Chiça…


Inside a Chinese Test-Prep Factory

O engenheiro e o seu secretário mais trauliteiro, nos seus domínios feudais, reescrevem a Educação:

Sócrates apresentou livro: Educação gera igualdade de oportunidades

Walter

3_blind_mice

Ao ouvir o actual PM na “universidade de Verão” dos candidatos laranjinhas a futuros PM ou coisa pior, fiquei com a perfeita certeza de ele ter atingido aquele estado de solipsismo galopante que há uns 5 anos atingiu o “engenheiro” e que resulta de um delírio de grandeza que cega a possibilidade de auto-crítica e afasta qualquer possibilidade de análise racional de qualquer situação, a partir de um ponto de vista divergente ao da vulgata transformada em credo.

O pior é que, neste anti-PREC sem 25 de Novembro, na presidência está alguém que – como nos tempos em que precipitou um crash bolsista à nossa escala com a conversa do gato por lebre – se preocupa mais em limpar (?) a sua pobre imagem em episódios muito duvidosos do que em agir sobre uma realidade que se deteriora dia a dia, por muito que alguém diga (pela enementésima vez em meia dúzia de anos) que a recessão já acabou, só não se sabe é quando começa outra coisa.

E na fatia maior da oposição damos de fronhas com dois tipos que têm escassas qualidades, e quase nenhuma coincidente, e os defeitos que sabemos: um é um totózero à esquerda e o outro é uma emanação da situação que nos conduziu até aqui (ainda se lembram de quando ele era o número dois ou já se esqueceram?) e que o apoia sem problema algum, ao mesmo tempo que não se envergonha de nada do que de pior teve o seu séquito para nos oferecer.

Se há alternativas?

Sim, temos para aí meia dúzia de facções (ex-)bloquistas mais o márinho em busca de encostanço ao PS e a Festa do Avante sempre linda e multicultural, pelas quintas do Seixal.

Phosga-se, pá, que, por comparação, por momentos quase acreditei na competência da selecção do bento nacional.

crazy

 

… as regras para a vigilância do teste/exame made in Cambridge.

Por isso, vou apenas dizer que são um monumento enorme – mais um – de desconfiança em relação ao trabalho dos professores. Da autoria do IAVÉ-autónomo ou emprestado algures. Não sei. Apenas que não há finitude para a idiotice.

Por muito que eu admita que há gente que deveria estar em casa, sem discussões e sem reduções salariais, que só ganharíamos com isso, continuo maravilhado com a enorme capacidade de qualquer burrocrata produzir guiões acerca da forma como os professores se devem comportar e, inclusivamente, mover durante a realização do raio da prova.

Mas desde que houve alguém que numa escola proibiu os saltos altos em dias de exame, já estou preparado para tudo…

Miró é acessório, o que interessa é divagar.

Tentem isto:

O pai Albino agora apresenta-se como professor Albino, com chancela do Partido do Seguro.

Temei, criaturas, temei, porque é possível que o destino ainda nos reserve pior do que o nosso pior pesadelo.

Quanto aos seus receios, Assunção Esteves até recorre a palavras fora do dicionário. “Temos sempre um receio humano de não conseguir. O meu medo é o do inconseguimento, em muitos planos: o do inconseguimento de não ter possibilidade de fazer no Parlamento as reformas que quero fazer, de as fazer todas, algumas estão no caminho; o inconseguimento de eu estar num centro de decisão fundamental a que possa corresponder uma espécie de nível social frustacional derivado da crise.

O Sociedade Civil de hoje. El Poncito a delirar com os 6000 euros que os alunos custam no ensino público, devidamente acolitado por mais umas quantas jarras inenarráveis na maioria das intervenções, mesmo quando estavam lá para dizer qualquer coisa menos conformista com as modas.

… o que aflorei aqui. Para lá do Marão acontecem coisas engenhosas como a que a seguir se descreve, confirmada por docente em exercício… mas não das turmas em causa…

Nem sequer vou publicar o ponto 1º do mail que até a mim daria dó… e ainda me acabavam novamente a prometer porrada… e nem este generoso S. Pedro estival me valeria…

2º o diretor de lá (ai senhor…) pediu autorização ao ministério para substituir as atividades letivas por não letivas quinta e sexta. Os alunos estiveram com os de educação física em atividades e na quinta conseguiu despachar 15 reuniões. Todas do 12º ano e algumas do 9º. As que ficaram para sexta já não se realizaram…

Ministro das Finanças garante que montantes abaixo de 100 mil euros são sagrados

Já antes tinham sagrados todos os depósitos…

E o mais giro é que os depositantes devem assumir os erros dos gestores liberais de sucesso?

Mesmo que só tenham ido lá fazer um crédito qualquer e depositado dinheiro? 100.000 euros é coisa de rico?

… pois ainda desistem do dual e tal. Aposto que o Ramiro aprovaria…

Excluded children get ‘military ethos’

 Ex-soldiers are to instil teamwork, discipline and leadership in pupils who have dropped out of mainstream education, Michael Gove has said.

Former military personnel will work with children in four projects that will get £1.9 million of government funding.

They will attempt to improve achievement and behaviour among pupils who are being taught in alternative provision.

… embora não surpreendido com a leitura de um capítulo (não numerado, começa na p. 218 da edição não ilustrada) de um volume de uma História de Portugal de referência, no caso sobre o período final da Monarquia, que nunca me dera ao trabalho de folhear de forma extensiva (a compra foi em saldos, não foi em subscrição).

