Anonimato


não me apetece publicar fotos. Egoísmos vários.

Para minha grande surpresa tenho vindo a saber por colegas de diversas escolas que é possível serem acusados, de forma anónima, com denúncias enviadas online para o MEC ou para a IGE.

Até ao momento, a única forma que conhecia de serem feitas tais queixas/denúncias era através deste espaço do site da IGE que requer a identificação clara do(a) denunciante.

No entanto, dizem-me esses colegas, as queixas chegam às respectivas escolas como sendo anónimas e assim se mantêm enquanto decorrem as averiguações. O que significa que no plano da “justiça educativa”, os direitos dos “acusados”, em particular dos professores, não seguem as regras normais de um qualquer procedimento judicial ou, inclusivamente, dos procedimentos disciplinares instaurados aos alunos.

O que é inaceitável. Tanta alma que eu ouvi por ai, exaltada, contra as denúncias anónimas contra políticos e figuras gradas, acusando de cobardia quem se mantinha no anonimato ou quem reservava a identidade das testemunhas durante a instrução do processo. E tratava-se de alegados crimes de enorme gravidade.

Pelos vistos, nada disso incomoda se as denúncias forem feitas contra professores. Os direitos dos “réus” são unilateralmente espezinhados.

Não está em causa se há fundamento ou não nas denúncias, mas apenas de podemos ser difamados e caluniados de forma anónima, por via institucional, com o crédito da tutela.

Isto vem a propósito de uma denúncia que me foi enviada nesses moldes, sem identificação de quem a remeteu, mas com abundante descrição da situação denunciada.

Para a publicar coloquei as seguintes condições:

  • Ou o(a) remetente se identificava minimamente perante mim, para eu sentir que há alguma segurança e fiabilidade da denúncia.
  • Ou eu só publicaria a situação em abstracto, eliminando todas as referências a identidades concretas e lugares.

Percebi que,  afinal, há blogues que exigem mais em matéria de rigor e transparência do que o MEC.

… naturalmente que fala.

 A realidade é sempre outra, a conveniente, a perdida ou a não obtida.

Não há.

.

.

.

Anonymat des blogueurs : le web se mobilise

Un appel a été lancé contre une proposition de loi visant à mettre fin à l’anonymat des blogueurs non professionnels.

Plusieurs acteurs de l’internet français ont publié, mercredi 26 mai, un appel accompagné d’une pétition contre une proposition de loi visant à mettre fin à la possibilité pour les blogueurs non professionnels de rester anonymes.