2016


… que anda muito escassa em respostas às escolas.

Recebi estas por mail… à primeira eu sei a resposta, mas…

1. Situação dos QZP – não sendo obrigados a concorrer agora têm que concorrer às necessidades transitórias mesmo tendo horário na escola?
2. Regime jurídico das faltas por doença e a sua equiparação a efetivo serviço docente (cf. informação nº B14015519V de 4 de julho de 2014). É para efetuar ou não a recontagem de tempo de serviço?
Alerto que umas escolas estão a rever e outras não o que vai gerar desigualdades e injustiças no processo concursal.

 

Fica aqui: Manual de Instruções – Concurso Professores 2015,

Concurso15a16

Fica aqui: Concurso2015a16.

A partir do Arlindo:

 vagas2vagas1

As instruções da DGAE: Concurso_docentes_2015_2016.

Ao contrário do que inicialmente me foi dito e eu pensava, os QZP não colocados pela via extraordinária não me parecem obrigados a concorrer se quiserem manter-se no mesmo QZP (só que agora são apenas 10…).

São mais de 9500 nos quadros de agrupamentos e escolas não agrupadas.

O Arlindo já fez as tabelas para aquel@s onde há mais lugares a extinguir e onde existem mais vagas abertas.

A verdade é que, com isto tudo, o concurso deste ano serve para extinguir quase 10% dos lugares dos quadros AE/E, enquanto entram muito menos (pouco mais de 15% desse número, ou seja, pouco mais de 1% dos quadros, assim de cabeça) para QZP, com uma colocação muito menos estável.

O que significa que há sérias possibilidades de muitas das vagas abertas para QZP serem preenchidas por professores do quadros de AE/E que estejam em risco de horário-zero e/ou requalificação.

O que significa ainda que este concurso intercalar, tão reclamado por algumas pessoas até é um bom serviço prestado ao desgoverno e ao MEC, que assim emagrecerá os quadros de forma bem acima da redução de alunos.

Página seguinte »