É Já A Seguir…


  • 7 de Fevereiro de 2011:

PS pede ao líder parlamentar do PSD para ter ‘tino e compostura’

(…)
«Recomendo ao dr. Miguel Macedo um pouco mais de tino e de compostura, porque isto de ter nervos de aço, serenidade e convicções não pode ser apenas uma característica de José Sócrates. Quem está na oposição também tem de ter compostura e serenidade», afirmou o eurodeputado socialista, que assume também as funções de director de campanha da candidatura de José Sócrates a secretário-geral do PS.

Em resposta às acusações feitas pelo líder parlamentar do PSD ao secretário-geral do PS, Capoulas Santos considerou que «o insulto nunca é um bom argumento político, ainda que se compreenda o nervosismo e a desorientação do PSD».

  • 20 de Setembro de 2012:
O eurodeputado socialista Capoulas Santos recomenda «tino» e «juízo» ao PSD e CDS para que a coligação possa cumprir o mandato que recebeu dos portugueses para governar até 2015.
.
Quanto ao essencial, nota-se uma evidente preocupação do PS em manter o Governo em funções…

JSD quer criar ‘mini jobs’ para universitários

Pois… os maxi jobs ficaram todos para os relvettes.

Expresso, 11 de Agosto de 2012

Santana Castilho, hoje, no Público:

A quem fala manso e age duro, urge responder com maior dureza. Lamento ter que o dizer, mas há limites para tudo. Como? Assim a classe me ouvisse. Crato vergava num par de semanas.

O destaque é colocado no texto disponível no seu (?) blogue.

Pronto, já temos líder… vamos lá juntar os movimentos, mais estes e aqueles zombies (a expressão é dele), e prestar vassalagem ao ministro-que-ainda-quer-ser já que não foi.

E se, numa eventual remodelação de rentrée, Passos Coelho o convidasse para MEC? Confesso que dava de bom grado, sem pedir inconstitucionalidade, o subsídio de Natal para ver…

(c) Antero Valério

A menos que seja dentro de uma daquelas bolhas à japonesa…

Praia de Alburrica está já “em estudo”

Barreiro quer ter cinco praias próprias para banhos em 2015

(…)

A campanha de recolha de amostras começa em Maio e o delegado de saúde do Barreiro, Mário Durval, acredita que os resultados vão ser diferentes dos que foram registados em 2011. “No ano passado fizemos análises e a água ainda não estava em condições. Acredito que este ano os resultados vão ser diferentes”, diz o responsável pela saúde pública no concelho.

De acordo com o ministério do Ambiente, a praia de Alburrica está “em estudo” desde 2011 com o objectivo de classificar a zona como balnear. Caso os resultados da monitorização em curso o justifiquem, a Administração de Região Hidrográfica do Tejo (entretanto integrada na nova Agência Portuguesa do Ambiente e da Água) admite a possibilidade de alargar a área em estudo.

A Câmara do Barreiro quer estender essa possibilidade às praias de Barra-a-Barra, Copacabana, Palhais e Ponta do Mexilhoeiro. Segundo o delegado de saúde, a campanha de amostragem já engloba os cinco locais, embora só um esteja oficialmente na “corrida” pela classificação.

Para ser levantada a interdição e ser aceite a candidatura das praias a zonas balneares é necessário recolher amostras da água do Tejo com resultados positivos ao longo de três anos consecutivos. Assim, na melhor das hipóteses só em 2015 será possível obter a classificação.

As praias fluviais do Barreiro estão interditas há “sete ou oito anos”, segundo Mário Durval. Mas nem por isso os banhistas deixaram de as frequentar – sobretudo a praia de Alburrica e a Ponta do Mexilhoeiro. No Verão é frequente ver pessoas a usufruir do tempo quente naqueles areais e a falta de qualidade da água não afasta as pessoas do rio. “Não podemos ter um polícia atrás de cada pessoa”, sustenta o delegado de saúde.

A sério, não se metam nisso, a menos que tenham uma PPP com umas clínicas dermatológicas e/ou alergológicas.

Quanto ao pessoal que continua por lá – é verdade, até andam às lambujinhas – temos de nos lembrar que são, principalmente, sobreviventes (ou os seus descendentes já com as mutações genéticas incorporadas) dos gases da CUF/Quimigal dos anos 60 aos anos 80 quando, só para exemplificar, as grades de ferro da estação de comboios do Barreiro A duravam menos de um ano sem ficarem completamente corroídas pelo ar puro.

Para além disso, há sempre que pensar que estar na praia ali defronte para o skyline formado pelas estruturas da Siderurgia (a vista de Palhais é magnífica), do eixo Seixal-Amora-Corroios-Almada e da Lisnave (vista de Alburrica) e com os despojos da Fisipe atrás sempre é melhor do que tomar banho no Mar Negro ao lado dos restos de um submarino atómico.

Para quem pense que estou a exagerar, e apesar da minha capacidade para fotografar a zona de forma que ilude a poluição que não desaparece em menos de uma geração daquelas águas, é só esperar pelas análises… a menos que sejam feitas na banheira salgada da dona Joaquina.

Confesso que me começa a chegar o vernáculo ao nariz…

FMI insiste que tabelas salariais do Estado são para alterar este ano

Em Novembro, primeiro-ministro desmentiu alterações às tabelas salariais. Agora FMI diz que é mesmo para se fazer.

Não estou aqui, mas é como se estivesse. O sétimo olho está sempre presente.

Emigre!

Cavaco Silva, de certeza que estava a tentar que o levassem a sério quando afirmou que as suas reformas não chegam para pagar as despesas. Mas se assim é, dou-lhe um conselho: Saia da sua “zona de conforto”!
.
Ouça o ministro almofadinha relvas. Agarre na Maria e vá para Angola, para o Brasil, para Moçambique, para Timor. Há mandatos presidenciais a terminar e, como são tudo democracias consolidadas e impolutas, com tão invejável currículo, certamente encontrará colocação.

——— Mensagem encaminhada ———-
De: <DGRHE.MEC@dgrhe.min-edu.pt>
Data: 24 de novembro de 2011 10:07
Assunto: Interrupções temporárias nos serviços
Para:

Exmo(a). Sr (a). Director (a),

Durante o dia de hoje poderão vir a ocorrer interrupções temporárias nos serviços disponibilizados devido a operações de manutenção da infra-estrutura tecnológica da DGRHE.

Com os melhores cumprimentos,
DGRHE

Exmo.(a). Senhor(a). Director(a) / Presidente da CAP,

Informamos que nos termos da Resolução de Conselho de Ministros n.º 12/2011, de 8 de Fevereiro, o programa e. Escola está suspenso. Enquanto esta suspensão se mantiver não serão emitidos códigos de validação de acesso ao programa, e os códigos de validação emitidos em anos anteriores foram inactivados, pelo que não poderão ser utilizados.

Qualquer situação relacionada com o programa e. Escola que tenha sido anteriormente reportada não poderá ser tratada enquanto esta suspensão se mantiver.

Neste momento aguardamos orientações sobre a continuidade do programa e. Escola. O Ministério da Educação e Ciência comunicará todas as informações relevantes sobre esta matéria aos estabelecimentos de ensino.

Pelo exposto, solicita-se a V. Exa. que divulgue esta informação junto dos interessados.

Com os melhores cumprimentos,

O Director Regional de Educação Adjunto

Luís Dias

« Página anterior