Agora Chama-se Ensino Vocacional


… mesmo a tempo das eleições.

Para quem criticava as NO não deixa de ser caricata esta forma de “combater o insucesso” e certificar a esmo.

Basta ler o artigo, para perceber o que os próprios directores dizem desta coisa vocacional destinada a afastar das pautas muitos milhares de indesejáveis.

EXp21Mar15

Expresso, 21 de Março de 2015

 

Anúncios

Por isso, na OCDE, como há muitos estudos e especialistas a gosto, cada ministro tem sempre por onde escolher (ou a quem encomendar) a legitimação “externa” das suas políticas.

Aposta de Crato no ensino profissional destacada pela OCDE

Relatório anual sobre reformas na Educação aponta exemplo das medidas que têm vindo a ser implementada desde 2012.

Giro, mesmo giro, será ler ou ouvir o Ramiro Marques, que tanto zurziu os estudos da OCDE a favor das NO de Sócrates, a engalanar-se com este.

 

Reproduzir o modelo alemão do sistema dual em Portugal implicaria despedir metade dos professores dos ensinos básico e secundário”, alerta José Luís Presa, presidente da Associação Nacional de Escolas Profissionais (ANESPO). Quase dois terços do período de formação passaria a ser passado nas empresas e apenas um terço do tempo nas salas de aula da escola tradicional, o que reduziria drasticamente o número de docentes necessários. Esta foi uma das questões levantadas na Conferência “Ensino Profissional em Portugal e Sistema Dual na Alemanha” que juntou peritos portugueses e alemães na Escola Profissional de Imagem na semana passada.

Fazer isto a partir dos 13 anos, quando legalmente a miudagem nem pode trabalhar, é uma ganda malha cratino-ramirília.

Returns to vocational education in Portugal

(…)

Estimates revealed a wage advantage for workers with vocational education vis-à-vis workers with general education, in the beginning of the career. Particularly, accounting for both workers’ and firms’ characteristics, the former group earns on average around 2% more than the latter. However, the earnings of vocationally educated workers grow at a slower rate and are surpassed by the earnings of generally educated workers at around eight years of experience. Such wage-experience profile is more pronounced in the case of vocational courses of level III when compared to other job-oriented tracks.

São vocações!

Angela Merkel diz que Portugal e Espanha têm demasiados licenciados

Chanceler alemã defende que facto impede que os dois países valorizem o ensino vocacional.

E como nem a miudagem nem tem de fazer os exames que o MEC diz serem a marca de rigor do sistema, as escolas que mais empurrarem os alunos mais “vocacionados” para a serralharia e a pintura de automóveis, melhores resultados conseguem e sobem nos rankings e tudo.

É toda a gente a “ganhar”.

Uns, as migalhas, mas muito alegretes (incluindo os capatazes locais dos patrões germânicos), os outros o bolo todo, tipo floresta negra, a abarrotar de natas e frutos das silvas.

(longe de mim – gesundheit! – insinuar que a Alemanha tem tido ao longo de menos de 150 anos de História, demasiadas pulsões… coiso… em relação aos outros países… sei lá…)

CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO- Candidaturas Aprovadas – 2014/2015

Rede de Cursos de Ensino Secundário Recorrente 2014/2015

Rede de Cursos de Educação e Formação de Adultos 2014-2015

Rede de Cursos Profissionais – 2014/2015

As turmas constantes do mapa de rede aprovado só são consideradas em definitivo após a respetiva validação na plataforma SIGO


Português Para Falantes de Outras Línguas (PPT)
Oferta formativa de setembro a dezembro de 2014

Conselho Nacional de Educação teme que novos cursos vocacionais sejam dados por “operadores” alheios à escola

Página seguinte »