Coisa Mais Esfarrapada!


Passos: “Será um desafio imenso o de mobilizar a nossa Administração Pública”

Então, ó faxavor, não desenterrem estudos da era Sócrates para dizerem que ganhamos imenso e que os serviços públicos são maus.

Portugal reducirá su presupuesto en Educación por la crisis

El ministro de Educación, Nuno Crato, precisó que esta disminución del gasto es equivalente al 8 % del presupuesto total de ese departamento, estimado en cerca de 7.800 millones de euros. Puntualizó que ese ahorro no llevará una reducción de la plantilla ya existente, aunque sí obligará a frenar las nuevas contrataciones y a redistribuir profesores.

(…)

La misma política se seguirá a corto plazo con la enseñanza de idiomas extranjeros, y que continuará centrado en el inglés debido a su carácter “prioritario”, por lo que no se prevé de momento la docencia de una segunda lengua como el español o el francés.

Isto merece análise mais desenvolvida, porque a necessidade de cortes não implica que esses se façam de acordo com opções profundamente contestáveis.

Aprender a ler, escrever e contar – sendo já de si um programa redutor – deveria ser garantido num 1º ciclo de escolaridade que tem quatro anos que chegam perfeitamente para isso, não deveria ser o plano estratégico para uma escolaridade obrigatória de doze.

Aguarda-se agora – em nome de uma aprendizagem mínima – uma reforma curricular que pulverize as Humanidades e as Artes do currículo do Ensino Básico.

Já agora, seria interessante saber onde estão os 7,8 mil milhões de euros de que Nuno Crato fala.

No Orçamento do ME(C) NãO ESTÃO!

… é realmente um esforço digno de louvor. O que se percebe é que a nova elite já vem com os tiques todos da antiga.

Louvor por um mês de trabalho

A secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário, Isabel Leite, atribuiu um louvor a um adjunto do seu gabinete que exerceu funções apenas durante um mês. Em 30 dias, a governante assinou um despacho de nomeação e outro de cessação de funções.

E, claro, devemos escusar-nos a notar que o mês, sendo em pleno Verão, deve ter passado como um foguete, pois o trocadilho é demasiado óbvio.

Benfica informa que o Saragoça pagou 86 mil euros por Roberto

Na sequência do pedido adicional de informações por parte da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Benfica emitiu um segundo comunicado nesta quarta-feira, esclarecendo que o Saragoça vai pagar 86 mil euros (apenas um por cento) pela transferência de Roberto e que o restante é assumido por um fundo de investidores.

O clube “encarnado” informa que a transferência de Roberto foi concluída com a celebração de “dois contratos” sendo que a “Real Zaragoza SAD” ficou com os “direitos desportivos” do jogador e pagou 86 mil euros, apenas um por cento do valor da transferência.

Vamos apostar em como é um pagamento em 99 prestações mensais?

Mas ao menos uma coisa justa, pois um dos investidores (arhum, ahrum…) é o intermediário da transferência inicial para o Benfica.

 

Isto não é uma argumentação aceitável:

«Se deitássemos fora os resultados desta avaliação, prejudicaríamos os professores que nela se empenharam. Se só tivéssemos em conta estes resultados, prejudicaríamos os professores que desde início acreditaram que seria suspenso».

«Eu não queria dizer que é uma solução salomónica. Estava à procura de um nome de um rei antigo para classificar esta solução, mas no fundo, o que quer dizer é que cada um pode escolher o modelo que lhe for mais favorável», explicou aos deputados da comissão parlamentar.

E quem não se empenhou ou pretende empenhar em nenhum?

E de entre esses, como distinguir aqueles que, não se empenhando, levam a mesma classificação dos que se empenharam e ficaram sem quota?

E já agora, aqueles como eu que não pensam empenhar-se em nenhum por não acreditar nos do passado e me parecer que o próximo não vai pelo melhor caminho?

E que modelo poderão escolher aqueles que pensam empenhar-se apenas em dar as melhores aulas que sabem aos seus alunos e estarem-se na tinta para o resto, em particular, as tretas que asseguram, nos dias que correm, a xalência em muitas escolas e agrupamentos?

Mas…

Mas… por outro lado, isto é uma homenagem a todos aqueles que, podendo, não fizeram. Ou melhor dizendo, fizeram.

De: Cap Agrupamento de Escolas ******** <cap@********.pt>
Data: 9 de Julho de 2011 09:26
Assunto: ADD-Documentos da Avaliação de Desempenho Docente
Para: Educadores de Infância; Professores do 1º ciclo;Professores do 2º Ciclo, Professores do 3º ciclo e secundário; Educação Especial – 910, Técnicas Especiais – 999

Caros colegas:

Junto se envia a todos os docents as fichas finais relativas à Avaliação de Desempenho Docente. Aguardámos até este momento na espectativa que algumas das fichas fossem elaboradas pelo ME e colocadas na plataforma da DGRHE. Como até à presente data nada disso aconteceu, enviamos agora o material necessário à conclusão do processo que a CCAD tinha previamente preparado.

Solicita-se a todos os docentes que entregaram Objectivos Individuais que substituam a ficha inicialmente entregue pela nova agora enviada, fazendo a ligação às dimensões e domínios estipulados, devendo registar a data de entrega do anterior documento.

Com os melhores cumprimentos,

**********

Presidente da CAP”


Licença Creative Commons

«Cedilha Perdida: Cão Mexerufo» B.A.R. 2011

« Página anterior