hoje és o meu pai e vais nos gestos que virão
imperfeitos como a vida e que serão só os meus

pai dá-me a tua mão e guia-me de novo
por entre os caminhos desta floresta sombria
de árvores decepadas