Eu tive de apresentar uma declaração em como não tinha dívidas à Segurança Social, mesmo sendo funcionário do Estado, quando fiz a biografia do Afonso Costa para a Assembleia da República e um tipo pode chegar a PM sem ter de prestar quaisquer contas?

Não souberam nem: Prever!

Estamos a constatar que demasiados economistas fizeram previsões excessivamente teóricas que não resultaram. Outros dentro e junto à Governação, obstinaram-se com metas inatingíveis, e tudo saiu furado.

Entretanto outros, economistas, foram fazendo as previsões razoais e expectáveis, acertaram, e como previram – seguindo o rumo que estava a ser seguido! – estamos em plena desgraça.

Pelo meio historiadores, filósofos e pessoas “comuns” – sem títulos antes do nome! – foram alertando os políticos de serviço, nas Oposições e na Governação, que tudo o que “por todos” estava a ser feito, era mais do mesmo que nos iria arrastar a tal estado, que seria a total desgraça.

Em simultâneo como estamos – já! – falidos , se nos continuarem a emprestar uns trocos a prazos curtos e juros elevadíssimos, os importantes/ricos que nos emprestam – o dinheiro indispensável para a nossa sobrevivência e de seguida subsistência – mandam para cá uns técnicos de fato e gravata – que os nossos média gostam de tanto seguir – armados em entendidos, para nos controlar, ao cêntimo.

Trazem ideias feitas pelos seus respectivos chefes, e espremem cada vez mais o que já não tem por onde ser espremido. O Presidente da República refugia-se em Belém – achando ser o melhor que pelo País faz – e ainda por cima se incomoda quando, quase todo o País o questiona onde está, e para que existe.

O comum dos cidadãos que anda aflito a atingir que o País pode rebentar-se de um momento para o outro, nada entende do que se passa, a não ser que vai mesmo poder, tudo rebentar. Vai tudo como – alguns acham ser o ideal – ainda mais baixar a começar pelo salario mínimo? Vamos ficar a nem sequer alimentação ter? Vamos deixar de receber vencimentos, reformas, pensões?

E iremos recuar a níveis de vida de 1920? Depois é só subir!

A comunicação social influenciada e influenciando esta trapalhada toda, alinha – demasiado – no sensacionalismo barato, na noticia permanente, mas muito rápida, no alarmismo, no seguidismo aos senhores de gravata da troika – seria tão bom ninguém lhes dar troco!! desconhecê-los!- , ao ministro que nunca devia ter sido, ao quanto pior, melhor. Na generalidade!

Depois morre Chávez, o Papa resigna, e fica-se por uns dias distraídos a olhar lá para fora, e quando se olha novamente cá para dentro – com o Chipre a correr a tentar levantar dinheiro dos bancos para meter debaixo do colchão – notamos a nossa agonia e desesperança.

E católicos e não católicos, acreditam que o Papa Francisco, se não for calado, ou qualquer “outra coisa , pior” foi a única realidade boa que aconteceu nestes últimos tempos.

Se calhar não é necessário os que preveem, continuarem a fazê-lo, bastará ler (reler) os nossos ciclos históricos de desgraça e estamos em mais um.

Estes – tantos – atores sempre tão afoitos a prever e não resolver aparecerão na História – daqui a 50 anos – como mais uns que nada souberam prever a sério, e desgraçaram agora ”inteligentemente e em directo” este País. Uma vez mais!

Augusto Küttner

ASatira1MAr911

A Sátira, 1 de Março de 1911

The Black Keys, Thickfreakness

IMG_8072IMG_8073

Ando eclético, mas em fase policial.

 

… não sei que diga, não fui ao mercado ver o preço da fruta pelo que não espero grande coisa.

Porque há devedores que aparecem em listas públicas e outros que têm direito a  tratamento especial com processos disciplinares e explicações de um ministro quem nem o era quando as coisas se passaram.

Mas então os ocupantes de cargos políticos não devem ter os seus dados para consulta pública? Não é de lei entregarem declarações de rendimentos, onde tudo isto pode ser verificado?

O que tem Passos Coelho tanto a esconder?

Porque este tipo de reacção revela um nervosismo curioso.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.042 outros seguidores