Certificação



.
Estou impaciente, claro que estou!

Exmº Senhor Reitor da Universidade Lusófona

Campo Grande, 376,

1749 – 024 Lisboa

reitoria@ulusofona.pt

 

Por lapso, acabei de receber, indevidamente, 2 requerimentos dirigidos ao senhor reitor da Universidade Lusófona, para apreciação curricular.

Desta forma, por ser um assunto do maior interesse para essa Universidade, e tendo em conta o, aparente, também interesse premente dos requerentes, seguem em anexo os referidos requerimentos.

Aproveito a oportunidade para lhe enviar os meus mais respeitosos cumprimentos e as minhas mais vivas felicitações pela forma como tão dignamente, essa Universidade, tem contribuído para a melhoria do ensino e da educação em Portugal.

Sem mais de momento, aceite-me como um admirador sincero de V. Exª

 

Francisco Teixeira Homem – BI 7356693

(professor, com 13 anos de formação no ensino público universitário, antes de Bolonha)

 

  ________________________________________ 

REQUERIMENTO 1

Exmº Senhor Reitor da Universidade Lusófona

Campo Grande, 376,

1749 – 024 Lisboa

reitoria@ulusofona.pt

 

 

A signatária é Guilhermina Condon Pito, profissional da prostituição, Condon da parte da mãe e Pito da parte do pai, mais conhecida por Guilhermina Pito, “Pitinho” para os amigos, moradora na rua das Pegas, nº 69, Coina, concelho do Barreiro, distrito de Setúbal.

Saiba V. Exª que a minha profissão ao longo de mais de 30 anos de trabalho árduo, sem horário, de busca e de total entrega a longas e profundas experimentações e ensaios que considero científicas, significa o culminar de um trabalho que não deixa de ser académico e de ensino e pesquisa permanente, de grande relevância para um ramo de investigação como é a área do conhecimento científico da Sexologia. Trabalhei com equipas jovens e até veteranas, de forma isolada e em grupo, o que me conferiu o domínio do conhecimento e a possibilidade de ensinar numa perspectiva teórico-prática, com recurso a suporte audiovisual, sempre que necessário, e uma participação activa do aluno ou alunos envolvidos, conforme o caso. Adquiri, por isso, conhecimentos necessários ao diagnóstico, classificação, avaliação e intervenção de todo o tipo na área da sexualidade. Tenho um domínio completo em todos os instrumentos de intervenção e na avaliação dos mesmos nesta área.

Desta forma, venho requerer a V. Exª se digne reconhecer, através da atribuição de créditos, a experiência e competência profissional que fui adquirindo ao longo da vida, tendo por base o Decreto-Lei 74/2006, atribuindo-me o Doutoramento em Sexologia.

PEDE DEFERIMENTO

 

Coina, 9 de Julho de 2012

A requerente

Guilhermina Condon Pito

A ANQ tomada de assalto pelo aparelhismo. Sai Capucha, entra Xufre. Muda o cartão, estranha-se a qualificação (tese em Aprendizagem Automática por Redes Neuronais de Unidades Locais).

Curiosamente mantém-se a ligação a Vila Franca de Xira.

E ao ISCTE. Talvez ligeiramente menos eduquesa, mas mesmo assim.

Porque há muito dinheiro envolvido. As coisa não podem implodir assim, antes de retirada a seiva.

O Afonso, que era monárquico, fundou um país e uma nacionalidade – com a qual sempre nos identificámos, tirando para fora os comunistas.

Os republicanos, dos quais há inúmeras bustos de bronze oco roubados e já fundidos, afundaram-no.

Salva-se o zé das socas – para o qual, claramente, continua tudo de ouro. E seguro.

“Novas Oportunidades” empurram Portugal para o sucesso

Estudo hoje divulgado conclui que, graças ao programa “Novas Oportunidades”, Portugal tem a maior taxa de obtenção de diplomas do final do ensino secundário (96%) da OCDE.

Não tenho quaisquer dúvidas sobre o sucesso quantitativo. O Governo de Sócrates, com a inestimável coordenação política de Maria de Lurdes Rodrigues/Valter Lemos e a execução do brilhante Luís Capucha, colocaram em prática um brilhante plano para diplomar todo o seu vivente no nosso país. Resta saber se isso resiste a um escrutínio que ultrapasse a constatação da certificação, coisa que não tiveram a coragem de fazer, excepto em estudos encomendados a gente segura de concluir o que deveria ser concluído.

Porque para isso dinheiro não faltou à ANQ.

Já para estudar a empregabilidade dos diplomados… e no que esta onda certificadora contribuiu para a economia nacional… nem que seja ao nível ultra-micro…

« Página anteriorPágina seguinte »