de 5ª feira…

Porque isto de relvas carinhosas, não está com nada

… quando está meio coiso…

Duck Sauce, Barbra Streisand

Sexo é única actividade em que estamos realmente concentrados

Estudo da Universidade de Harvard mostra que as pessoas passam metade do tempo a imaginar que fazem outra coisa em vez da que estão a fazer.

Já quanto à notícia, muito haveria a dizer sobre quem e quando está a imaginar o que quereria fazer… Mas isto é um blogue familiar (pelo menos no tamanho…).

Página seguinte »