Desregulação


Mais um exemplo encontrado no FBook:

Começaram a sair as listas das escolas com autonomia que são um autêntico escândalo e mostram como tudo isto está podre.
É “engraçado” observar que na escola Monte da Ola em Viana do Castelo, o candidato classificado em 1º lugar, ocupa a 1102ª posição na lista de ordenação nacional. E eu que estou em 2º lugar, ocupo a 19ª posição nessa mesma lista nacional.
Percam um minuto a explorar a imagem abaixo que eu editei e comparem a graduação, a classificação profissional e o tempo de serviço.
Além do mais esse moço nem sequer trabalhou numa escola pública no ano passado.
É pena que o meu último nome é COSTA em vez de ser CUNHA…

ConcursoAut

Agradecendo à A.C. as ligações:

Surge in New Charter Schools Worries N.C. Educators

New Lawsuit Challenges Constitutionality of N.C. Voucher Program

E nesse caso penso que ficarei a ganhar com qualquer aumento “oficial”. Quero que todo o meu trabalho com alunos seja considerado lectivo, pois é disso que se trata. Neste momento já são 26 as horas que tenho desse trabalho.

O trabalho em pequeno grupo com alunos com NEE, quando têm níveis de desenvolvimento e competência muito distintos implicam a preparação de materiais de diversos níveis e um acompanhamento que acho ridículo que seja considerado não lectivo.

Não estou a defender privilégios ou direitos adquiridos (isso é para quem recebe subsídios porque trabalhou em 2011 no privado ou para quem é convocado para ir passear à Alemanha à nossa conta).

Os rosalinos e outras espécies menores de refundadores do alheio que por aí andam não aguentariam meia dúzia de semanas.

 

Governo prepara-se para aumentar carga lectiva dos professores

(…)

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, manifestou, em Novembro, a intenção de rever a organização e tempo de trabalho na Administração Pública, à qual os professores não deverão ficar isentos. A intenção já foi confirmada pelo secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, na última reunião com os sindicatos, na passada quinta-feira. “O tema da organização e duração do tempo de trabalho é um tema que o Governo quer discutir com os sindicatos. O Governo está a reflectir sobre essa matéria e há o compromisso de até Fevereiro apresentar dados ou potenciais acções da reforma do Estado”, disse o governante à saída do encontro.

Percebem agora porque o modelo de gestão e de relações laborais é o mesmo do do Governo e do MEC, tendo pouco a recear de…?

Em especial em Língua Portuguesa do 3º ciclo, um dos grupos mais atingidos inicialmente pelos pré-horários-zero…

Agora expliquem-me devagarinho como é possível existirem 7 horários completos para contratação, se existem profes em DACL por colocar…

É que de dia está com errores cherrypies, só a altas horas se atreve a desimplodir.

Mal raia o dia – revoa a Marte para o seu des(em)penho.

E nada de enganos que isto é obra do Mexia, não dos chineses…

Os consumidores domésticos são o elo mais fraco no processo de liberalização das tarifas energéticas, mas também um mercado apetecível para todas as eléctricas que já operam no mercado, sobretudo nos grandes consumidores. Mas o pontapé de saída não foi animador. A campanha da EDP com o Continente, que dá descontos nesta grande superfície sobre 10% da factura de electricidade, afinal era gato escondido com rabo de fora. Desta forma, a empresa de António Mexia transferiu clientes para uma outra empresa do grupo, acabando com a tarifa bi-horária e mantendo apenas as tarifas reguladas até ao final do ano. Ao contrário de todos os restantes consumidores domésticos, que ainda terão um regime transitório até 2015.

Mais. Implicitamente, a incumbente transmitiu ao mercado a ideia de que as tarifas bi-horárias (consumo mais barato nas denominadas horas vazias) iam acabar, o que não é verdade. Num comunicado divulgado na sexta-feira, a ERSE, a entidade que regula o sector da energia, fez saber que cabe aos operadores definirem os seus preços e as tarifas que bem entenderem, afastando assim qualquer equívoco sobre a medida estar consignada no Memorando com a troika.