A Neve


O anti-midas, tudo em que toca fica igual a ele.

… a ministra dos encerramentos. Pim!

hoje começa o dia

onde a ausência não se iniciara

como se ontem nada houvera

e o beijo que eu dera

fosse mais uma vez transportado por aí sem o devido nexo

[eu]

estas palavras dizem tudo quase tudo
chocalham com as palavras que nada dizem
e dizem tudo

todos os poetas mortos dizem tudo
analisados irão sem as palavras está provado
ó cambada de imbecis que nem as palavras são mudas
mesmo as da gramática

donzela fica
leda e depravada

um dia eu virei rapinar as sementes

passei sempre por esta rua por acaso regressando a casa
esta rua de pó de papel envolta em fio de assar
uma duas muitas vezes sempre a passar por esta rua
um cais afundado

um dia eu virei pelas sementes para as misturar neste lodo
com outra terra

(c) Cristina Bernardes, no Fascínio das Palavras.

(c) Elsa D.

(c)  A. Afonso

(c) Bulimunda, que também tem uns filmes.

(c) Telmo Bértolo

(c) São Carneiro

(c) Pinto Alexandrina

E mandem mais fotos das vossas zonas com neve, caso esteja a cair, porque para meridionais os flocos e o manto de neve tem um encanto suplementar, pelo desusado da visão.