Esta Não Esperava


Afirma o comentarista Maverick que já admitiu ser um ex-dirigente sindical, docente actualmente aposentado, com relações estreitas à direcção da Fenprof:

Revogação ou alteração de artigos do ECD podem ser feitas sem revisão do ECD.

Adorei, adorei, adorei…

Mas então para que querem tanto ser recebidos?

Têm mesmo a certeza que pretendem abrir esse precedente?

A sério? Aguardam-se esclarecimentos e não a verborreia do chico (que não da cuf):

(mais…)

Do mail que em seguida transcrevo, foram retirados os elementos identificativos, mas corresponde a uma situação bem real:

Olá caríssimos parceiros desta Via Sacra
Peço desculpa por estar a incomodar, mas não é por vontade própria…

Como sabem, desde o início deste ano uma parte dos nossos salários é paga pelo POPH. Ora neste mês de Abril, iremos receber a totalidade do vencimento, mas temos 2 semanas em que não temos componente lectiva, na interrupção. Acontece que, ou nos pagam o correspondente ao que trabalhámos, ou temos que trabalhar nessas duas semanas. Fui chamada pela Direcção hoje, assim como a **********, com esta questão…. Como acredito que ninguém esteja com vontade de receber apenas metade do salário, tivemos que encontrar uma solução. (…)

Está na sala de professores uma convocatória para trabalho no dia de hoje, segunda, terça, quarta e quinta, das 9h às 17h.

Não se assustem, não vamos ter que estar na escola esse tempo. Temos é que apresentar algum trabalho feito. Então, o que vos peço é que me percam algum do vosso tempo de merecido descanso, com algumas dissertações. Por exemplo: reflexões sobre as avaliações de cada módulo, resultados obtidos, taxas de sucesso e insucesso, estratégias e recursos utilizados, aspectos positivos, negativos e a melhorar; podem também enviar-me modelos de grelhas de avaliação que utilizem, para testes, trabalhos individuais ou grupo; enviem-me as datas exactas previstas para os terminus das vossas aulas para eu rectificar o cronograma; plantas da sala de aula que considerem mais eficazes; sugestões de metodologias de trabalho…. e não sei mais!

No final juntarei toda esta informação, elaborarei uma acta, vocês assinam folhas de presença e já está. Justificamos o nosso salário nestas duas semanas. Não sei se a solução foi a melhor, mas foi a que nos ocorreu.

Portanto, pela parte que me toca, como Directora de Curso a convocatória que se encontra na sala de professores, não é para cumprir, a não ser que não me chegue o material solicitado, até ao fim do mês de Abril. Peço-vos algum tempo de trabalho, no aconchego de vossos lares, para apresentarmos alguma “substância trabalhística”. Se vos ocorrer mais alguma ideia, façam-ma chegar por favor.

Peço desculpa por mais este incómodo, mas penso que será menos doloroso assim, do que sermos de facto convocados e termos que lá estar a semana toda.

Beijinhos e na medida do possível, bom descanso.

Boa Páscoa

Quando escreve:

Sem surpresa, os professores e o ME continuam acantonados!

Exactamente! Acho que (de forma inconsciente?), o Miguel descreveu bem a situação. Não é o Governo e os sindicatos que estão em conflito. São os professores e o ME.

A escrita fugiu-lhe para a realidade. No fundo, sempre achei que o Miguel não se encaixa bem no pensamento formatado plenamente ortodoxo.

O nosso primeiro preocupado com ilegalidades?

Cortes ilegais nas horas devolvidos aos médicos

 O Primeiro-ministro, José Sócrates, pediu dados sobre os cortes até 10% relativos a remunerações de 2010 e confirmou ilegalidades. Os ministérios da Saúde e das Finanças estudam uma forma de devolver o dinheiro.

Não sei porquê, mas a história completa não pode ser assim tão simples…

Não é apenas a servida e alimentada pelo ME. É aquela que resulta do triste espectáculo de quem é vocalmente muito agressivo contra tudo e mais alguma coisa, mas depois – quando lhe colocam a função de relator nas mãos – não a recusam e elaboram longos relambórios a demonstrar discordância ou – li há bocado e não queria acreditar – salvaguarda.

Acho da mais básica incoerência clamar pela demissão de tudo e mais alguma coisa ao longo dos tempos, gargantear coragens diversas, fazer ameaças de quase agressão física, mas depois salvaguardar-se e fazer o que lhe(s) mandam. Há quem não consiga dizer NÃO quando está em jogo um certo nível de vaidade. É como o vegetariano que come carne, mas com declaração de objecção de consciência. É lamentável. Mas cada um dorme com a sua consciência.

A farsa da ADD passa tanto ou mais por aqui, quanto pelos corredores do ME.

Et tu, Octavius?

… a sério que não percebo. Sobre a transição da carreira com base no 15/2007. Mas isto é feito com 3 anos de atraso? Anda tudo parvo?

———- Mensagem encaminhada ———-
De: <DGRHE.MEducacao@dgrhe.min-edu.pt>
Data: 29 de outubro de 2010 19:12
Assunto: Circular – Transição para a estrutura da carreira docente
Para:

Ex.mo Senhor
Director Executivo

Em referência ao assunto identificado em epígrafe, segue Circular.

Com os melhores cumprimentos,
DGRHE

Anexo: Circular B10047664R.

Fica aqui a primeira página:

« Página anteriorPágina seguinte »