(Des)Emprego


 

o actual está por um fio importado. Iavé, O Grande – talvez maior – irá treinar Os Divinos!

ora, oremos!

Estágios do IEFP explicam um terço do crescimento do emprego no sector privado

Mas eu só escrevo aquele título ali em cima porque sou comuna nos dias pares.

no fim-de-semana passado. Foram poucas, os 25’s-sempre não apareceram por causa de estarem em formação de podas várias… A piada é eu pagar mais do que o Estado… e a horas!

 

 

 

 

 

Porque a “economia real”, privada, não gera emprego sem “encosto” e “subsídio” do Estado.

Exp30Ago14

Expresso, 30 de Agosto de 2014

Desemprego diminuiu? Formadora fala em dados viciados

O Fafe já me contou como, em tempos, já era assim.

Vivemos tempos pasmosos de manipulação da relação entre realidade e linguagem. E mesmo da própria causalidade dos factos reais e objectivos, como se alguém tivesse decidido transformar a nossa vida pública num delírio de pós-modernices.

Há desemprego galopante, em especial entre os jovens?

A culpa é de quem está empregado e impede a entrada de novos trabalhadores.

Mas impede como?

Mantendo-se empregado?

Mas se fosse despedido não iria para o desemprego por troca com o que (hipoteticamente) iria para o seu lugar?

No caso dos professores, por exemplo, a saída de um professor com redução da componente lectiva não equivale a um lugar de início de carreira.

Mas a mistificação está alargada a toda a sociedade, a cada diatribe televisiva do alucinado César da Neves ou crónica radiofónica iluminada do avançado mental Camilo Lourenço. Ou comentário contra os “velhos” de governantes ou opinadores na esperança de terem um qualquer lugar ou a fazerem por merecer o que já receberam.

Os “velhos” (parece que se aplica a qualquer pessoa acima dos 40-50 anos) são culpados do desemprego dos “jovens” (estado que parece prolongar-se até aos 35-40 anos).

São conservadores e atávicos. Parece que teriam de abdicar dos eu salário para serem progressistas. Alinharem pelo culto da mediocridade sem refilar. E quando se recusam a isso são vilipendiados a torno e direito pelos maçães-totós e outros borginhos de aviário.

A culpa não é de quem falhou as opções políticas de investimento com os dinheiros que choveram da Europa, preferindo as negociatas endogâmicas ao interesse público, de quem fez contratos ruinosos apostando na inimputabilidade ou nas prescrições, de quem delapidou lucros em gastos sumptuários em vez de os reinvestir de forma produtiva.

Não.

A culpa é dos “velhos” que ainda mantêm o seu emprego e procuram manter um mínimo de qualidade de vida para as suas famílias.

Ide…

Página seguinte »