Botox Pó Povo!


A maioria absoluta está garantida.

Câmara de Lisboa aprovou perdão fiscal de 1,8 milhões ao Benfica

Avaliação continua justifica diferença entre classificações

Isto significa que as escolas que não dão notas inflaccionadas não fazem esse tipo de avaliação?

A culpa é, então, dos que dão notas alinhadas?

Foi interessante a lavagem que a RTP fez acerca deste assunto. Eu tenho uma teoria sobre isso, mas… baseia-se apenas na observação de afinidades e trajectos.

Foram as palavras que mais me ocorreram para um pequeno depoimento, gravado no fim da semana passada, que talvez surja no enquadramento do debate de hoje à noite na SICN com o actual MEC e alguns dos seus antecessores, não sei exactamente quais (há sempre a possibilidade do inefável Couto, aquele que tem o maior desfasamento entre o que fez e o que pensa que fez).

A verdade é que o “mais com menos” e o “sangue novo” que estaria para vir para as escolas foram sempre fórmulas bacocas e vazias de substância, excepto no que se refere a esgotar por completo quem ainda tenta ter um mínimo de profissionalismo nas escolas.

Quem tinha idade ou condições para se aguentar com uma aposentação duramente amputada, foi-se embora. Sobre o anedótico processo de rescisões, nem é bom falar. O “sangue novo” das vinculações extraordinárias trouxe umas centenas de colegas praticamente com a mesma idade dos que já estavam nos quadros. Os contratados, em grande número, andam em duas ou três escolas para conseguirem acumular horas e tempo de serviço.

Acredito que nada disto, ou muito pouco, venha a ser aflorado esta noite, pois @s ex-ME(C) formam uma espécie de confraria em que as diferenças são muito menores do que as afinidades e os seus “fantasmas”: a máquina monstruosa da 5 de Outubro, o poder dos sindicatos, o corporativismo dos professores, a centralização do sistema. Tudo tretas, mas que são apresentadas como falhas “sistémicas” que se andam a corrigir há 20 anos.

O problema é que quase tod@s os que passaram pelo cargo acabam por confluir numa série de chavões, sendo que o que está agora em acelerado progresso é o da “descentralização” que se quer fazer passar por sinónimo de “municipalização”.

Articulá-lo com”autonomia das escolas” é um ovo de Colombo, mas um ovo de avestruz obesa ou a quadratura de um triângulo. É simplesmente uma impossibilidade.

E falar de “proximidade”, de “legitimidade democrática” dos autarcas (quando foram eleitos, sabia-se disto? sabia-se quem seria o vereador da Educação?) é a chapa cinco do momento. Invocar “o interesse dos alunos”, o recurso retórico com barbas por fazer que já atinge a obscenidade política e serve para tudo, em especial quando é para dar a entender que os professores estão contra esses interesses.

Que Nuno Crato vai passar por este debate com poucos danos e sem mostrar que ainda está a milhas de perceber o que andou a fazer e a deixar que fizessem, estou mais do que certo. A cortesia, na hora da saída, tem muito encanto e a vidinha é assim, pois todos acabarão por se cruzar aqui ou ali e é feio apontar dedos que podem ricochetear.

Que se lixem os mexilhões.

Tribunal de Contas “perdoou” desvio de 6,4 milhões para as contas dos partidos na Madeira

Sentença absolve deputados acusados e censura o Ministério Público por não responsabilizar os gestores dos partidos.

DE onde vem o alvoroço? Descobriram agora uma prática com décadas? Não sabiam que os filhos dos emigrantes são tratados nos países “avançados” da Europa como completos “deficientes” apenas por não terem a língua lá do sítio como a materna?

Vá lá… por favor… digam-me que só souberam disto em finais de 2014!

E já agora, digam também que não é esta a prática que se quer generalizar para promover o sucesso e, alegadamente, combater o insucesso escolar, dar menos e pior a quem precisaria de mais e melhor, só que se considera que sai caro e eles não merecem.

Exp8Nov14

Expresso, 8 de Novembro de 2014

… uma variável, um sofisma, uma mera enunciação discursiva.

Pelo que me enojam bastante as criaturas engomadas que falam dela em termos de abstracção ou relativização do género ah-no-sudãoé-que-há fome.

E largam bitaites como se percebessem de algo mais do que aproveitar a inépcia do MEC para fazerem avançar o que estava encalhado (desregulação total da contratação de professores), com o beneplácito do vácuo presidencial.

Conseguem dizer que a bosta que fizeram foi a senhora do lado que fez.

Qualquer semelhança entre as declarações destes senhores e a realidade é mera e involuntária coincidência.

Página seguinte »