Atchim


O documento de reforma está escrito de forma não reformada.

O que coloca em causa os papistas sem rede, todo o linguarejar do estado alheado da forma.

 

Do conteúdo – marimbo-me!

… ou li as respectivas transcrições daquela polémica do passado final de semana. É assim tão demorado como as actas do tempo das reuniões com a Alçada? Desta vez também ficou doente o técnico?

Passos não faz “interpretação” sobre ausência de Portas

… por tamanhas partidas

Este cá para mim vai fazer “pontes”

Daniel Oliveira abandona Bloco de Esquerda

Militante histórico comunicou hoje a decisão à Comissão Política, numa carta em que diz que o Bloco é hoje “um factor de bloqueio, alimentando-se e alimentando o sectarismo” e onde afirma que Francisco Louçã, “o coordenador anterior, não desistiu de continuar a coordenar”.

Mas então enquanto o Louçã coordenava-coordenava não saiu e sai agora? Falta de espaço para…?
.
Já estou a ver como o PS do Seguro vai alargar a sua base de apoio, com recurso à mediação do Costa…
.

… por isso…

Governo garante que professores do quadro não serão afetados com reforma curricular

Ai!, saudade.

A cultura Like gosta de quê?

Carte a Segoléne Royale

afirmou estar preocupado com a imagem do país.

Governo pede aos portugueses para guardarem as cápsulas da Nespresso, porque podem ser precisas para construir o TGV

De facto, os alunos de meios socialmente menos favorecidos são considerados no estudo especialmente resilientes, e este conceito de resiliência tem a ver com a constatação de que há muitos alunos que à partida tendo uma origem social menos vantajosa do que outros revelam resultados nos níveis mais positivos”, sublinhou. O representante português no comité do PISA, Pinto Ferreira, também destacou que “a escola portuguesa, para além de ter melhorado em termos de qualidade, melhorou substancialmente em termos de equidade.

O Prémio Nacional de Professores não foi este ano atribuído devido à ausência de candidaturas que reunissem os «requisitos considerados necessários», anunciou hoje o Ministério da Educação.

Ou foi porque nenhum Professor quis a carica(ta), ou para não estragar o orçamento.

[já emendei, ando confuso co’a língua]

Porque será que muitos daqueles que mais combatem (ou dizem que combateram) a unicidade sindical, na classe docente ou fora dela, de súbito são grandes promotores dessa mesma unicidade em matéria de individualidades e opiniões sobre matérias sensíveis, nomeadamente na área da Educação?

A crítica à unicidade quando nasce(u) não é para todas as situações? É que eu cá não gosto de misturar casacas…

Não é para tomar partido por nenhum dos lados que se degladiam de forma mais aberta ou dissimulada na praça pública sobre a gravidade da chamada gripe A.

É apenas uma espécie de ponto prévio a qualquer discussão que se queira racional.

Se a real gravidade de uma pandemia se mede pelo número de mortos, como se mede a qualidade da reacção e prevenção contra essa pandemia?

Repito: não tenho conhecimentos para aferir da real gravidade da ameaça que constitui(u) o vírus H1N1 e se essa gravidade foi empolada por laboratórios e grupos económicos para proveito próprio. É óbvio que sei que existem formas diversas para manipular medos e pânicos de massas (lembram-se de uma outra crise mais específica entre nós, há não muito tempo, em torno de uma mão-cheia de casos de morte por meningite?) e que neste mundo muitas coisas acontecem porque as fazem acontecer.

Mas também confesso que prefiro que uma pandemia seja prevenida por excesso do que tenham de morrer muitos milhares de pessoas para se provar da sua efectiva gravidade.

Para equilibrar tudo, até deixo aqui um cartoon sobre o assunto:

H1N1: Escolas antigas podem recorrer a tendas para isolar alunos

(…)
Segundo Albino Almeida, nem todas os estabelecimentos têm capacidade para criar espaços dedicados, sobretudo no caso de escolas primárias envelhecidas. “No Algarve prevê-se a eventualidade de usar tendas de campanha. A sugestão que deixámos, para escolas EB 2-3 e secundárias em obras, é o aluguer de pavilhões pré-fabricados”.

Gripe A: escolas vão ter salas de isolamento

A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, disse hoje, em Ponte de Lima, que o plano de contingência para fazer face a um eventual surto de gripe A nas escolas inclui a criação de salas de isolamento.

Em declarações aos jornalistas, a governante disse que o plano tem vindo a ser preparado em parceria com o Ministério da Saúde, adiantando que vai ser apresentado dentro de dias.

“As salas de isolamento são necessárias e essenciais”, afirmou, garantindo, no entanto, que não há motivos para alarme e que os pais podem ficar “descansados”.

Deixa-me lá ver se percebo: as salas de isolamento são para lá fechar os alunos suspeitos de ter gripe A? É isso?

E fecha-se lá só um aluno ou todos os suspeitos?

E quem vai lá ter com eles? E para ir à casita de banho, como é?

E quem é que depois desinfecta, e como, a sala depois de usada pelo(s) isolado(s)?

Não estou a ser destrutivo, só estou a tentar perceber como se operacionaliza

Já agora, é so uma sala por escola ou várias? A sério que há espaço e condições…

ovo_atchim

Página seguinte »