A adjectivação dirigida aos actores históricos (em particular ao pessoal do PRP, mas também a José de Alpoim e João Franco) parece saída de uma conversa truculenta de café, chegando-se ao ponto de, sem aspas que indiquem uma citação ou expressão algo irónica, se referir à eleição de um deputado republicano como mais uma ciganice do Hintze, expressão de fino recorte e digna de entrar em compita com algumas que ouvi a alguém do outro lado do espectro historiográfico em algumas aulas.

Phosga-se, ainda bem que eu não sou um historiador de referência do regime e que não aprendi esta forma de distanciamento analítico que tantos encómios recebe por aí à laia de enorme qualidade.

Isto não é ser politicamente correcto, nem sequer pretender uma história asséptica mas este tipo de vocabulário que se repete parágrafo sim parágrafo não é, convenhamos, ligeiramente, sei lá…

Luís Filipe Vieira em directo e falso directo, simultaneamente, na RTP e SIC. Phosga-se

Já me chega o descalabro do meu spórtengue

… mas apenas ignorantes em 2º escalão.

Quanto ao Gaspar, é melhor não o avisar porque, de qualquer modo, só daria por isso em 2023.

FMI reconhece que calculou mal o impacto da austeridade na economia

No relatório em que reviu em baixa as previsões para a economia mundial, o FMI começou a corrigir algumas contas: por cada euro de austeridade, a economia não cai 0,5 euros, mas sim entre 0,9 e 1,7 euros.

Portanto… eu ando a ajudar a pagar um erro numa ordem que pode ser superior a 300%?

E esta gente ainda mantém os cargos?

Aquilo no quintal da fenprof anda meio abandalhado, nem frente polisário…

Tenho o documento original enviado ao corpo docente, com identificação da escola e tal, mas não quero despertar maus afectos a esta hora…

De: Director **************** <director**************@gmail.com>
Data: 29 de Janeiro de 2012 17:36
Assunto: Avaliação de docentes
Para:

Na sequência de informações atualizadas sobre a ADD, junto envio a minha informação referente a essa matéria.

ANO LETIVO 2011/2012
AVALIAÇÃO DE DOCENTES
INFORMAÇÃO
(todos os docentes e educadores)

     1 – Embora a avaliação de docentes não se encontre ainda regulamentada no que ao presente ano letivo e seguintes diz respeito, o Secretário de Estado da Administração Educativa emitiu um Comunicado oficial no qual são fornecidas indicações e normas relativas a esta matéria (a aplicar apenas este ano letivo), sendo essencial ter em conta o seguinte:
a)    No caso dos professores e educadores do quadro, o presente ano letivo destina-se unicamente à conceção e implementação dos instrumentos de registo e avaliação (com base no Decreto Regulamentar a publicar) e à formação dos avaliadores internos e externos, não havendo observação de aulas;
b)    No caso dos docentes e educadores contratados, estes serão avaliados no presente ano letivo através de um procedimento simplificado, em termos a definir pelo Conselho Pedagógico.
2 – Para além destas informações, o Comunicado do SEEAE refere ainda que os ciclos de avaliação passarão a ser plurianuais, coincidindo com a duração dos escalões da carreira docente, no que respeita aos professores do quadro, mantendo-se o seu caráter anual relativamente a todos os contratados (educadores e professores).
3 – Deve ainda ter-se em conta que os docentes do quadro, embora não sendo avaliados no presente ano letivo, deverão proceder ao registo do seu desempenho, tendo por base as 3 dimensões (também aplicável aos contratados), sobre as quais irá incidir a avaliação:
– científico-pedagógica;
– participação na vida da escola/agrupamento e relação com a comunidade educativa;
– formação contínua e desenvolvimento profissional,
devendo apresentar evidências de tudo o que vier a ser registado neste âmbito.
4 – As referências para todo o procedimento avaliativo assentam no Projeto Educativo do Agrupamento e nos parâmetros a definir pelo Ministério, centrados na dimensão científico-pedagógica (ter em atenção os objetivos do Projeto Educativo), continuando a ser obrigatória a apresentação de um relatório de auto avaliação. Para os docentes posionados nos 8º, 9º e 10º escalões, o regime a aplicar é especial e simplificado.
5 – Tendo em conta a alínea b) do nº 1 desta Informação, o Conselho Pedagógico, na sua reunião do mês de fevereiro, irá estabelecer as normas para a avaliação dos contratados, sendo as mesmas dadas a conhecer até ao final deste mesmo mês.

*****************, 29 de janeiro de 2012

Ministro detecta “desvio silencioso” de mil milhões

Há um desvio silencioso de mil milhões de euros nas contas públicas, detectado pelo ministro das Finanças, Vitor Gaspar, que será absorvido pelas políticas já em marcha.

Três reparos:

  • Não tinham dito que não se desculpariam com o passado?
  • Desculpando-se com o passado, não há maneira de identificar os responsáveis?
  • Não havendo maneira simples, porque deixaram cair a ideia de uma auditoria às contas públicas?

Recebi aqui um porta-folhas digital do caraças, cheio de arrebiques e explicações, para uso dos relatores. Coisa para ter demorado semanas a preparar, desde pauerpóintes explicativos e pêdêéfes protegidos. Um total de mais de 100 páginas de leitura recreativa, para dar uso aos dias nas planuras alentejanas.

Deixo aqui a imagem de parte do porta-folhas específico para registos pelo relator (páginas 1 e 3 a 5), que é coisa com 35 páginas. Quando o Livresco me libertar o pdf, limpo de impurezas identificativas, eu deixo-o aqui.

Cortesia do José Marques, que se adiantou bastante aos Ministérios das Finanças e Educação:

Subsídio de Natal dos Professores

Página seguinte »