Catavento


Costa admite que Portugal está melhor hoje do que há quatro anos

António Costa, secretário-geral do Partido Socialista, reconheceu que o país terá superado a crise e está hoje numa situação “muito diferente” do que em 2011. Tendo em conta o contexto, um elogio ao contributo de investidores chineses para esse percurso, a conclusão só pode ser a de que o líder do PS considera que a evolução nestes quatro anos foi positiva. Foi no passado 19 de Fevereiro, no Casino da Póvoa de Varzim, nas comemorações da entrada no ano da Cabra, segundo o zoodíaco chinês. O líder socialista discursava perante a comunidade chinesa em Portugal e a meio do discurso agradeceu o “contributo” dos chineses na recuperação do País nos últimos quatro anos, isto é, durante a governação de Pedro Passos Coelho.

“Como nós dizemos em Portugal, os amigos são para as ocasiões. E numa ocasião difícil para o País, em que muitos não acreditaram que o país tinha condições para enfrentar e vencer a crise, a verdade é que os chineses, os investidores disseram presente, vieram e deram um grande contributo para que Portugal pudesse estar hoje na situação em que está, bastante diferente daquela que estava há quatro anos atrás. E queria agradecer à China todo o apoio que nos deu e que certamente não esqueceremos e que é um sinal do muito que ainda temos para desenvolver nas relações entre todos nós”.

Marinho e Pinto disponível para “soluções” com PS e PSD

Marinho e Pinto. “O MPT vai permitir soluções de governo ao PS”

24horas

Recolha do Livresco:

  • 2002:

A Ordem do Professor

  • 2007a:
  • 2007b:
É nesse sentido que desejam criar uma Ordem dos Professores e mesmo Colégios de Especialidades dentro da Ordem?
É indispensável que exista um organismo, como uma Ordem, que proceda, não ao corporativismo e à defesa dos próprios interesses dos seus associados, mas a uma auto-regulação exigente da profissão de professor, no interesse de toda a sociedade, para que o exercício da profissão traduza um serviço de qualidade com garantias asseguradas e verificadas.Quer isso dizer que considera necessário controlar e avalizar quem exerce o ensino nas escolas do país?
O ensino tem sido invadido por aquilo a que chamo de “indiferenciados”, isto é, indivíduos que não possuem nem a vocação nem a preparação adequada para a docência. É urgente que exista um órgão – a Ordem, neste caso – que fiscalize e leve a cabo o reconhecimento da capacidade e da competência para ensinar de cada potencial professor. Apenas a certificação e a acreditação do professor para o ensino pode garantir a sua qualidade.
  • 2008a:

Com este estudo visavam-se dois objectivos essenciais: primeiro, ir ao encontro do universo da classe docente, auscultando-o, com o propósito de fixar um quadro fidedigno do seu “sentir profissional”; segundo, saber da relevância da criação de uma Ordem profissional de docentes.
Se o primeiro objectivo era importante para um conhecimento mais consistente das questões de natureza profissional que
preocupam os docentes, directamente conectadas com o acesso à profissão e com o seu exercício, já o segundo permitiria confirmar ou infirmar a justeza e a importância para a classe da prossecução do propósito que a Associação Nacional de Professores vinha afirmando há mais de vinte anos: a criação da Ordem dos Professores. (p. 6)

  • 2008b:

Nota À Imprensa Da Associação Nacional De Professores

  • 2008c:

“Está enraizada a ideia de facilidade e de ausência de rigor na Educação”

No espaço de menos de 20 segundos disse que “a greve não estava a correr muito bem para os professores” e “as escolas estavam a ficar um pandemónio” pelo que era necessário o MEC terminar com a dita greve.

Organizar uma manifestação com mais de 100 mil professores (8 de Novembro de 2008), uma greve nacional (3 de Dezembro de 2008) e, passado mês e meio, uma nova greve nacional (ontem), não é tarefa fácil. Os professores portugueses estão de parabéns mas há que reconhecer que uma parte do conseguido se deve à postura de Mário Nogueira e João Dias da Silva. São dois dirigentes sindicais que se entendem bem, que fazem uma leitura correcta da realidade e que têm uma boa capacidade de expressão. Quando falam, são ouvidos porque sabem o que dizem. Estão bem infomados e são empenhados.

Enquanto testes intermédios e exames forem feitos de acordo com as marés e os gostso particulares dos timoneiros do momento não vale muito a pena comparar seja o que for…

Pub26Fev13

Público, 26 de Fevereiro de 2013

Página seguinte »